O nó górdio do futebol brasileiro



Nos tempos do julgamento espontâneo, da tribuna das redes sociais, sentenças são proferidas em escala industrial. Todo mundo escreve, um punhado de gente lê, outro punhado compartilha, ou retuita, e assim temos muitas vezes a “viralização” de mentiras, meias verdades, precipitações. Esse é o mundo contemporâneo, mais virtual que real, com fartura de informação e desinformação também. Há pouca reflexão e muita conclusão. O bolo do Campeonato Brasileiro ganhou tanto fermento que essa confeitaria online fez vilões e heróis a rodo.
Claro, dirão alguns (possivelmente muitos), com carradas de razão: debatemos e isso é bom, temos a democracia. E as ideias são trocadas diante do que temos pela frente. Assim que o STJD condenou a Portuguesa houve os que defendessem a medida como respeito à lei. Outros, entre os quais me incluo, pensaram no espírito da lei, na busca da justiça acima da letra gelada. Os pontos tirados tinham amparo legal, mas seria justo rebaixar o clube por infração em um jogo que para ele nada valia e beneficiar outro que caira no campo? Então os dois lados entraram num pé de guerra verbal que produziu, na escala contemporânea de estigmatização, um vilão: o Fluminense. O clube, que por circunstâncias apareceu em anos recentes em polêmicas de tapetão, passava a ser um agente do mal, quando não era. Ao menos pelo que sabemos até agora. Essa síndrome de perseguição já vinha no tolo lema do “pagar a Série B”. Na história do futebol brasileiro houve tanta mudança de regra que haveria uma fila de pagamento de dívidas morais infinita.
Uma parcela dos que então defendiam a justiça prevalecendo sobre a lei apegou-se em um aspecto jurídico: o Estatuto do Torcedor, que em um artigo fala em publicidade das decisões, algo que não foi feito. De repente, a questão – ressalto, para alguns – não era mais moral, era legal. Os que eram contra a letra fria da lei passaram a ser favoráveis a ela. Lei Federal está acima de um código esportivo! Mas o encontro dessa infração serve ao ideal da justiça no caso ou apenas a defesa casuística de um dos lados, tornando o debate pobre?
Agora começam a surgir indícios, e já há inquérito, de que gente da Portuguesa sabia da irregularidade de Héverton e não passou a informação para quem de direito, supostamente com dolo. A vilania do Fluminense arrefeceu diante da possibilidade de a corrupção ter sido o vírus desse imbróglio. Os rótulos mudaram, e a Portuguesa nem é mais vista como imaculada.
Os fatos que se sucederam foram debelando juízos e formatando outros. As manifestações, legítimas, de torcedores da Portuguesa na Avenida Paulista e em frente ao STJD em dezembro teriam razão de ser agora? O novo presidente do clube enaltece o promotor que conduz investigação sobre a conduta de gente do Lusa e diz desconfiar de funcionários. E agora? O que vamos dizer em redes sociais e no asfalto? De que moralidade e direitos trataremos? O nó está cada vez mais górdio e canja de galinha não fará mal a ninguém por ora.

 



  • Planeta Bola

    na medida em que mais, e mais aprofundadas, informações surgem, masi claras vão ficando as posiçõeos (e não falo aqui dos pró isso e contra aquilo). Ponto 1: é fato que um código “local”, como o é o do STJD (lembremo-nos, ele é um órgão administrativo da CBF, dito “autônomo”), não pode sobrepor-se a uma lei federal, caso do Estatuto do Torcedor (e isso quem diz são juristas, advogados, exceto, talvez, os auto proclamados “juízes” do STJD, que advogam em causa própria); isto colocado, a perda dos pontos pela Portuguesa é irregular e, como a ela devem ser restituídos, o Fluminense retorna ao posto em que “arduamente” trabalhou prá ficar, a Série B. Ponto 2: As investigações do MP-SP fatalmente encontrarão os nomes, CORUPTOS e CORRUPTORES, daqueles que deverão pagar com condenações da justiça penal. Não há dificuldade em entender diferentemente disso. A lei federal é clara e os trabalhos do MP-SP também.

