O que fazer com os estaduais?



ituanoItuano conquistou Paulistão de 2014 (FOTO: Ari Ferreira)

O calendário do futebol brasileiro ainda contempla os Estaduais e os mantém como porta de entrada do ano. Mas a importância deles cada vez se desidrata mais. Romantismo à parte, a realidade econômica, a modernidade, impede que tenham vigor que chegue aos pés do que já tiveram. Há aqueles que, com o coração na mão, rogam por sua valorização. Merecem admiração pelo quixotismo, mas precisam tomar alguns copos de realidade.

As grandes rivalidades locais não precisam dos estaduais. Em um Campeonato Brasileiro longo, de pontos corridos, os clássicos são contemplados. E eles ainda podem se insinuar em uma Copa do Brasil da vida ou até mesmo na Libertadores. Notem que por mais resistência política e financeira que as federações tentem colocar, ano após ano esses torneios esmaecem no discurso de jogadores e dirigentes. A Libertadores. que começa em meio a essas refregas locais, é um exemplo gritante disso. Os clubes que nela estão, deixam claro que os Estaduais são meros auxiliares para dar entrosamento e testar jogadores. O título local, claro, é festejado, e serve de escudo para dizer-se que a temporada foi boa. Muitas vezes derruba treinador. Mas isso acontece porque o resultado no futebol é um mandachuva. Se o que se tem no momento para jogar é um Campeonato Paulista ou Carioca, as pressões estarão lá, ainda que a ambição de torcedores, atletas e comissão técnica dos grandes clubes não esteja focada neles.

Isso quer dizer que os Estaduais devem ser extirpados? De forma alguma, eles têm espaço para seguir existindo e sua história preservada. O problema é essa exigência de que os times do interior possam enfrentar todos os grandes. Os dirigentes de federação, preocupados em inflar sua importância – retratada na lógica do sistema, que dá a eles poder expressivo na eleição para a presidência da CBF –, recusam-se a enxergar que para os pequenos, e relevantes, clubes importa ter um calendário anual. Precisam jogar, ter receita, e permitir assim que haja emprego para tantos jogadores o ano inteiro.

Aliás, esse é um tópico repisado à exaustão pelo Bom Senso. Enquanto os Estaduais ocupam três meses do calendário e alimentam o poder de cartolas paroquiais, milhares de atletas ficam sem perspectiva. Por que não Estaduais em que times envolvidos nas primeiras divisões do Brasileiro só entrem na reta final?

Vemos que a Copa do Nordeste hoje em dia tem mais apelo para os clubes da região que os campeonatos Baiano, Pernambucano, etc… O retorno com público e visibilidade são infinitamente maiores. Dos anos 60 até os 90 do século passado os Estaduais resistiram com o escudo do Brasil, país continental. Esse argumento não resiste mais à evidência de que o futebol mudou. Ainda que sejamos um país com suas particularidades, entre elas a força de muitas rivalidades locais, a exigência econômica impera. Os grandes clubes querem se internacionalizar em um mundo globalizado e precisam de espaço no calendário para expor suas marcas no exterior. Os Estaduais seguem na marca da cal.



  • Flavio Pignataro

    Acho que os estaduais deveriam ter no máximo 8 times em sistema de dois grupos de 4 jogando entre s em dois turnosi e fazendo uma final dos dois melhores de cada grupo.
    Agora a formação dos grupos seriam com os da capital, caso do Rio: Botafogo, Flamengo , Fluminense e Vasco, mais 4 melhores do interior ou pequenos, que fariam um campeonato estadual em pontos corridos durante o segundo semestre do ano anterior. Ou Seja, os times do interior e os pequenos ja começavam a temporada 2016 a partir de julho 2015, sendo em Dezembro seria definidos quais os quatro melhores que participariam dos 8 no ano de 2016.
    Desta maneira os times pequenos e do interior ficariam ativos por mais periodos, e o quadrangular teriam mais qualidade.

  • antonio

    estaduais já passaram da hora de serem excluídos, só são mantidos pq dão dinheiro pras federações e pra tv e quem vota no presidente da cbf são os presidentes das federações, então fica esse jogo de interesse, onde o publico e os clubes que se ferram. os clubes deveriam usar o poder que tem e abandonar cbf, federação e montar os proprios campeonatos e calendario, tirar essas porcarias de estaduais seria a solução pro horrivel calendario brasileiro, resolveriqa todos os problemas de jogadores convocados, times cansados demais no final do ano etc.

