Violência que afasta torcedores dos estádios



A violência no futebol é um fator de afastamento do torcedor brasileiro dos estádios. Não o único, mas tampouco irrelevante. Do medo, subproduto de episódios de brutalidade dentro e fora dos praças esportivas, fez-se ausência. Quantos de vocês, cidadãos que quero crer pacíficos,  arriscam levar filhos pequenos a clássicos estaduais, por exemplo? Neles habita muito do rastilho da pólvora. São os chamados jogos de alto risco. Na psiquê coletiva do amante do jogo está gravada a ideia de que há situações em que ir a uma partida é avizinhar-se da barbárie, é dar a cara a tapa, porrete, socos e outras agressões. Isso para não dizer que a própria vida pode estar em risco. Pode você estar passando desavisado por uma rua, com a camisa do seu time, e ser alvo de insultos, no mínimo. Daqui a pouco teremos advertência em placas, nos espaços públicos: “Cuidado!  Não demonstre seu amor clubístico. Humanos bravos!”   A selva tem sido a senhora do futebol. Os baderneiros, por enquanto, venceram.
O repórter Bruno Cassucci, do diário LANCE!, fez um desabafo sintomático em sua página no Twitter na última segunda:
“Entro na net empolgado para saber do clássico e me atualizar antes do fim das férias e leio que mais um torcedor morreu. Triste e broxante”.
O desabafo do meu companheiro é um retrato doloroso do que nós, apaixonados por futebol, sentimos: Impotência! Tenha certeza,  paciente leitor, do nó no estômago, do desolamento que é passar dias tendo que debruçar-se sobre notícias com feitio de caderno policial. Saem os gols, as jogadas, as análises táticas, os personagens folclóricos, as classificações e entra em cena o pequeno apocalipse nosso de cada dia. E sempre a martelar a velha pergunta: falimos como sociedade? A omissão do estado é uma instituição nossa?
Outro repórter do LANCE!, Rodrigo Vessoni, produziu ano passado uma valorosa série sobre a carnificina que ocorre fora do campo. Vidas e mais vidas dizimadas em conflitos de gangues que agem, sem legitimidade, em nome do jogo. Corações são calados com as palmas das mãos do ódio. ´E nós, fascinados pela magia do futebol, somos simbolicamente assassinados. Ter medo de ir a estádio é uma forma de morte, é quando o pavor priva o desfrute da paixão. Ao contrário do que dizem, não é sensação de violência. Os fatos estão aí, mostrando que ela é real e que o copo transbordou há bastante tempo.
Para não dizer que só falei da náusea, temos um lado que indica algum otimismo. A sociedade parece saturada. Torcedores comuns estão fartos dessa prisão que não deveria ser deles, mas justamente dos que a causam. Petição pedindo punições, Policia Civil investigando com rigor, denúncias pipocando… Boçais existem em qualquer canto. Só são contidos com punições efetivas. O combate firme da violência pode até não elevar nossa média de público para níveis alemães ou ingleses. Aposto, porém, que diminuirá a resistência de pais que querem levar seus filhos a clássicos e neles construir paixão.


  • Você está falando de SP , não é ?

  • joe

    Essas pessoas que gostam da briga ou “pista” são minoria da minoria, a organizada já é uma parte menor da torcida e esse grupelho é uma minoria deles, são verdadeiros terroristas, um grupelho que gosta de causar e sente adrenalina por brigas, eles não estão preocupados com o futebol e sim onde será a próxima briga ou emboscada, mtos desses aí sequer entram nos estádios ficam nos arredores caçando, geralmente brigam entre eles pois mtos tem o contato de rádio dos rivais, sabem onde os rivais passam , alguns até frequentam a festas das torcidas rivais e conhecem os seus oponentes de pista, havia um código de conduta entre eles que foi quebrada e por isso hj há uma onda de vingança entre essas gangues, mta gente sabe disso, nós torcedores comuns que vai ao estádio beber uma breja, trocar ideias na porta e empurrar o time somos usurpados por essa meia dúzia dessas gangues.