  • Sérgio

    Aguardemos a justiça apurar todos os fatos e quem são os corruptos e corruptores antes inocentar o Fluminense e seus interessados em sua permanência na série A, senhor Valdomiro Neto, pois a Portuguesa tem um grande histórico de ser prejudicada no futebol brasileiro enquanto o Fluminense sempre recebe vantagens indevidas o que já encheu o saco de todos torcedores brasileiros

  • django

    Quando um jogador é pego em exame anti dopping ele é punido e não o clube .Seguindo esse raciocinio se houve corrupção de algum funcionário da Portuguesa ele que seja responsabilizado e não a instituição.E quanto ao STJD OS PSEUDOS JUIZES SEMPRE ESTIVERAM COMPROMETIDOS COM A CBF QUE É QUEM OS COLOCA LÁ E A JUSTIÇA É FEITA DE ACORDO COM INTERESSES DELA.

  • Planeta Bola, pelo seu comentário, acredito que você não seja um profissional de Direito, digo advogado. Por estar analisando com o coração e não com a razão, uma vez que o regulamento do campeonato Brasileiro, é de conhecimento de todos seus participantes, que farão parte da referida disputa. E esse mesmo regulamento, vale desde a primeira, até a ultima partida, ou seja, até 38º partida do mesmo campeonato. Muitos comentarista utilizam os bordãos, , LETRA fria da lei, tapetão, etc., que os clubes, não podem cometer erros e que esta tudo bem. Pois no Brasil, tudo pode, inclusive virar a mesa, como tantas vezes aconteceu no futebol brasileiro, o que não é uma exclusividade do Fluminense. Que subiu da serie B para a copa João Havelange, convidado pelos clubes dos 13, juntamente com Bahia, Juventude, Bragantino. Lei é lei e ponto final, por isto que elas existe, para regular alguma coisa. Senão vira bagunça. Se queremos um futebol moralizado, devemos prezar pelas leis. Se um clube comete um erro, tem que ser punido, independente do seu tamanho, pequeno ou grande, deve pagar pelo seu erro. Porque senão estaremos punidos os clubes que respeitaram o regulamento da competição. Esta celeuma toda esta acontecendo, é por causa do beneficiado ser o Fluminense. Vou aqui mencionar uma frase do texto do neto. “Na história do futebol brasileiro houve tanta mudança de regra que haveria uma fila de pagamento de dívidas morais infinita”. Pouquíssimos clubes, quatro ou cincos, não deve uma serie B, se for caso. Parabéns Neto pela sua postagem.

  • Arnaldo

    Engraçado como as pessoas pegam as opiniões de alguns juristas e as tornam como verdade absolutas, dentro daquilo que lhes convém.
    A questão do suposto conflito entre o Estatuto do Torcedor e o CBJD é completamente rechaçada pelo redator do Estatuto do Torcedor, Lei Pelé e CBJD:

    “O assunto é bem fácil de dissertar sobre porque participei da redação dos três mecanismos: Lei Pelé, Estatuto do Torcedor e CBJD. Serei prático na resposta. Ao torcedor, como cidadão brasileiro, é dado o direito de todas as vezes em que se sentir lesado, buscar o poder judiciário para a reparação do seu direito. Então ele tem esse direito em qualquer circunstância. Não é só na atividade desportiva. Não é só amparado pelo Estatuto do Torcedor. É regra geral, institucional, entretanto, esse torcedor que está livre para ir ao poder judiciário, com absoluta certeza, não poderá ter o seu pleito acolhido neste caso porque a Justiça Desportiva cumpriu rigorosamente o que dela se esperava como obrigação legal, ou seja, o Superior Tribunal de Justiça Desportiva, nas três sessões que teve fez rigorosamente o que se esperava. O torcedor tem todo o direito de buscar reparação, mas não haverá meios de prova para que ele possa induzir ou buscar na Justiça do Estado a proteção a um direito que não lhe foi violado.”

