O nó górdio do futebol brasileiro



Nos tempos do julgamento espontâneo, da tribuna das redes sociais, sentenças são proferidas em escala industrial. Todo mundo escreve, um punhado de gente lê, outro punhado compartilha, ou retuita, e assim temos muitas vezes a “viralização” de mentiras, meias verdades, precipitações. Esse é o mundo contemporâneo, mais virtual que real, com fartura de informação e desinformação também. Há pouca reflexão e muita conclusão. O bolo do Campeonato Brasileiro ganhou tanto fermento que essa confeitaria online fez vilões e heróis a rodo.
Claro, dirão alguns (possivelmente muitos), com carradas de razão: debatemos e isso é bom, temos a democracia. E as ideias são trocadas diante do que temos pela frente. Assim que o STJD condenou a Portuguesa houve os que defendessem a medida como respeito à lei. Outros, entre os quais me incluo, pensaram no espírito da lei, na busca da justiça acima da letra gelada. Os pontos tirados tinham amparo legal, mas seria justo rebaixar o clube por infração em um jogo que para ele nada valia e beneficiar outro que caira no campo? Então os dois lados entraram num pé de guerra verbal que produziu, na escala contemporânea de estigmatização, um vilão: o Fluminense. O clube, que por circunstâncias apareceu em anos recentes em polêmicas de tapetão, passava a ser um agente do mal, quando não era. Ao menos pelo que sabemos até agora. Essa síndrome de perseguição já vinha no tolo lema do “pagar a Série B”. Na história do futebol brasileiro houve tanta mudança de regra que haveria uma fila de pagamento de dívidas morais infinita.
Uma parcela dos que então defendiam a justiça prevalecendo sobre a lei apegou-se em um aspecto jurídico: o Estatuto do Torcedor, que em um artigo fala em publicidade das decisões, algo que não foi feito. De repente, a questão – ressalto, para alguns – não era mais moral, era legal. Os que eram contra a letra fria da lei passaram a ser favoráveis a ela. Lei Federal está acima de um código esportivo! Mas o encontro dessa infração serve ao ideal da justiça no caso ou apenas a defesa casuística de um dos lados, tornando o debate pobre?
Agora começam a surgir indícios, e já há inquérito, de que gente da Portuguesa sabia da irregularidade de Héverton e não passou a informação para quem de direito, supostamente com dolo. A vilania do Fluminense arrefeceu diante da possibilidade de a corrupção ter sido o vírus desse imbróglio. Os rótulos mudaram, e a Portuguesa nem é mais vista como imaculada.
Os fatos que se sucederam foram debelando juízos e formatando outros. As manifestações, legítimas, de torcedores da Portuguesa na Avenida Paulista e em frente ao STJD em dezembro teriam razão de ser agora? O novo presidente do clube enaltece o promotor que conduz investigação sobre a conduta de gente do Lusa e diz desconfiar de funcionários. E agora? O que vamos dizer em redes sociais e no asfalto? De que moralidade e direitos trataremos? O nó está cada vez mais górdio e canja de galinha não fará mal a ninguém por ora.

 



MaisRecentes

Alemanha x Brasil: aprendizado por linhas tortas



Continue Lendo

Messi ameaça driblar o tempo



Continue Lendo

Do Majestoso e suas armadilhas



Continue Lendo