O medo do gênio diante do pênalti



messiContra o City Messi fez partidaça e perdeu um pênalti no fim (FOTO: Josep Lago/ AFP)

Zico, Platini e Baggio, camisas 10 históricos, perderam pênaltis em jogos decisivos de Copa do Mundo. Raí, outro 10 de respeito, foi brecado em chutes da marca da cal duas vezes em uma semifinal de Campeonato Brasileiro por Dida, especialista na arte de pegar penais. Foi de pênalti o milésimo de Pelé, mas Andrada foi certo na bola e por pouco não estragou a festa…  O chute de Romário na decisão de 94 estourou na parte interna da trave antes de ir para o barbante. Rivellino, de canhota consagrada em enciclopédias e memórias, não batia pênaltis porque não gostava, São infinitos os exemplos de craques incontestes que sofreram na acareação com o goleiro que simboliza esse instante. Agora é Messi, o maior jogador contemporâneo e já escalado para o promontório da bola, que se vê atormentado por esse fantasma. Na última terça-feira, contra o Manchester City, desperdiçou a chance de aumentar a vantagem do Barcelona no instante final. Foi a quinta cobrança nas dez últimas que o argentino não converteu!

Criou-se a mitologia de que o pênalti é um satanás para o goleiro. Há até famoso filme do alemão Wim Wenders, baseado em romance do austríaco Peter Handke, que dá essa ideia no título: O medo do goleiro diante do pênalti. Mas o provérbio ludopédico diz, com razão, que a responsabilidade nessa hora é do cobrador! Penalidade máxima é como colocar o guarda-metas frente a um pelotão de fuzilamento que tem uma bala só, mas poderosa, à queima-roupa, de impiedosa curta distância. O atirador é o jogador de linha, o incumbido da execução. E nessa hora falha-se, e muito, porque a técnica no mais das vezes não basta nessa condição. 

É de se apostar que justamente o consagrado conceito de que a penalidade é quase gol certo o seu veneno fatal. Quantas vezes grandes jogadores não perdem gols cara a cara? Em muitas ocasiões a distância para o goleiro é bem menor que os 9,15 metros que separam a linha do gol de onde se deve bater o pênalti. O ângulo pode até ser mais favorável, às vezes o camisa 1 já está vencido, e ainda assim o definidor perde. Pelé, na pictórica jogada do drible da vaca em Mazurkiewzki, em 70, teve o gol vazio e a bola, caprichosa, não entrou. Virou top entre os lindos gols não marcados. Esses erros mal  entram em estatísticas, ao passo que os pênaltis são facilmente catalogados e os que falham na cobrança acabam massacrados. A falta de defensor à frente, a dramaticidade e o silêncio que recobrem os instantes anteriores ao chute, a possibilidade de audiência cativa, tudo dá ao pênalti uma argamassa que outras circunstâncias não possuem.

Imaginem só!  Quando Messi corre com a bola colada como se tivesse superbonder, sai driblando e está com a adrenalina a mil. A definição vem, com talento, em meio a pingos de suor e ebulição. No pênalti, ele tem a chance de respirar fundo, pensar no que fazer, se planejar, é um lance mais pragmático. E, ainda assim, o nervosismo pode pintar, ou até o excesso de segurança atrapalhar.

O pênalti exerce tanto fascínio e potencial noticioso que o erro de Messi ocultou a partida magistral que fez em Manchester. Atuando recuado, quase como um líbero, coordenou a equipe, fez uma jogada magistral no lance do segundo gol. Encantou, como de praxe! Claro, se seu aproveitamento em pênaltis está baixo talvez não devesse ser ele o cobrador. Vale aquela ideia de que a por mais calejado que seja o sujeito a tendência é a pressão ser ainda maior e ele sucumbir. Como pode ter sucumbido em lance de bola rolando na final da Copa do Mundo que normalmente não perderia.  Mas o fato é que pênalti não é exatamente um dom reservado aos gênios, como delata o passado.

 



  • estevão costa soares

    Se até eu já perdi um pênalti numa decisão que foi decidida nos pênaltis, eu era o último e tinha só que fazer o gol para definir o campeonato, perdi e iniciou nova série e perdemos loga na primeira cobrança, pois o parceiro também perdeu…então por que estes perebas não podem perder? Messi, Newmar, Marcelinho Carioca, etc…parece que só um jogador quando em atividade nunca tinha perdido…o Djalminha…se não estou enganado os outros todos…

  • Fred

    Zidane perdeu quando ? Em 1998, ele converteu contra a Itália, e em 2006, ele foi expulso antes das penalidades contra a mesma Itália.

  • Fred, coloquei Zidane de forma equivocada. O nome francês que queria colocar – e o fiz agora – era o de PLatini. Muito obrigado pela observação. Não fosse ela, e a informação seguiria errada.

MaisRecentes

No bipolar Brasileirão, o futebol é obra inconclusa



Continue Lendo

Guttman, uma bela e vitoriosa trajetória



Continue Lendo

Palmeiras x São Paulo: rivais contra o vexame



Continue Lendo