    Leia mais no LANCENET! http://www.lancenet.com.br/minuto/Advogado-renomado-Copa-Joao-Havelange_0_1061293904.html#ixzz2rvY3PINA
    © 1997-2014 Todos os direitos reservados a Areté Editorial S.A Diário LANCE!

  • Frederico Gosling

    Primeiro, se houve corrupto e corruptores, eles foram gerados por atos que transgrediram as leis Brasileiras e beneficiavam algum Clube, seria justo que corruptos e corruptores respondessem na Justiça comum simplesmente, quando o FUTEBOL Brasileiro é que foi afetado se manteria à parte, exemplo: um Diretor da Lusa comprometido, um Diretor do Flamengo também comprometido, e os Diretores, vejam vocês DIRETORES, iriam responder processo na Justiça comum e os Clubes seriam isentos de qualquer culpa. Vocês tem visto a quantidade de crimes que tem ocorrido no Brasil ultimamente, até Brasilia está afetada pela violência, isto é graças a vocês, quando digo vocês incluo no mesmo pacote toda a mídia Brasileira, vocês estão fazendo milagres mirabolantes para tirarem o Flamengo do olho do furacão, PORQUE? É a pergunta, só por ser um grande Clube ou porque todo o nosso sistema já está podre. Eu estou sentindo nojo de futebol é desta mídia maldita, que só olha a quantidade, nunca a qualidade. Não se fala mais dos presídios da Maranhão, é a terra dos Sarney, a mídia se cala, como desagradar um Senador, mesmo corrupto, mas o Fluminense vocês não perdoam, realmente sinto cheito de matéria em decomposição, seriam vocês.

  • Frederico Gosling

    Isto é só brincadeira ou vocês publicam a opinião dos leitores. Ultimamente o problema do Neymar estar cheirando a corrupção, e os jornais estão se omitindo o destino da mídia é tentar destruir o Fluminense, desistam, nós somos feito de matéria muito sólida, acho mais facil, Globo, Lance e outros mais acabarem que destruir o Fluminense.

  • Cláudio de Miranda Cirne

    Primeiramente, quero parabenizar o autor da coluna pelas palavras aqui escritas. Sou tricolor. E como TODO torcedor do fluminense fiquei triste e desapontado com a campanha pífia do ano passado. E, como TODO tricolor, após a derrota para o Santos eu tinha 99,99% de certeza que o meu FLU iria cair. Portanto, quando o rebaixamento se concretizou na última rodada eu e a maioria da torcida tricolor já estávamos conformados. A diretoria também, tanto que trouxe o Felipe Ximenes pensando em estrutura o Depto. de Futebol para jogar a série “B”. No dia em que estourou a notícia dos erros amadores cometidos por Flamengo e Portuguesa, o nosso presidente, concedeu uma coletiva anunciando o planejamento do clube no ano visando a disputa da segundona. Portanto o Fluminense iria disputar a segunda divisão sem problemas. E por eu acompanhar o dia a dia do clube do meu coração, sei que NINGUÉM da atual administração poderia de alguma forma estar envolvido em alguma falcatrua para rebaixar “A” ou “B” em prol da manutenção do Flu na série “A”. Li várias besteiras, maluquices, coisas do arco da velha, e a maioria delas escritas pela imprensa paulista. A mesma imprensa que tem o dever e a obrigação de levar aos leitores A VERDADE DOS FATOS, era a primeira a criar teorias de conspirações estapafúrdias colocando sempre o Fluminense como o vilão. “Pague a Série B”; “Campeão do Tapetão”, e blá, blá, blá. Isso só fez com que nós, torcedores do Fluminense nos uníssemos cada vez mais para defender o clube da imprensa, rede sociais, nas discussões em qualquer lugar que tivesse esse assunto. Somos mais de 9 Milhões de torcedores espalhados pelo Brasil e merecemos ser respeitados. A instituição Fluminense Futebol Clube merece ser respeitada, pois não é um clubezinho qualquer.

