Seleção de Tite: É o assombro! É o assombro!



tite

FOTO: Mauro Horita / MoWA Press

A consistência da Seleção Brasileira sob o comando de Tite causa inegável assombro. O fato de o técnico ter sido escolhido quase que por aclamação de público e crítica, ainda que com lastimável atraso de dois anos, não mitiga o impacto do que temos visto. As condições em que assumiu a equipe, com desempenhos de medianos para ruins, posição delicada nas Eliminatórias e as feridas do 7 a 1 sangrando muito, só aumentam a perplexidade. É compreensível que os cautos nos alertem sobre os perigos da canonização de um treinador, do oba-oba em torno de um trabalho, da euforia excessiva. Os freios racionalistas servem para nos fazer pensar e enxergar os desafios, os senões, poréns, contudos e todavias da vida. O próprio técnico, em seus gestos professorais e pausas típicas, sempre reitera o estágio do trabalho e o árduo caminho que tem pela frente. Porém, como não se empolgar com uma sequência de oito vitórias seguidas em um torneio de ótimo nível, que foi da agonia à classificação antecipada e, mais importante, com desempenho convincente? Onde está essa dose? Ainda mais tomadas as circunstâncias de autoestima baixa da Seleção e do torcedor, castigada pelas humilhações recentes. Tite já resgatou a potência da mais mítica das seleções.

Em menos de um ano, o Brasil saiu do temor de uma inédita ausência em Mundial, com Dunga, para candidato a protagonista na Rússia. Tudo muito rápido e suficiente para recolocar a Seleção no prateleira das mais fortes. As características e o contexto parecem bem diferentes do percebido em 2013, após a conquista da Copa das Confederações. O brilho dos 3 a 0 sobre os espanhóis provocou uma catarse coletiva na ocasião. Como na canção “Vai Passar”, de Chico Buarque, todos os paralelepípedos, das velhas e novas cidades, se arrepiaram. Ou, como na velha metáfora de cunho nacionalista, o gigante adormecido havia acordado. Houve uma espécie de efeito ilusório, uma catapulta emocional. O hino à capela, o ritmo alucinante dos primeiros minutos, o fato de ter sido contra a então campeã do mundo e bicampeã europeia, o retorno de Felipão, comandante do título de 2002 e técnico sempre relacionado à abstrata ideia da “estrela” … Foi uma junção de componentes que instalaram uma aura mística. Deve ter sido essa atmosfera que induziu Parreira a uma das frases mais infelizes de sua vitoriosa trajetória: “Estamos com uma mão na taça”. A declaração, dada no dia em que o Brasil iniciou sua preparação para a Copa de 2014, virou um mico histórico depois do massacre alemão na semifinal. A sensação predominante era a de predestinação. O roteiro agora é de outra natureza. O que o time dirigido por Tite vende é a ideia de um trabalho sólido. Um time competitivo, senhor de si, capaz de encarar qualquer adversário. E essa transformação não só aconteceu em pouco tempo como na limitante condição inerente a seleções, sem o dia o dia de um clube.

A Copa do Mundo é torneio de tiro curto. Se o futebol já é refém por natureza dos detalhes, eleve essa condição à enésima potência em uma competição de jogos eliminatórias que dura um mês e no fim da temporada europeia, com boa parte dos jogadores desgastados. Os Sarriás, Maracanazos e as Laranjas Mecânicas só reforçam o imponderável que sempre acompanhou a disputa. Além disso, há outras seleções que chegarão bem cotadas. Alemanha, França e Espanha estão fortes, com meios campistas excelentes e trabalhos mais longevos. A Argentina tem Messi. Assim, reverenciar o trabalho de Tite, reconhecer o assombro que ele provoca, não implica em cravar que o Brasil será hexacampeão em 2018.



MaisRecentes

Cristiano Ronaldo, uma máquina de obstinação



Continue Lendo

As lições do ‘aspirante’ Carille no senso comum



Continue Lendo

Luxa vive um longo crepúsculo dos deuses



Continue Lendo