Gol, o grande momento da festa proibida



roger guedes

Foto: Celio Messias/Lancepress!

O gol é como o orgasmo. A metáfora não é nem um pouco original, é recorrente. Tente se projetar, o imaginoso leitor, em um estádio lotado fazendo um gol importante. Sonho de qualquer menino, homem, ser humano amante da bola. Êxtase equivalente ao sexual. Nem precisa dar asas à imaginação. Basta lembrar dos tempos de menino, na rua, na praia, em um terreno baldio qualquer… Quantas vezes não fez gol e coreografou, surtou, saiu berrando, abraçou quem estava na sua frente, sentiu-se, de repente, a pessoa mais feliz do mundo. A figuração do prazer do coito no estufar da rede é evidente. Os esgares e urros são de sua natureza feliz. Corre pro abraço, receita o velho adágio!

No futebol profissional, mais especificamente no futebol profissional brasileiro, comemorar gol tem sido um exercício de controle do gozo. Tem que seguir a cartilha do orgasmo comportado baixado pelos cartolas-barões. Daqui a pouco afixarão nas portas dos estádios, como Luteros da reforma dos modos futebolísticos, as teses da contenção da felicidade. Reprima a euforia, rapaz! Se subir no alambrado, extravasar com galeria, vai ser censurado, punido, quase açoitado em praça pública. Para os franceses, o orgasmo é seguido da “petite-mort”, a pequena morte causada pelo refluxo do prazer máximo. No gol, temos por aqui, com perdão dos francófilos, a “petite-censure”, a pequena censura. É o pito naquele que ousa festejar além dos limites, ousar confraternizar-se com seus torcedores, empoleirar-se para ficar olho no olho com a galera. Pecado capital! O jogador marca, mas o protagonismo é o do juiz-bedel, com sua palmatória de cartolina.

Róger Guedes fez gol nos minutos finais de um mata-mata, correu, alucinado, dependurou-se no alambrado e teve o barato cortado pelo árbitro. Dirão os legalistas que cumpriu a regra. Mas e o bom senso mora onde? Talvez os árbitros não façam uso da sensatez justamente porque o rígido sistema quer ser mais realista que o rei. Vivem com medo das geladeiras. Guedes quase teve que pedir desculpas para ousar marcar um gol. Depois do jogo, Felipe Melo e Michel Bastos clamaram por uma reavaliação dessa “perseguição” à alegria. Pedem alforria para a festa. Uma Lei Áurea para a comemoração. Gol é o grande momento do futebol. Virou até nome de programa! O cerco à alegria me faz lembrar de “Poética”, versos de Manuel Bandeira no início do movimento modernista. Dizia o poeta estar “farto do lirismo comedido, do lirismo bem comportado, do lirismo funcionário público com livro de ponto, expediente, protocolo e manifestações de apreço ao senhor diretor”. Pois podíamos lançar a “Poética do gol”: “Estou farto do gol bem comportado, do gol que precisa se ajoelhar e pedir perdão por existir”



  • gabriel silveira

    MEU DEUS!. MEUS OUVIDOS SANGRAM.. Consertar erros com outros erros e ainda reclamar desses erros com mais erros… estou fora desse movimento siga o mestre mesmo.. vsf

  • etienes

    Comemoração classica no futebol foi ensinada pelo maior de todos, Pelé. por que o soco no ar? seu gesto revelava simplicidade, euforia, triunfo alcançado, e o mais significativo, mostrava respeito ao adversário e ao esporte que praticava.
    O que temos hoje em comemoracões é um misto de descontrole com atos bizarros, seguidos de afronta ao “inimigo.” Dai aparecerem as justas punicões que limitam e regulam um momento único.

  • Patinkeiro

    COMEMORAR COM OS TORCEDORES? NÃO É O SEU CASO, AGORA ESCALAR O ALAMBRADO É PERIGOSO, SIM, MAS COLOCAR NA REGRA DAR CARTÃO AMARELO JÁ É UM EXAGERO, EM VEZ DISSO, QUER COMEMORAR FORA DO CAMPO, ENTÃO SÓ PODE VOLTAR APÓS O REINICIO DA PARTIDA, SIMPLES ASSIM, SEJAM QUEM MARCOU O GOL E AQUELES QUE FORAM COMEMORAR O GOL

  • Mauro Ribeiro do Prado

    Pitadinha historica com Roberto Havalone …. kkkkkkkkkkkkkkkk
    Essa polemica é antiga. Lembro de um jogo do Palmeiras que o Cesar maluco fez três gols. No primeiro saiu correndo e subiu no alambrado. O arbitro o advertiu verbalmente. Passado alguns minutos novamente ele balançou as redes e correu para a galera subindo no alambrado, imediatamente recebeu o cartão amarelo, bem o jogo caminhava tranquilo Palmeiras vencia por 2 x 0, quando de repente novamente Cesar Maluco encaçapa mais uma bola eeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeehhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh gooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooool do Palmeiras e o cara corre na direção do alambrado e sobe par comemorar com a torcida…, adivinha tomou o cartão vermelho, mas o que importa …o Palmeiras venceu!

MaisRecentes

Cristiano Ronaldo, uma máquina de obstinação



Continue Lendo

As lições do ‘aspirante’ Carille no senso comum



Continue Lendo

Luxa vive um longo crepúsculo dos deuses



Continue Lendo