Os campeões também rifam bolas



palmeiras-x-inter

FOTO: Daniel Vorley/AGIF/Lancepress!

“Extra, extra! O Corinthians de Tite deu chutão!” Essa manchete fanfarrona é baseada em fatos reais. O celebrado time corintiano de 2015, do toque de bola, das triangulações, da compactação, características que elevaram o técnico a quase unanimidade nacional e o guindaram ao comando da Seleção Brasileira, teve seus momentos de jogo de cabeça de bagre. Após suada vitória sobre o Flamengo por 1 a 0, em Itaquera, pela 32ª rodada do Brasileirão do ano passado, Tite reconheceu a atuação abaixo, falou de “passes apressados” e arrematou:

– No fim, rifamos bolas que normalmente não fazemos!

Naquela altura, o Corinthians liderava o campeonato com graúdos oito pontos à frente do seu perseguidor, o Atlético-MG. Tite responsabilizou a ansiedade por boa parte da exibição daquela tarde de domingo. Não seria menção única. Na reta final, o treinador identificou sinais de açodamento no time, que apressava o jogo e se despersonalizava sob influência da ansiedade. A proximidade do título pesava na cabeça e nas pernas. O profissionalismo não faz de jogadores robôs. Eles continuam sendo humanos. É por isso que a influência em um jogo jamais ficará restrita a táticas e estratégias. O fator emocional terá sempre seu peso.

A lembrança fragmentária do ano passado serve para refletir sobre o que ora acontece com o Palmeiras. Domingo passado, a equipe viveu episódio parecido com o do rival. Após a apertada vitória por 1 a 0 sobre o Inter, em jogo de nível técnico sofrível dentro de casa, o desempenho alviverde foi alvo de muitas críticas. O Palmeiras caminha para encerrar abstinência de 23 anos no Campeonato Brasileiro e dá mostras de que a ansiedade o acomete. Cuca, assim como Tite no ano passado, tem falado desse aspecto e os jogadores também. Demasiado humano!

Não podemos ser cruéis e injustos usando recortes de momento. Por ser longo e vencido pelo time que soma mais pontos após enfrentar todos os adversários em casa e fora, o Brasileirão é multifacetado. O campeão acabará ganhando um rótulo que o distinguirá, mas um olhar para suas vísceras mostrará várias dimensões. Na 14ª rodada de 2015, o Corinthians venceu o Atlético-MG por 1 a 0, em Itaquera, e esse triunfo foi vital por ser confronto direto. Mas pegue os relatos da partida ou veja o VT dela. O Galo foi superior. O placar não refletiu o jogado, como inúmeras vezes acontece. Mas a partida lembrada pela história será a da volta, no Independência, quando a equipe já tinha gordura de sobra e fez um categórico 3 a 0 nos mineiros. O filtro da história acabar por mistificar as coisas, para o bem e para o mal. O Palmeiras teve várias ótimas exibições, especialmente no primeiro turno, mas acabamos nos contaminando pelo presente. O jogo contra o Inter não é o parâmetro adequado para uma longa e exitosa campanha até aqui.



  • Welington Lisboa

    Não sei o que veem neste tite. Técnico comum

  • Aqui nao maluco

    Soh eh o melhor brasilero na atualidade… 90% da selecao eh a msm de dunga entao soh ver os fatos

MaisRecentes

Cristiano Ronaldo, uma máquina de obstinação



Continue Lendo

As lições do ‘aspirante’ Carille no senso comum



Continue Lendo

Luxa vive um longo crepúsculo dos deuses



Continue Lendo