A força coletiva da nova Alemanha



alemanha - paulo sergio
FOTO: Paulo Sergio/LANCE!Press
Há tanta gente pra exaltar nesse time da Alemanha que necessitaria de laudas sem fim. A força do coletivo repleto de individualidades complementares foi a marca dessa engenhosa equipe. A começar por um goleiro que parece um matemático. A exatidão dos movimentos de Neuer ganhou carimbo na defesa em chute de Benzema, nos instantes finais do jogo contra a França. As ações econômicas do guarda-metas misturam-se saídas furiosas, porém nada espalhafatosas, da área. Um líbero que tem à frente a precisão de Hummels e a seriedade de Boateng.

Lahm é o lateral que imanta o meio de campo. O capitão, por quem a bola pede para passar. Um termômetro alinhado com a origem de tudo, Bastian Schweinsteiger. Este, cujo nome nos enche a boca, inicia cada passo, girando para lá, girando para cá, fazendo a distribuição do serviço. A dupla recebe o reforço de Khedira, que ontem não jogou. Os três executam o primeiro ato do balé, em coreografia digna de Pina Bausch.

A arquitetura da dança, então, encontra Toni Kroos, o condutor, o toque plástico incisivo. Como se fosse da escola Bauhaus, tecendo o designe de vanguarda da equipe. Özil, de origem turca, é o toque de improviso, de criatividade, no retilíneo espírito da equipe. É a mescla necessária da ginga com a correção.

Müller é a juventude maturada, ao passo que Götze a jovialidade em maturação. O primeiro reafirmou a intimidade com os Mundiais. O segundo, nascido depois da queda do muro de Berlim, deu o primeiro título à Alemanha unificada. E Klose, tecnicamente quem mais destoa, é o homem da história. É a estatística vibrante em meio ao coletivo.


MaisRecentes

Cristiano Ronaldo, uma máquina de obstinação



Continue Lendo

As lições do ‘aspirante’ Carille no senso comum



Continue Lendo

Luxa vive um longo crepúsculo dos deuses



Continue Lendo