O gênio obsessivo de Guardiola revelado



guardiola

Você sabiam que Guardiola detesta o tiquetaca? Nos anos de hegemonia do seu Barça cansamos de escutar que era o jogo de toques infinitos da equipe a marca do catalão. Como se ele apreciasse ter a bola como um meio de consumo perpétuo. E não é assim. Erramos! O técnico tem aversão a esse conceito. Seus times têm a bola como resultado de modelos de jogo que buscam chegar ao gol, tendo superioridade de peças nos espaços do terreno, tanto ao atacar como defender. É um enxadrista ludopédico. A posse da bola é um elemento de incessante busca do ataque. Não de simples domínio da bola como estética de jogo. Ele quer vencer. Dar espetáculo é consequência de sua anima vitoriosa, que a todo momento busca jeitos de escapar das armadilhas dos rivais e de superá-los. Está o tempo inteiro observando e refletindo para extrair o melhor do seu time.

Está no livro “Guardiola Confidencial”, escrito pelo jornalista e ex-atleta olímpico espanhol Marti Perarnau. O capítulo que revela isso chama-se “Ódio eterno ao tiquetaca”. Perarnau teve acesso ao vestiário do Bayern no primeiro ano de trabalho de Guardiola na Baviera e pode dissecar a mentalidade e as reações de Pep.

O livro é sublime, ainda que te deixe exausto quase o tempo inteiro pelo caráter obsessivo de Guardiola. Ele não respira. Não se conforma. E se tortura, se culpa, por resultados adversos. Aprendeu com o pai a não terceirizar culpas. Para se ter uma ideia, logo que chegou ao clube teve a perda do título da Supercopa da Alemanha. A derrota para o Borussia o flagelou a temporada inteira. Era o primeiro teste, quase um experimento, mas o caráter do técnico não vê suavidades assim.

É interessante descobrir com o passar das páginas como Guardiola valoriza o coletivo sem ignorar a importância do individual. A descrição do seu esforço para fazer Ribéry atuar como falso nove, ganhar terreno pelo meio, como Messi, é um exemplo disso. E o seu trabalho árduo, sem intermitências, não fecha os olhos para o fato de ser o futebol um jogo de imprevistos, imponderáveis, acasos. Pelo contrário. Entre linhas e linhas descrevendo a procura por melhorar o desempenho do time, há sempre uma observação sobre o fortuito.

Detalhe: é nessa primeira temporada pelo Bayern que Guardiola sofre a pior derrota da carreira de técnico – 4 a 0 para o Real Madrid, na semifinal da Liga dos Campeões. Resultado em que Pepe se viu renunciando a seus conceitos básicos – o livro esmiuça esse acontecimento. Imaginem o quão inconformado ficou!



MaisRecentes

Cristiano Ronaldo, uma máquina de obstinação



Continue Lendo

As lições do ‘aspirante’ Carille no senso comum



Continue Lendo

Luxa vive um longo crepúsculo dos deuses



Continue Lendo