  • Luiz Eduardo

    Não funciona assim Flávio…
    Temos que pensar de forma mais ampla!
    Citando o Paulista a1: times de serie a, b e c, que possuem jogos quarta, sabado e domingo e terça e sexta (b e c). No Rio a mesma coisa..
    Então na minha visão deveríamos jogar os estaduais após o carnaval, com apenas 14 clubes. 6 datas para primeira fase (enfrentando apenas o próprio grupo), este que ficaria dividido por “peso”, no caso de SP: 5 times na serie A do brasileiro, 3 pra um lado e 2 pro outro, serie B tbm dividindo assim tentando “balancear” no sorteio, criando regras como eh feito na champions league pra acontecer o sorteio. Feito isso: segunda fase! Primeiro grupo A vs Segundo grupo B e Primeiro grupo B vs Segundo Grupo A Ida e volta! (+2 jogos/time) Depois final e terceiro lugar (+2 jogos/time) Ou seja: 10 datas!
    Rebaixamento: 3 últimos de cada grupo, 5 colocados livres do primeiro jogo, 1 Jogo entre o último e o penultimo na casa do que teve maior média de público. quem perde está rebaixado o outro enfrenta o 5 colocado ida e volta.

  • Silvio Luiz

    Será que estes idiotas que propõem o fim dos estaduais não enxergam que o futebol brasileiro já não revela mais grandes jogadores? Por que será não?

  • SIMPLES: fazer um campeonato o ANO INTEIRO com 40 times do interior (deixaria os 04 grandes fora) em turno e retorno. os quatro melhores se juntariam aos 04 grandes. seria feito um mata – mata entre os oito pra decidir o campeão paulista. Assim os times do interior teriam o que fazer o ano inteiro, e automaticamente não fariam o que fazem hoje, contratam jogadores só por 03 meses.

  • Gilson

    Penso assim: a CBF deveria criar mais umas 2 divisões e ficar assim serie A B C D E F todas com 20 clubes, e a serie C, D, E e F dar uma ajuda legal financeiramente e ajudar a divulgação desses campeonatos, tem muitas emissoras de tv no Brasil que da para transmitir os jogos, Na terra da Rainha é assim e da certo, campeonato brasileiro seria jogo o ano todo só de final de semana, com libertadores, sulamericana e copa do Brasil no meio de semana como é feito na Europa. Mudando um pouco de assunto , enquanto o futebol tiver só na mão da Globo cada vez mais o futebol brasileiro vai perder seu valor..

  • acho que os estaduais nao deveria acabar mas acho que o brasilerao deveria começar nas mesmas datas do campeonato europeu e ai se disputariabrasileiro estadual copa do brasil e libertadores tudo junto teria ferias no meio do ano pre temporada eamistoso no meio do ano ex. estadual começa em janeiro termina em dezembro brasileirao começa em final de agosto termina em maio copa do brasil e libertadores seria como esta e um time pequeno disputaria segunda terceira ou ate quarta divisao o ano inteiro

  • Fernando

    Prefiro que os estaduais sejam diluídos ao longo do ano.
    De que forma? O campeonato brasileiro deveria ocupar as datas de fim de semana. Os estaduais, copa do brasil, libertadores e outros as datas de meio de semana.
    Assim cada clube poderia decidir como jogar contra os pequenos nos estaduais e isso deixaria os times do interior tendo calendário o ano todo.
    Outra coisa que poderia ser feita, é todos os jogos de grandes contra pequenos serem na cidade do interior, mas a renda sendo dividida.

  • Miguel Alves Filho

    Estou com Silvio Luis e muito Tempo comento em oportunidade como está, lembram dos times como: Ferroviária, América Rio Preto, Marília, Guarani, Botafogo e Comercial Ribeirão Preto, Quinze de Piracicaba, Quinze de Jaú e etc…, os chamados grandes tinham onde buscar os jogadores para seus clube, o Interior ainda mais hoje tem seus campos de futebol.
    Quem quis acabar com os regionais foi os cariocas, pois eles vinham buscar seus jogadores aqui em SP, e deixando o campeonato Paulista mais ricos e eles ficando com seus clubes endividados, até que tiveram essa ideia e os aceitamos como burros.

