Renato Augusto, líder e síntese do Corinthians



renato augustoFOTO: Reginaldo Castro

No domingo sob sol escaldante em Itaquera, Renato Augusto parecia ser quatro, cinco, seis sujeitos em campo. Multiplicava-se. Lutava como um touro para tomar a bola dos defensores santistas, em especial quando a bola corria pelo lado direito da defesa adversária. As pernas esticadas sempre ao máximo para capturar a bola, sem jogada perdida, o gás a mais, a vitalidade, o suor desmedido. Com a bola, assenhorava-se do jogo, articulava, na companhia de Jadson, o rolo compressor corintiano.

O espírito do meia, que parece ter exorcizado os fantasmas das lesões, é de encher os olhos neste Brasileirão. Não à toa muitos o consideram o craque da competição. Faz jus a isso. Renato é o símbolo do atual Corinthians. Um time de muito foco, imbuído de levar para o Parque São Jorge o sexto título brasileiro da história do clube. Um time que é operário sem deixar de ter seus caprichos plásticos. Um time que exibe sinais de treino duro e bem executados e devoção coletiva. A disputa particular com o Atlético Mineiro não acabou, são cinco pontos que, se carregados até a 33ª rodada, podem se transformar em dois no confronto direto, em solo mineiro. Há muito em disputa, mas já se pode exaltar a alma densa dessa equipe. E ela tem seu dínamo em Renato Augusto.

O camisa 8 corintiano tem muito boa técnica, qualidade no chute de longa distância – um pecado a bola na trave no segundo tempo contra o Santos -, dinamismo e liderança. As suas declarações em saída de campo e coletivas dão o tom da consciência e pertinácia.

Depois da convocação para defender a Seleção nos primeiros jogos das eliminatórias, cravou que vive seu auge e ressaltou o quanto lutou para chegar aonde chegou. Não adotou o clássico discurso da felicidade pela felicidade. Esboçou razões para o que acontecia, pontuou que o chamado foi resultado de uma perseguição, de um espírito. Às vezes, Renato dá a impressão de ser uma marionete que se rebelou dos cordéis. Faz movimentos desengonçados e enviesados como esses bonecos e controla o jogo dessa forma. É a síntese do grupo de Tite e passa por ele a história da sólida campanha alvinegra.



MaisRecentes

Recortes do precário futebol brasileiro



Continue Lendo

Rica em talentos, França rompe com paradigma recente



Continue Lendo

Espanha morre abraçada ao ‘tiquitaca’ odiado por Guardiola



Continue Lendo