Tite e o desafio da reconstrução



No início de 2015, uma das grandes dúvidas de pré-temporada era se Tite conseguiria ter sucesso em uma nova empreitada no Corinthians. O treinador vinha de um ano de retiro, sabático, depois de passagem ultravitoriosa pelo clube alvinegro. Em vez de escolher outros ares, onde poderia começar do zero, sem a pressão do passado, optou por retonar para o lugar onde realizara seu último trabalho e havia conquistado tudo, consagrando-se como o melhor técnico dos tempos atuais. Para alguns, soou como decisão de faquir, sem nada a ganhar e muito a perder. Um autoflagelo. O hexacampeonato brasileiro, com um roteiro de superação e reinvenção, torceu línguas e pensamentos comuns. Tite mostrou capacidade admirável de dar sentido original a um trabalho  ainda que estando no mesmo lugar em que já havia atingido o ápice. Não era uma questão de nomenclaturas, mas de desafios autoimpostos.

Não importa que já tivesse sido campeão brasileiro pelo Corinthians, a taça era um fim que tinha nos seus meios os estímulos necessários. Ter que juntar os cacos de eliminações do Paulista e da Libertadores em casa, dar motivação a um grupo combalido por atrasos de salário e ameaça de debandada… A convivência com a cultura brasileira do descarte de técnico após duas ou três derrotas talvez tenha gerado como subproduto a ideia de que uma trajetória vitoriosa não possa se reproduzir no mesmo lugar.

Agora, Tite vê-se novamente desafiado no Corinthians. O time construído à base de muita alma e organização perdeu seu coração técnico. As súbitas saídas de Renato Augusto e Jadson puseram o técnico diante da inesperada necessidade de reconstrução. Foi essa exatamente a definição dada ontem por Tite em sua primeira entrevista no ano, lá nos Estados Unidos: “O desafio da reconstrução”. Tite não é mago, embora no futebol exista uma tendência de atribuir resultados advindos de esforços a sortilégios. Sabe que será necessário contratar reforços, mas também que não há nenhuma máquina atualmente em território nacional. A meta será manter-se competitivo dentro dessa realidade.

Semanas atrás, o Corinthians despontava como a equipe mais forte do país. Com o pequeno, mas sensível, desmanche tornou-se uma interrogação. A presença de Tite no banco é o principal fator a se considerar antes de julgamentos precipitados. Como dito, não é mago. O que se entende por magia deveria ser descrito como capacidade de extrair as máximas potencialidades técnicos das atletas e fazê-los atuar em grupo. É essa a reconstrução que pode ocorrer agora.



  • Kris Anoxika

    Tite genio. Corinthians Bi da libertadores,

MaisRecentes

Cristiano Ronaldo, uma máquina de obstinação



Continue Lendo

As lições do ‘aspirante’ Carille no senso comum



Continue Lendo

Luxa vive um longo crepúsculo dos deuses



Continue Lendo