  • Sinceramente. Cai 6, e pronto. Faz a série B com 22, caindo 6 e subindo 4 este ano. Faz a série A com 18, caindo 2 e subindo 4 este ano. Tudo resolvido… mas não… é mais “fácil e conveniente” fazer a série A com 24, alguém duvida???? Se fuçar bem nisso tudo, vai ter que punir e rebaixar emissora de TV (prá mim a grande vilã e idealizadora disso tudo) …..

  • Sylberman

    Primeiramente este papo de resultado dentro de campo, é coisa superada, pois o flamengo e a Lusa usaram meios desonestos, então cometeram um crime contra o nosso futebol, isto não pode ficar impune, errou, tem que pagar, segundo o Fluminense terminou com o mesmo número de pontos do Criciúma,e em todos os Campeonatos do Mundo a decisão, quando há empate é o resultado do confronto direto, o Fluminense ganhou do Criciúma no Turno e no returno, então o mesmo regulamento que nos jogou para a segundona não pode ser usado para Flamengo e Lusa, também nós não aceitamos que este regulamento nos jogue para a segundona, uma partida extra contra o Criciúma para saber quem ficaria com a vaga. Eu acho que Justiça, só existe uma, que se chama lógica, bom senso, e Flamengo e Lusa, COM O TOTAL APOIO DESTA MÍDIA NOJENTA, estão se impondo pela pressão, amanhã a notícia será Fluminense virou a mesa, o Fluminense quer apenas que se cumpra a Lei, coisa que nem Flamengo, nem Lusa e muito menos a Mídia querem. Foram achar um furo na Lei, que na realidade não acharam , fizeram um buraco na LEI, para que ela se adaptasse aos interesse de Flamengo e Lusa, enquanto este País viver nesta subserviência de Flamengo seremos sempre terceiro Mundo, Lei foi feita para todos, Flamengo tu me envergonhas. Vocês não podem simplesmente jogar na lata de LIXO, o julgamento feito pelo STJD, foi feito ao vivo, com amplo direito de defesa, com ótimos defensores, porém com uma missão ingrata defender o indefensável, onde está o conceito de honestidade de nossa Justiça, um Juiz concedendo uma Liminar destas ele está contestando a Idoneidade de todos os Membros do STJD, a lisura do julgamento e protegendo os infratores, que mesmo sabendo das punições, afrontaram a Justiça, colocando jogadores punidos em campo, onde está a JUSTIÇA, meu caro Juiz, ou seria um torcedor fanático da Lusa? O povo quer saber.. SINTO VERGONHA DE SER BRASILEIRO E COMPACTUAR COM TODA ESTA SUJEIRA, APENAS PARA FAVORECER O FLAMENGO, QUE DEVERIA SER O EXEMPLO PARA NOSSA NAÇÃO. ESTA COPA VAI SER UM FRACASSO, ESPEREM E VERÃO.

  • Aurélio

    Para quem se considera tão entendido em leis para responder a artigo tão bem escrito, o português está sofrível. O que vai ao encontro do arrazoado apresentado pelo autor nos primeiros parágrafos do texto.

    A gramática e a sintática agradecerão se forem melhor tratadas nas próximas intervenções dos internautas.

  • pc

    O que esta acontecendo é que a má fé dos dirigentes da portuguesa é clara e cristalina.Errar é humano e colocar a culpa ns outros tambem, pelo visto.
    è isso que oo dirigentes procuram, um Cristo para levar a culpa por eles, pela incompetencia deles.
    è muita ingenuidade achar que o Fluminense vai abrir mão do seu direito.direito este assinado no regulamento que todos assinaram, inclusive a manada da portuguesa.
    A lusinha nunca fez nada no cenario do futebol brasileiro para ser lembrada, agora conseguiu, será lembrada como burra, tola e vigarista.
    ST

MaisRecentes

Guttman, uma bela e vitoriosa trajetória



Continue Lendo

Palmeiras x São Paulo: rivais contra o vexame



Continue Lendo

Neymar, entre a guilhotina e ‘la vie en rose’



Continue Lendo