  • Bebeto

    1. Campeonatos estaduais geridos pelas ligas estaduais; turno e returno; divisões de 12 times; toda a temporada; divisão de recursos pelo menos 70% igualitária; recursos não dividos igualitáriamente, divididos meio-a-meio entre desempenho e retorno financeiro;
    2. Torneios regionais ao fim da temporada com os melhores dos estaduais em mata-mata (4 datas);
    3. Copas estaduais organizadas pelas federações; times de todas as divisões; times amadores;
    4. Brasileiro em com fase de grupos (4×4); 8 times provenientes dos regionais; 8 times provenientes da fase preliminar; fase preliminar com os 128 melhores dos campeonatos e copas estaduais, jogando em 3 fases de mata-mata, jogos únicos.

  • Michel

    Eu sou favorável a extinguir o Estadual, mas tb veria uma forma de mantê-lo.
    O formato seria com 12 times, pontos corridos, turno único, três rebaixados, as 11 datas ficariam entre a segunda quinzena de fevereiro e a terceira semana de abril, os clássicos que são seis, ficariam reservados para as últimas seis rodadas.
    Nesse formato, as cinco primeiras rodadas ficariam as quintas e domingos, as restantes só aos fins de semana.
    Vale ressaltar aqui que esse cenário já conta com os trinta dias de férias aos jogadores e tb um mês de pré temporada.
    As séries de acesso já disputam em pontos corridos, como esses times não disputam as séries de acesso do brasileirão em sua maioria, poderiam aumentar de 20 para 24 clubes, turno e returno, usando 46 datas no ano, sempre aos fins de semana, isso garantiria atividade a todos os clubes do interior o ano todo.

  • Bebeto

    Mas se for para levar a sério, a nível internacional, o ideal seria a reestruturação dos continentais e do mundial.
    Com:
    Mundial:
    Campeão da Europa
    Campeão da América
    Campeão da África + Liga Árabe
    Campeão da Ásia + Oceania
    Campeão do pais sede em fase preliminar com o campeão de seu continente

    Ásia e África, devida a vasta extensão territorial, deveriam ter primeira fase regionalizada e apartir das quartas de finais, jogos definidos por sorteio
    Na América, idem, com fase regional dividida em:
    América do Norte
    América Central
    Caribe
    América do Sul (BOL-COL-VEN-EQU-)
    Mercosul (CHI-ARG-URU-PAR)
    Brasil

    E as 2 regiões melhor rankeadas classificam 2 times para a fase final.
    Aí então, o nosso torneio nacional seria uma fase da liberadores, e as datas destinadas a campeonatos nacionais e copas nacionais, seriam para ligas e copas estaduais, torneios esses que classificariam ao brasileiro.

  • Bebeto

    Na verdade, a excêntrica dos estaduais que e de pontos corridos,
    E de nossos nacionais que e de termos mata-mata e decisão.

    O ideal era termos ligas estaduais, em turno e returno, pontos corridos, o ano (quase, parando um mês antes do fim da temporada) todo, copas estaduais abertas a todos os times, de amadores a primeira divisão, como a fa cup, como um torneio democrático, e nacional em fases preliminar, de grupos e mata-mata.
    Caberia a libertadores (pan americana) ser apenas um torneio de reta final (quartas de finais em diante) cruzando os melhores das fases regionalizadas (em q o nosso nacional já seria uma primeira fase dessas)

  • Bebeto

    Eu dividiria em 6 regiões:
    1. América do Norte
    2. América central continental
    3. Caribe
    4. Ven/col/bol/equ
    5. Uru/par/chi/arg
    6. Brasil

    O vencedor de cada chave e os vices das regiões mais bem rankeadas classificando as quartas de finais!
    Apenas 5 datas com longas viagens!

  • Bebeto

    E regionalizar as primeiras fases, para se evitar viagens de 16hs qdo se for jogar!

