Guardiola diante do desafio que queria



guardiola

(FOTO: Oli Scarff / AFP)

Guardiola já está na história do futebol como um dos maiores técnicos de todos os tempos. Situa-se no seleto grupo dos que não apenas venceram, mas contribuíram para a excelência do jogo com alguma singularidade. Os gênios da profissão, enfim. No comando do Barcelona, encantou o mundo com jogo de controle da posse de bola e devastação dos adversários por meio dessa dominação. Colecionou títulos, contando com jogadores excepcionais, prontos para executar a sua filosofia, especialmente o trio Xavi, Iniesta e Messi. Três jogadores que sintetizam uma era hegemônica, que, com os dois primeiros, estendeu seus tentáculos para a seleção espanhola campeã mundial e bicampeã europeia entre os anos de 2008 e 2012.

Quem leu “Herr Pep” (na edição brasileira “Guardiola Confidencial”), do jornalista e ex-atleta Marti Perarnau, pôde ter uma boa noção de como pensa e trabalha o treinador. O livro, que acompanha a primeira temporada de Guardiola no Bayern de Munique, mostra um homem obcecado pelo jogo, imerso de corpo e alma em um processo de transformação de um time para que ele responda, paulatinamente, à sua visão de futebol e obtenha os melhores resultados possíveis dessa forma.

Ao topar assumir o Manchester City, o catalão abraçou, provavelmente, o maior desafio de sua carreira. O Campeonato Inglês tem um nível de disputa acima do Espanhol, do Alemão e de qualquer outro dos suprassumos entre os torneios nacionais. A dificuldade não se restringe à qualidade de boa parte das equipes, embora, obviamente, isso seja relevante. Ela está na dinâmica particular do jogo praticado. A intensidade parece outra, os espaços se sugerem mais diminutos, até a configuração interna dos estádios, em geral com a torcida no mesmo patamar e próxima ao campo, transmitem outra atmosfera. É como se o futebol tivesse adquirido, em terras britânicas, um gênero à parte.

Neste domingo, o Manchester City foi goleado pelo Everton por 4 a 0, fora de casa, e, nas redes sociais, caixa de ressonância plural e imediata de nossa época, apareceram sátiras e críticas a Guardiola. O técnico tem adoradores e detratores, como é praxe acontecer com os excepcionais em todas as áreas, mais expressivamente nas “pops”. Basta ver como Cristiano Ronaldo e Messi vivem permanentemente nesse fogo cruzado. Pep já tinha experimentado isso na pele no início de dezembro, quando o City foi derrotado, também de forma inapelável, pelo Leicester. Na ocasião, o treinador pediu paciência e tempo. Lembrou que Alex Fergusson, maior vencedor da Premier League com 13 títulos, não venceu 11 das edições que disputou. Sua ideia foi mostrar que o grau de exigência da competição não poupa ninguém e que ele, Pep, não é mágico.

Guardiola, como está registrado no livro de Perarnau, diz odiar o “tiki-taka”. É o termo que os espanhóis usam para referir-se ao jogo de bola para lá e cá à exaustão. O técnico vê a expressão como pejorativa, pois a troca de passe para ele é um mecanismo de desvirtuamento da marcação para chegar ao gol, não a simples possessão da bola. Diante do Everton, como em quase todas as partidas do Campeonato Inglês, o City teve mais a bola, porém foi presa de contra-ataques. De Bruyne e David Silva são ótimos assistentes, mas o time tem poder de fogo oscilante. Foi ineficiente no ataque e sofreu na defesa. Quando acerta o pé, a configuração é outra, como contra o West Ham, na Copa da Inglaterra.
Enquanto os críticos se lambuzam com os reveses de Guardiola, ele deve pensar: “era esse o desafio que eu queria mesmo!”



MaisRecentes

Cristiano Ronaldo, uma máquina de obstinação



Continue Lendo

As lições do ‘aspirante’ Carille no senso comum



Continue Lendo

Luxa vive um longo crepúsculo dos deuses



Continue Lendo