Vulcão alviverde em erupção



henrique3
FOTO: Cleber Mendes
O gol de Henrique foi como um vulcão entrando em atividade para o palmeirense. A imagem pode soar exagerada, mas é a que me veio à cabeça assim que o jogo contra o Botafogo teve fim. As lavas expelidas na erupção alviverde foram do acúmulo de angústia. A Ameaça de rebaixamento não morreu, ainda é real, mas o placar foi como um messias a pregar a boa nova. Avanti! Era um embate direto, com um clube de camisa também pesada, e na casa adversária. Um resultado apertado, na medida, que dá alívio, confiança, alegria e outros milhares de sentimentos que tanto tempo de repressão geram. As lavas tinham a cor acinzentada da ansiedade, do medo que ainda existe.

O torcedor do Palmeiras tem sido submetido a um massacre psicológico pela diretoria. Chega a ser sadismo. Uma fila imensa de trapalhadas, com gestão de mãos trêmulas, sem noção de tempo. Querendo inovar no momento errado,como ao contratar um técnico argentino no meio da temporada, e certa falta de noção de grandeza, ao permitir que o seu principal jogador no início do ano, Alan Kardec, pulasse o muro para um rival. Ali já havia um sinal claro: a coisa vai de mal a pior.  Foram muitas idas e vindas decisórias que levam à péssima campanha atual.

O líquido que escorre do vulcão palmeirense queima de raiva. A sua temperatura eleva-se pelo fato de o clube ter sido rebaixado duas vezes neste século. Seria natural que as cicatrizes do passado resultassem em remodelamento no presente. Que nada!  Assim, o gol de Henrique traz a sensação de que, mesmo em meio a tantos erros, o fim de ano poderá ser de algum oxigênio. O raciocínio pragmático recomenda que se pense na salvação da pele e depois tudo recomece.A vida cíclica do futebol permite que, passada a marola, se coloque o barco no rumo.

Por coincidência, o clube passará por eleição concomitante aos instantes finais do Brasileirão. Provavelmente, o pleito se desenrolará enquanto em campo os jogadores definem se em 2015 o Verdão estará na elite ou repetirá um calvário que o torcedor não suporta mais. Conhecido por sua política interna toda fraturada, mais propensa à dissensão que à coesão, o Palmeiras vem castigando sua apaixonada massa. E essa paixão é tamanha quea série de insucessos não foi suficiente para tirar o clube da quarta colocação entre as  torcidas do país, como mostrou a última pesquisa LANCE!Ibope.

Nas 11 rodadas finais, o vulcão palmeirense ficará na iminência de novas erupções. Novos 1 a 0 terão a textura de goleadas e derrotas gerarão nova apreensão. Os três pontos diante do Botafogo resgataram alguma autoestima, que estará à procura de confirmação já diante do Grêmio, jogo duro, amanhã, no Pacaembu. O artilheiro Henrique comemora os gols com um gesto de degola, justamente o apelido da zona da tabela que o palmeirense quer ver distante. As falhas administrativas não poderão ser remediadas em tal estágio. As vitórias suadas são a panaceia para um ano mal de data histórica, o centenário. Cabe a Henrique, Valdivia e cia. darem alento e perspectivas para a torcida.


  • Neto, feliz e acertadas suas palavras. Acompanhar jogos do time do nosso coração é tarefa para quem tem nervos de aço. É sofrimento do início ao apito final. É tensão total, o gol adversário está ali, prestes a acontecer.
    Os motivos que nos levaram a tal situação, devem ser creditados na conta da nossa diretoria. Nosso presidente achou que bastava contratar em quantidade e esqueceu da qualidade. Brunoro que teoricamente deveria conhecer mais o mercado fez contratações inexplicáveis, será que ele poderia dizer o porquê da vinda de Weldinho? Quem está se beneficiando desse contrato que vigora até final de 2016?
    Só nos resta sofrer e torcer, para que no ano do Centenário não passemos pelo vexame de um novo rebaixamento. Tenhamos fé.

MaisRecentes

Cristiano Ronaldo, uma máquina de obstinação



Continue Lendo

As lições do ‘aspirante’ Carille no senso comum



Continue Lendo

Luxa vive um longo crepúsculo dos deuses



Continue Lendo