Quando tamanho de torcida é documento



torcida verdão Verdão assumiu segundo lugar em ranking de sócios-torcedores (FOTO: Ari Ferreira)

O tamanho da torcida é documento no botequim, na praia entre caipirinhas, no escritório ou no churrasco em família. Quando sai uma pesquisa, o sujeito pode gabar-se de que seu clube tem mais fãs que o do vizinho, do primo de segundo grau, do cunhado ou do jornaleiro. O fato alimenta autoestima, dado que quantidade, volume, é um fetiche da modernidade. Mas a massa, a nação, significa o que além do status? Esse patrimônio não faz sentido por si só, precisa ser explorado. O apaixonado por um time – não custa lembrar que entre os milhões que se dizem torcedores de dada agremiação há parcela que são simpatizantes – precisa ser consumidor dele para que os ganhos sejam práticos. Se o sujeito contribui para a estatística de um clube, mas não para seus cofres, é um desperdício. Essa, ao menos, é a lógica óbvia do futebol imerso no mundo capitalista.

Parece, então, que os clubes brasileiros acordaram para o tal potencial inexplorado. Algo que gigantes europeus já fazem há um bocado de tempo enfim começa a entrar no receituário por aqui. Dois são os exemplos mais fortes: os programas de sócio-torcedor e os novos estádios. São duas árvores frondosas cuja raiz são os seguidores. As ações de fidelização, que rendem um agitado ranking de adesão – os palmeirenses comemoraram no fim de semana o posto de vice-líderes no quesito, só atrás do Inter –, injetam milhões nos cofres não só com a possibilidade de o aderente ter abatimento no preço dos ingressos como receber mimos que acarinham sua condição de apaixonado.

De certa forma, o torcedor passa a ser responsável direto por boa parte do sustento do clube e mantenedor de sua grandeza. O dinheiro dos direitos de transmissão na TV e patrocínio de camisa são obtidos, claro, em função do prestígio de um clube, de sua visibilidade, o que é diretamente proporcional a seu número de fãs. Porém, os novos passos têm vínculo mais direto, pois os recursos saem do bolso do fã para a conta do clube. Tanto os programas de sócio-torcedor quanto estádios com melhor estrutura propõem a relação direta com o público.

Essa realidade abraçou todos os grandes clubes do país, ainda que os modelos sejam adaptados. Os cariocas ficam à mercê do consórcio do Maracanã e não veem o mesmo horizonte de receita no tópico de estádio em comparação com o Trio de Ferro paulista, por exemplo. O Flamengo, dado seu explosivo potencial, consegue mandar jogos em outras localidades, como Manaus, e faturar com o fato de ter torcida expressiva em qualquer canto do mapa nacional. O Cruzeiro, que também tem que se dobrar às exigências dos controladores do Mineirão, conseguiu rechear seus bolsos com sócio-torcedor, programa apontado como principal responsável pelo sustento do time que conquistou o bicampeonato brasileiro.

O futebol local caminha para um inegável novo estágio, com o torcedor tendo papel ativo nas receitas. Diante disso não custa sonhar com o dia em que os clubes passem a não perder jogadores para países da periferia da bola.



MaisRecentes

Rica em talentos, França rompe com paradigma recente



Continue Lendo

Espanha morre abraçada ao ‘tiquitaca’ odiado por Guardiola



Continue Lendo

Em cartaz na Rússia: ‘El secreto de sus Rojos’



Continue Lendo