Renato, sábio em campo e fora dele



renato

FOTO: Marco Galvão/Fotoarena

Na saída de campo após o tenso clássico contra o Palmeiras, o santista Renato dá entrevista ao repórter antes de partir para o vestiário. A fala pausada não parece pertencer a alguém que acabou de atuar do início ao fim de um jogo bastante desgastante física e mentalmente. Aos 37 anos, fala sobre a chance de o time ainda brigar pelo título a cinco rodadas do fim. Reflete, sereno, passa a mão no rosto e dá um veredito sábio. Diz que à equipe é fundamental focar nos seus jogos, buscar vencê-los, para não haver frustração. Como depende também de tropeços do líder Palmeiras, se eles vierem será frustrante que a oportunidade escape por falhas próprias.

Foram palavras simples, mas distantes do genérico ao unirem clareza e realismo. Ao ouvir sua explicação fiquei com a impressão de que o domínio do ofício que demonstra em campo apenas reflete a percepção que tem da vida como um todo. Em campo, Renato é dono do movimento exato, justo, do passe econômico, preciso. É como se soubesse todos os atalhos da sua posição. Com boa condição física, e postura empertigada, parece estar sempre focado em cumprir suas funções. O êxito fica óbvio nos recorrentes elogios que recebe de crítica, público, companheiros e técnicos.

A curta entrevista do Renato, de tema único, soou como lição pelo momento à flor da pele que vivemos. No futebol, ganha-se e perde-se, foi e sempre será assim, é da natureza do esporte – ainda bem! A lucidez para enxergar o que é preciso e o que é imponderável coloca as coisas em outro patamar. Enquanto dirigentes e atletas estrebucham contra a arbitragens, se colocam como vítimas do universo e das intrigas de bastidor, veem o inferno sempre no alheio, deparar com alguém que consegue ponderar, mesmo ainda no calor da disputa, é de se admirar.



  • Santista

    VALDOMIRO FERREIRA NETO: Parabéns! Muita sensibilidade no conteúdo e concisão na forma. Se fosse no ENEM, mereceria nota 1.000. Vou compartilhar.

  • olgin

    Por isso ele é o renato né?

MaisRecentes

O protagonismo estrangeiro no futebol brasileiro



Continue Lendo

A era em que gol não tem sido um detalhe



Continue Lendo

Bandeira branca, a violência venceu!



Continue Lendo