Rivaldo, um retirante, um artista, um craque!



rivaldo
FOTO: Arquivo LANCE!
Rivaldo, que se aposentou no último sábado, foi um dos maiores jogadores brasileiros dos últimos 30 anos, certamente. Quiçá devêssemos colocá-lo na lista de todos os tempos. Não me assustaria com sua presença nessa seleção máxima,  mesmo com a constelação de meias e atacantes formidáveis que o Brasil produziu desde que Charles Miller resolveu apresentar a bola e um punhado de regras numa redescoberta do país.
Nas Copas de 98 e 2002 foi um monstro. Seu chute rasteiro, como víbora atiçada, de fora da área, no canto, era uma marca, seu veneno letal. Logo me vem à cabeça jogo contra a Dinamarca, nas quartas do Mundial francês, quando autografou: Eu decido! E pelo Barcelona também fez coisas incríveis. Talvez ainda não tenha sido dimensionado, colocado no panteão, por sua personalidade retraída, ensimesmada, sem pirotecnias. E dos fenômenos do futebol brasileiro é dos poucos que nasceu no nordeste, fora do eixo sul-sudeste. Rivaldo diz muito sobre o Brasil e suas diferenças.
Nos últimos anos lutou a mais dolorosa luta dos grandes jogadores. Esticou a carreira até o limite, não conseguia desapegar, sentia que tinha lenha pra queimar. Ou melhor, a sua memória do auge, os aplausos e incensos, eram  ludibriadores. Eles insistiam: Fica mais um pouquinho! Esses anos arrastados colocaram na distância do tempo o craque que foi e que, agora, deve receber os devidos tributos.
Dificilmente veremos mais esse retirante da bola, que, como o real migrante brasileiro, deixou o profundo do Brasil para  tentar a sorte na cidade grande, sem propagandas. Não cabia no modelo dos superstars. Mas a ele prestariam homenagens Luiz Gonzaga e todos os deuses da bola!


MaisRecentes

Recortes do precário futebol brasileiro



Continue Lendo

Rica em talentos, França rompe com paradigma recente



Continue Lendo

Espanha morre abraçada ao ‘tiquitaca’ odiado por Guardiola



Continue Lendo