A alforria para as histórias humanas da bola



garrinchaA vida de Garrincha é contada em “Estrela Solitária” por Ruy Castro (FOTO: Agência O Globo)

A história, e a preservação da memória do futebol brasileiro, obtiveram uma vitória imensurável nesta semana. A decisão do Supremo Tribunal Federal de liberar biografias não autorizadas foi um golaço a favor da liberdade de expressão em todas as frentes, e o jogo de bola, assim como os esportes em geral, serão grandes beneficiários do veredito unânime da suprema corte. Conhecer a fundo a vida e a trajetória de grandes figuras da modalidade número um do país, e assim contar a história de parte importante da nossa identidade, só é possível sem os obstáculos legais que vinham se interpondo. Até que o STF desse seu parecer havia um suposto conflito entre a liberdade de expressão, consagrada na Constituição de 88, e os artigos 20 e 21 do Código Civil, que, em linhas gerais, permitiam a retirada de circulação de biografias em caso de pedido do biografado – como no caso do cantor e compositor Roberto Carlos – em nome da inviolabilidade do direito à privacidade. Venceu a Constituição!

Já há publicadas preciosas biografias de grandes personagens do futebol local. Talvez a maior delas, a mais conhecida, seja Estrela Solitária, do consagrado biógrafo Ruy Castro. A obra, que conta a vida de Garrincha, uma das legendas do esporte nacional, foi uma das vítimas da censura prévia que vinha prevalecendo. O riquíssimo livro foi expulso das livrarias a pedido das filhas de Mané e agora poderá voltar. O livro foi um dos citados pelo ministro Luis Roberto Barroso durante explanação do seu voto.

joao saldanhaJoão Saldanha é retratado em “João Saldanha, uma vida em jogo”, de André Iki Siqueira (FOTO: Divulgação)

 

Só podemos conhecer mais a fundo a prolífica vida de João Saldanha e as venturas e desventuras de Heleno de Freitas graças a biógrafos, que são uma mistura de jornalistas e historiadores. André Iki Siqueira escreveu “João Saldanha, uma vida em jogo”. Marcos Eduardo Neves é o autor de “Nunca houve um homem como Heleno”. Os escritos foram parar no cinema, serviram de inspiração para documentário e ficção. Essas produções literárias e audivisuais contribuem para manter acesa a memória nacional. Esse é um bem inestimável. A ministra relatora da sessão do STF, Carmen Lucia, resumiu lindamente a relevância das biografias: “A história humana se faz de histórias humanas”.

No primeiro século da era cristão, Suetônio narrou “A vida dos doze césares”. Não fosse esse abrangente texto a humanidade saberia menos de uma das suas civilizações mais importantes. As biografias das grandes personalidades do país são como faróis de autoconhecimento e também serão bússolas para as próximas gerações. Como ter alguma dimensão do impacto que a derrota na Copa de 50 teve no orgulho nacional sem que se fuce a vida de quem participou diretamente desse episódio? A crucificação absurda de Barbosa pode empalidecer conhecendo-se sua história, sua carreira além do jogo contra o Uruguai. E com as amarras da autorização ficaríamos bastante limitados.



MaisRecentes

Rica em talentos, França rompe com paradigma recente



Continue Lendo

Espanha morre abraçada ao ‘tiquitaca’ odiado por Guardiola



Continue Lendo

Em cartaz na Rússia: ‘El secreto de sus Rojos’



Continue Lendo