  • Lima

    Desculpe, lamento muito mesmo o fato ocorrido com o torcedor santista, mas parece que somente a violência é o que afasta o público dos estádios..
    Vocês da mídia deveriam publicar não somente um caso, mas todos os casos que realmente fazem os torcedores se afastarem dos estádios de futebol. Se esquecem de falar das condições dos estádios, dos banheiros precários, das conduções, preços altos dos ingressos, horários de jogos que só beneficiam as redes de tv e não o s torcedores, ( alias, a ” rede bobo de tv ” ), conduções, exploração nos estacionamentos, preços de comes e bebes dentro dos estádios, falta de respeito e informações, descumprimento do estatuto do torcedor ( se é que realmente existe ), tapetão, campeonatos roubados declarados pelos próprios juízes, nível de equipes, e muito mais coisas que não me lembro mas se alguém lembra fiquem à vontade para comentar e talvez tentar mudar o que a mídia deve realmente enxergar.
    Digo isso porque só falam de ” afastamento de torcedores ” quando acontece uma fatalidade como a última, mas todas as rodadas vemos tudo de errado acontecer e ninguém da mídia fala nada…. Até parece que a mídia joga junto com os corruptos, ou é texto de repórter que não tem o que argumentar e enxerga somente em um caso isolado fora do estádio o ” afastamento do torcedor”… Busquem informações nas federações, cobrem as autoridades, se ainda há violência, porque a lei não é aplicada de uma forma justa ? Cadê a matéria de que algum repórter foi cabrar uma explicação sobre isso ? Ficar atras do computador enchendo linguiça é fácil né ? E trabalhar de verdade que é bom…

  • Bruno MD

    É inegavel a violencia relacionada ao futebol, porem a imprensa faz de tudo para destacar apenas isso. Em 95% dos casos so arruma confusao quem procura. Ja assisti muitos jogos do Palmeiras no estadio e nunca tive nenhum problema.

    Com todas essa propaganda contra fica dificil chamar as pessoas boas de novo para o estadio

  • Boa tarde..esta matéria vêm de encontro com o que penso e acho da violencia nos estádios de futebol e fora dele.
    Tenho um filho de 8 anos e corinthiano como eu, que vive me perguntando[pasmem]porque não o levo para assistir a um jogo do seu time do coração,sendo que o que eu mais gostaria de ouvir dele,seria pai vamos ao jogo do timão…pois é meus amigos sou obrigado a responder ao meu filho que assistir a um jogo de futebol nos estádios é muito perigoso e arriscado,correndo o risco de sermos agredidos ou assassinados por ter uma paixão pelo nosso time
    Assisto aos jogos pela tv a contra gosto,pois fui frequentador de arquibancadas durante toda a minha infância e juventude,deixando de ir aos jogos,desde aquele episódio da copa São Paulo de futebol jr,onde teve aquela batalha entre torcidas que culminou com a morte do torcedor do São Paulo f.c.,e veja quanto tempo se passou e só medidas paliativas foram tomadas mas nada de concreto se fez até hoje…muitos morreram e vão continuar morrendo veja o ultimo caso do torcedor Santista,lastimável!!!

  • Sidnei

    Falar de violência da muito mais ibope, por isso só é falado nisso.

  • carlos galo

    Eu penso na tese de que um torcedor do bem que quer assistir um jogo do seu time junto com sua familia, que chegue mais cedo ao estadio, com isso ele ja garante 50% de seu conforto e segurança, a outra metade vem de dentro do estadio. Sera que internamente, os estadios brasileiros oferecem conforto, segurança ? Existe uma preocupaçao enorme com jogadores e comissoes tecnicas em relaçao ao calor, ao sol muito forte, que eles nao podem sentir frio nem calor, e os torcedores? Como fica. As estrelas do espetaculo sao os jogadores, mas sera que vivem sem o publico, sem a plateia? A violencia afasta muitos torcedores do bem, aqueles que querem levar seus filhos em campo pela primeira vez, mas esse ( violencia ) nao é o principal motivo.

  • Antonio Edilson

    Quer saber mais : dar até medo de comprar uma camisa nova do time que torcemos porque conforme seja o modelo ou valor, o a reação adversária por parte destes tipos são maiores. Nunca sabemos o pode nos acontecer quando saimos pela cidade ou bairro.

  • Marco

    Péssimas condições dos estádios, horário das partidas, valor dos ingressos, péssima mobilidade urbana, péssimos campeonatos de baixo nível, péssima organização por parte da PM, isso não conta? rs…o que conta é a violência que acontece á 10Km do estádio?
    Me poupe, vocês da mídia são muito sensacionalistas.

MaisRecentes

Neymar, entre a guilhotina e ‘la vie en rose’



Continue Lendo

Do ‘gênesis ao apocalipse’, Felipe Melo tropeça no verbo



Continue Lendo

Um Dérbi sob o signo da invencibilidade



Continue Lendo