‘Prass sempre’ na história alviverde



fernando prassFOTO: Fernando Prass

Fernando Prass teve na última quarta-feira uma noite de Marcos. O Marcão, São Marcos, ídolo-mor de milhares de palmeirenses, que terá seu busto erguido no Palestra no dia 12 deste mês. Para uns tantos, mais velhos, a referência é outro goleiro, Oberdan Cattani, jogador marcante dos anos 40 e 50, e que já tem sua estátua no clube. Então ficamos assim: Prass foi mezzo Marcão, mezzo Oberdan. As imagens do goleiro que se aposentou em 2012 ainda estão frescas na memória e efervescentes nos corações dos torcedores. Sua defesa em pênalti do corintiano Marcelinho, na Libertadores de 2000, eternizou-se. E a de Prass no chute do zagueiro santista Gustavo Henrique repete-se agora à exaustão.

Houve mais momentos relevantes do camisa 1 na campanha do tricampeonato da Copa do Brasil. Na semifinal contra o Fluminense, Prass foi herói duplamente. Na defesa em finalização de Fred, nos estertores do jogo, e em cobrança de pênalti de um outro Gustavo, também garoto como o do Santos. No caso, Scarpa, uma das revelações do Brasileirão. Coincidências felizes do futebol, um esporte que adora coincidências.

O Palmeiras de 2015 partiu quase do zero, com o caminhão de 25 contratações no início, e teve em Prass sua liderança principal. Experiência, atitude e boa técnica o tornaram o símbolo da conquista. Importantíssima pelo troféu, e de quebra por recolocar o clube na Libertadores. Os entreveros com Ricardo Oliveira, surpreendentes pelo perfil dos dois calejados jogadores, foram tema constante nos dias que antecederam as finais. Prass saiu por cima e foi dele a cobrança que selou o título. Mostrou personalidade e frieza ao apresentar-se como o quinto batedor. Deu a cara para a história bater e recebeu de presente a glória.

O futebol é, via de regra, a narrativa dos vitoriosos. O título veio no fio da navalha, nas penalidades. É quando goleiros ganham mais holofotes e têm a oportunidade da consagração. Prass abraçou a causa. Aos 37 anos, escrevendo os últimos capítulos de sua carreira, precisava de um título expressivo pelo clube. Não nasceu no Palmeiras, como Cattani e Marcos, mas construiu forte identidade em pouco tempo com o Verdão. Chegou para preencher a lacuna deixada pelo campeão da Libertadores de 99 e está cumprindo esse papel com louvor. Foram as defesas, o gol de pênalti e a postura que o transformaram no ícone da 11ª conquista nacional da história do clube, o líder no quesito. Talvez não obtenha um busto como Cattani ou Marcos. Mas terá o que contar e do que se orgulhar. No fim das contas, é isso que conta na vida!



MaisRecentes

Recortes do precário futebol brasileiro



Continue Lendo

Rica em talentos, França rompe com paradigma recente



Continue Lendo

Espanha morre abraçada ao ‘tiquitaca’ odiado por Guardiola



Continue Lendo