Foi bonito o choro, pá, ó Ronaldo!



CRISTIANOCHORO

Crédito da Foto: AFP

Foi bonito o choro, pá! O gajo Cristiano Ronaldo se emocionou e o mundo se espantou. Ora bolas, mas o atacante é português e como escreveu Ruy Guerra nos versos de “Fado Tropical”, em música de Chico Buarque, “Todos nós trazemos no sangue lusitano uma boa dosagem de lirismo”. No coração lusitano há tudo, menos pedra. A suposta vaidade extremada do jogador – quem julga isso? –  não exclui sensibilidade aflorada. Pode ser até sua coirmã. Cristiano é uma espécie de Camões da bola, é uma epopeia nos relvados, seja com a camisola branca ou com a grená. Só em 2013 fez  hat-tricks (três golos em só jogo, à portuguesa) OITO vezes. Somente o Velho do Restelo, o pessimista personagem de Os Lusíadas, tiraria os infinitos méritos do craque da Ilha da Madeira. Sua atuação na classificação de Portugal para a Copa, contra a Suécia, foi de fato um épico. Foi ali um heroi, como um desbravador dos mares na época das grandes navegações. Resolveu todas as paradas e só poderia mesmo dizer: “Eu sou o cara”.

Foi mesmo bonito o choro, pá! Cristiano é ibérico e homérico. Camões escrevinhou que cessassem do grego e troiano para cantar o peito ilustre lusitano. Nós aqui, muitos descendentes do país do vinho e do bacalhau, sabemos que o emocionalismo é também um insumo português. Não foi um chorinho minguado, uma lágrima de canto de olho, que poderia denotar afetação. Foram soluços, desses que interrompem falas, que vinham acumuladas. A rivalidade com Messi, tetracampeão da eleição da Fifa, não é fácil de encarar. A explosão física e a potencia no chute, somadas à habilidade, não turvam a emoção.

Foi lindo o choro, pá! Fez jus ao futebol apresentado, ao talento claro, evidente, questionado apenas pelos enjoados da bola. Na lapela do terno pomposo poderia vir um cravo, aquele usado na revolução que derrubou Salazar. Pois para Cristiano, vencer Messi é como ser revolucionário e seguirá sendo. É um gênio contemporâneo de um mito. Superar o mito é digno de choro incontrolado.



  • Fabricio

    Ótimo texto. Cristiano Ronaldo é “marrento = marra + talento”, assim como Romário sempre foi. Ronaldo, chorou. Romário também. A grande diferença é que, ambos, indiscutivelmente, se garantiam dentro de campo, enquanto outros, só possuem a “marra” e faltam-lhes talento.

  • andre

    até que enfim foi feito justiça ele sempre foi o melhor vc é o zika no futebol

  • Bruno Silva

    Pô! “Três hat-tricks oito vezes”?
    Pelo que eu sei, “hat-trick” é fazer três gols em um jogo! E o CR7 fez oito hat-tricks durante o ano!!!!!

  • Fernando Barros

    Um verdadeiro absurdo essa título de melhor do mundo para o CR7. Como um jogador pode ser eleito o melhor se ele não conseguiu vencer um título sequer?
    Enquanto isso, o Ribery comeu a bola o ano todo e ganhou todos os títulos possíveis e imaginários. Isso não é justo!
    Não vou nem falar do Messi, pois simplesmente nã jogou esse ano (muito tempo machucado).
    CR7 é um rei sem coroa, ou melhor, um melhor do mundo sem título.

  • Adriano

    Parabéns Cristiano, pela seriedade com que executa a sua profissão, voçe é um bom exemplo no esporte.

  • Corrigido, companheiro.

    Abraços

  • neves

    Aqueles q falam em falta de titulos la vai: Primeiro, se fosse assim, qualquer jogador do Bayer poderia ter sido melhor do mundo. Individualmente ele foi o melhor, parem de comparar com Messi, ou com esse ou aquele. Ele foi o melhor individualmente e PONTO. Futebol é coletivo, o Messi foi campeão esses anos jogando com XAVI E INIESTA.., um timaço. Parabéns CR7, vc foi o melhor esse ano.

MaisRecentes

Cristiano Ronaldo, uma máquina de obstinação



Continue Lendo

As lições do ‘aspirante’ Carille no senso comum



Continue Lendo

Luxa vive um longo crepúsculo dos deuses



Continue Lendo