A humanização de Felipão



felipaoaoaofelipaoaoaoaoaFOTO: Ricardo Rímoli

A trilha sonora do retorno de Felipão ao Grêmio é a do Brasil profundo, que ainda lambe as feridas do 7 a 1. “Encosta tua cabecinha no meu ombro e chora. E conta logo tuas mágoas todas para mim.” Na voz de Fagner e Roberta Miranda, o velho hit, à moda do brega dor-de-cotovelo, poderia embalar o treinador. Ou a emotiva canção, com toques sertanejos, do saudoso Dominguinhos: “Estou de volta pro meu aconchego. Trazendo na mala bastante saudades“. Em São Paulo, poderia buscar em outro compositor que nos deixou há pouco, Paulo Vanzolini, o incentivo da virada: ”Reconhece a queda e não desanima. Levanta, sacode a poeira, dá a volta por cima”. Para ser tradicionalista, talvez mais a caráter esteja o aviso de musicado da dupla gaúcha Kleiton e Kledir: “Deu pra ti baixo astral. Vou pra Porto Alegre, tchau!”. O retorno à raiz!

O cancioneiro nacional é farto para a dor e a procura de refúgio. Felipão deixou claro que busca no clube do seu coração abrigo para a alma machucada. O homem de bigode basto, com o rosto rabiscado pelas rugas da vivência, implora agora por carinho. Palavras dele, escandidas sílaba por sílaba, no seu jeito clássico: CA-RI-NHO. Os olhos estavam marejados. Uma Imagem impactante, que mexe com o estereótipo do durão ao qual aprendemos a associá-lo. Na quinta faixa do antigo vinil poderia vir então, girando, Gonzaguinha: ”Um homem também chora, guerreiro, menino”.

A exposição da fragilidade humaniza e gera piedade. Em vez do discurso de que está tudo bem e toca o barco, o velho Scolari rogou por afago. Encontrou abrigo no Grêmio, nascedouro de suas glórias como técnico. Viu no Tricolor a chance do alento e, por que não?, da massagem no ego. A impossibilidade de responder negativamente ao clube pesou. Mas no convite, o técnico enxergou a chance de virar uma página e conseguir o afeto que precisa no momento. Uma escolha em que o emocional foi o norte.

Nada no pronunciamento de Felipão, seguido por uma sequência de respostas a jornalistas, foi mais tocante que o reconhecimento da busca por carinho. Naquele instante, o sexagenário técnico multicampeão exibiu seu lado de menino indefeso. Lado que murmureja em todos nós, por mais fortes que possamos nos mostrar. A cobrança por vitórias, renovadas vitórias, cega a sujeição permanente que estamos às derrotas.

A vida não breca e está sempre disposta a triturar os desatentos. Quando assumiu a Seleção pela segunda vez, Felipão parecia o cara certo para a Copa certa. Sua trajetória sempre foi acompanhada de uma exclamação: “A estrela de Felipão!”. Foi nela que pensei quando Pinilla, do Chile, acertou a trave, nas oitavas de final. Pois o Mundial mostrou que as estrelas são componentes da vida e também cadentes, têm ciclos, não atendem alguns eleitos a todo o momento. As fórmulas do passado podem não servir para o presente. A lusitana gira!

Tempos depois, Felipão fragilizado assume o Grêmio, é aplaudido e exaltado: “Deu pra ti, baixo astral. Vou pra Porto Alegre. Tchau!”



MaisRecentes

Cristiano Ronaldo, uma máquina de obstinação



Continue Lendo

As lições do ‘aspirante’ Carille no senso comum



Continue Lendo

Luxa vive um longo crepúsculo dos deuses



Continue Lendo