  • Bebeto

    Teríamos ligas (em turno e returno, pontos corridos, o ano todo) e copas (nos moldes da fa cup) estaduais;
    Um pequeno pos temporada (4 datas) com mata-mata com os melhores das ligas em um torneio regional;
    Brasileiro com 16 times: 8 times (2 por grupo) classificados direto a fase de grupos via regionais e 8 times (2 por grupo) classificados via fase preliminar, sendo a fase preliminar disputada em 3 datas, por 64 times, classificados via ligas e copas;
    Fase final da Libertadores com 8 times em 5 datas (no máximo 3 longuíssimas viagens) em mata-mata, com 1 ou 2 times para cada região de acordo com o ranking de cada região;
    Mundial em aproximadamente 10 dias;

    Possibilidade de:
    6 semanas de pre temporada
    17 semanas de temporada
    6 semanas de parada (copa do mundo, copa América, copa das confederações e olimpíadas)
    17 semanas de temporada
    5 semanas de férias (menos dias somente para os times q joguem o mundial)

  • Bebeto

    Calendário montado de oito em oito anos, sempre 2 anos antes de se encerrar cada ciclo,
    Eventualmente sobrará ainda uma semana no calendário…

    Responder

  • Bebeto

    Também sobra espaço para que no segundo semestre times que já estejam eliminados de tudo, só disputando as ligas, se organizem em ligas paralelas, jogando torneios amistosos.

  • Bebeto

    Bebeto disse:
    10 de maio de 2015 às 23:15
    E para uma melhor organização logística de equilíbrio nas distribuições de vagas, levando em conta geografia, tradição e economia, sugeriria:

    Regional Rio-SP
    Liga Carioca (cidade do RJ e baixada fluminense)
    Liga Paulistana (metropolitana de SP e Baixada Santista)

    Regional Sudeste
    Liga Mineira
    Liga capixaba
    Liga Fluminense

    Regional Leste
    Liga Bahiana
    Liga Alagipe (Alagoas e Sergipe)
    Liga Pernambucana

    Regional Nordeste
    Liga potiguar
    Liga cearense
    Liga paraibana

    Regional norte
    Liga paraense (para, Tocantins e Amapá)
    Liga Maranhão/Piauí

    Regional Verde
    Liga amazonas (Amazonas, acre e Roraima)
    Liga Pantanal (Mato Grosso e Rondônia)

    Regional Oeste
    Liga goiana (Goiás e DF)
    Liga Sul-Matogrossense
    Liga Paulista

    Regional Sul
    Liga gaúcha
    Liga catarinense
    Liga paranaense

    21 ligas com 12 times cada – 252 times profissionais ativos

    27 copas estaduais (respeitando os limites estaduais oficiais) incluindo times amadores, buscando o confronto entre times de diversos níveis.

    Brasileiro democrático e eletrizante!

  • Bebeto

    E campeão brasileiro entrando direto nas quartas de finais da libertadores, porém em pé de igualdade em termos de oportunidades com os outros times do continente;

    Tb teríamos bem menos datas, num máximo de menos de 60 datas (acho q derrepente menos até q 50) para o eventual campeão de tudo) e calendário o ano todo para os pequenos;

    Campeão das Américas;

    Pontos corridos, mata-mata e torneio de grupos,

  • Bebeto

    E com tantas datas livres a mais e uma pre temporada mais extensa, sobram datas para torneios amistosos com times de diversos lugares (Brasil, América do Sul, restante das Américas, Europa e resto do mundo).

  • Bebeto

    E no carioca o vencedor de cada turno (taca Guanabara e taça rio) garantiria vaga no regional.

  • Bebeto

    Isso ajudaria não só a manter a tradição de taças por turnos, como a valorizá-los como torneios, fazendo com que, por exemplo, um time que não tenha ido bem no primeiro turno, mesmo que sem grandes chances do título carioca, se esforce bem no segundo turno, em busca do título da taça rio e assim disputar o RJ-sp, podendo assim garantir vaga direto na fase de grupos da fase nacional da libertadores.
    Tb permite a times que saibam que fatalmente perderão jogadores na janela de transferência que possam garantir sua vaga no regional e se reestruturar durante o segundo turno.

  • Bebeto

    Brasileiro: fase de grupos: 4 grupos clm 4 times cada;
    8 campeões regionais pre classificados;
    8 vagas definidos pela fase preliminar, com 64 times, com mando de campo pro time com melhor ranking;
    27 times classificados pelas copas estaduais;
    21 (1 pra cada) pelas ligas estaduais (48)
    +5 vagas pra liga 1 (53)
    +4 p/ liga 2 (57)
    +3 liga 3 (60)
    +2 liga 4 (62)
    +1 ligas 5 e 6 (64)

    Confrontos definidos por sorteio!

MaisRecentes

Guttman, uma bela e vitoriosa trajetória



Continue Lendo

Palmeiras x São Paulo: rivais contra o vexame



Continue Lendo

Neymar, entre a guilhotina e ‘la vie en rose’



Continue Lendo