Torcida pode ser o pulso do jogo



torcida do flaTorcida do Fla lotou Maracanã contra o Santos (FOTO; Wager Meier)

Antes de a partida começar, a câmera aérea focaliza o estádio por cima. O gigante de concreto abriga um show de pirotecnia, cânticos e adereços com predominância nas cores do clube mandante. É batata! A TV exibe ao vivo o entusiasmo plástico dos que antes seriam arquibaldos e geraldinos, mas em tempos de arenas travestem-se de cadeiraldos ou cadeirinos, à predileção do leitor. O fato é que minutos antes do jogo, seja ele decisivo ou não, clássico ou não, com público engajado a transmissão dedica minutos a mostrá-lo em atração à parte. Merecia até uma chamada soberana no intervalo da programação: “Às 21h50 não perca a festa da
torcida”. E ela irá ornar a partida do apito inicial ao final.

Estádio cheio é o pulso do futebol. O jogo é outro quando cadeiras e blocos de cimento estão fartamente ocupados. O  efeito é geral. No meio da massa, impossível ficar inerte. Na poltrona de casa, os olhos se fixam na tela. E no campo, o sangue e a alma do jogador mudam de temperatura. Na última rodada do Brasileirão, a 16ª, dois jogos exemplificam o quanto uma casa repleta de gente pode interferir no grau de vida de uma partida. No Mineirão, mais de 47 mil pessoas viram Atlético-MG e São Paulo disputarem um jogo  franco, de múltiplas chances de lado a lado. Euforia e quatro gols. No Maracanã, público maior ainda – acima de 60 mil –  acompanhou o ótimo 2 a 2 entre Flamengo e Santos, com reação dos visitantes após o Rubro-Negro abrir 2 a 0 e, nos minutos finais, os cariocas perdendo uma série de gols.. Estivessem às moscas, tenho sérias dúvidas de que veríamos jogos tão intensos e atraentes.

Há jogos com ótimo público que são ruins, com pouco ou nenhum gol. Mas dificilmente essas partidas são desanimadas (desprovidas de alma), arrastadas. Basta tomar os campeonatos Alemão e Inglês como exemplo. Os dois têm as melhores médias de público do mundo e poucos jogos modorrentos. Se é verdade que o nível das partidas se beneficia do poderio econômico dos clubes, repletos de astros do mundo todo, não dá para ignorar a contribuição da ocupação dos estádios para injetar emoção nas disputas.

Estádio repleto pode não ser capaz de transformar um cabeça de bagre em atleta refinado, mas certamente aumenta a fome de quem está em campo. O Campeonato Brasileiro tem sofrido ano a ano com o chicote da crítica. Algumas rodadas com alta média de público, como a última, podem ser só um sinal de fumaça. Mas também pode ser a esperança de que o torcedor esteja disposto a interferir no pulso dos jogos.



  • maycon

    ….Carlos Miguel Aidar pensa que todo mundo é idiota! Está fazendo uma péssima administração no SPFC, foi aliado de anos de JJ, e agora que a viola está em cacos, vem com essa idiotice de são paulinos notórios enfiarem dinheiro no clube. Lógico que empresários, artistas, advogados, jornalistas vão arcar com as bobagens dessa cambada. Está fácil ganhar dinheiro, não é? Veja o SPFC, por exemplo: Quantos patrocínios o clube possui? O fardamento do time parece um outdoor, de tantos anunciantes! Culpo Marco Aurélio Cunha e sua trupe por isso. Resolveram fazer uma aliança na última eleição e permitiram que o clube ficasse nas mãos do Juvenal Juvêncio. Sim, JJ. Essa briguinha de comadres entre Aidar e Juvêncio é para inglês ver. Enquanto isso, o outrora São Paulo Futebol Clube de muitas glórias, afunda-se em dívidas e chacotas dos adversários. O SPFC tornou-se o Corinthians dos anos sessenta/setenta. Parabéns diretoria incompetente!

  • carlos

    NO CLASSICO DAS BONECAS GAYVOTAS FIEL GAY ROSA X CHUPALINAS BAMBI DEU EMPATE MAIS O APITO AMIGO AJUDOU O PODEROSO KAGAÕ OU TIMBOSTAÕ SEREI BBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBB 1982 E 2007 COMO SEMPRE CHUPA CHUPA GAYVOTAS FIEL GAY ROSA AAAAAA CASSETA DO SHEIK SELINHO CHUPA KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

  • jorji

    Não acredito que torcida ganhe o jogo, mas a presença de torcedores nas arquibancadas de nossos estádios é um espetáculo à parte, nesta questão perdemos de goleada para os argentinos, os portenhos sabem torcer, são vibrantes e contagiam, cantam o tempo todo, são a melhor torcida do mundo, assisto a jogos de campeonatos europeus, nada se compara com os nossos vizinhos, é impressionante, são assim em todos os jogos, aquilo sim é fanatismo, não por acaso o Maradona é ídolo por lá, e o Pelé aqui não tem essa magnitude.

MaisRecentes

Um Dérbi sob o signo da invencibilidade



Continue Lendo

Ceni e Mancini, vítimas de cartolas inconvictos



Continue Lendo

Cristiano Ronaldo, uma máquina de obstinação



Continue Lendo