Luxa e Felipão: breves linhas sobre glória e ocaso



Quando a memória do futebol brasileiro do fim do século XX e início do XXI for remexida, Vanderlei Luxemburgo e Luiz Felipe Scolari aparecerão como figuras de proa. Técnicos vencedores, no comando de equipes inesquecíveis, e de perfis sensivelmente distintos. Um mais considerado pela boa aplicação das táticas, senhor em montar máquinas de jogar bola. O outro exaltado mais pela boa condução de aspectos emocionais, o que no linguajar esportivo etiqueta-se de “motivador”.

A mesma memória tratará do ocaso de ambos. A fama gerada pelas conquistas fez com que seguissem sendo requisitados, ainda que, talvez, não estivessem mais sintonizados com o contexto do jogo. Não que Luxemburgo tenha deixado de conhecer minúcias de uma partida ou que Felipão tenha perdido sua capacidade mobilizadora. A questão é que o que dá certo numa época perde território em outra. Assim é a vida!



MaisRecentes

Rica em talentos, França rompe com paradigma recente



Continue Lendo

Espanha morre abraçada ao ‘tiquitaca’ odiado por Guardiola



Continue Lendo

Em cartaz na Rússia: ‘El secreto de sus Rojos’



Continue Lendo