Tá legal!(?) O que fica de lição do imbróglio da Lusa



Tá legal, eu aceito o argumento. Fincaram bandeira na letra fria da lei, tiraram quatro pontos da Portuguesa e levaram ao rebaixamento do clube. Com isso, o Fluminense se livrou.

Tá legal, eu sei que ainda há recurso, que o pleno do STJD pode ter outra visão, mas não acredito. O solapante placar de 5 a 0 me faz descrer que possa haver reversão na segunda instância. Não houve virada de mesa, mas o campeonato foi decidido no tapetão, no tribunal, não no campo. Isso por si só é triste, dá um gosto acre na boca, gera lamentos.

Tá legal, foi desproporcional ao ato, não houve má fé, a partida não valia necas para a Portuguesa, o atleta atuou por 15 minutos, não é um cracaço, etc… Mas está no código.

Tá legal, ainda assim prevaleceu a tecnicidade, a visão restrita do que está escrito, não se ampliou a análise para o bom senso, porém não podemos falar em sacanagem ou coisas do gênero.

Então se tá legal, que se pense no além, no a partir de agora. Se como escreveu Drummond, de tudo fica um pouco, muito fica disso. Uma enorme lição. Porque tá legal, mas é irreal, desvinculado de intenções e fatos.

Então pra realmente ser legal, que tal:

– Rever o tamanho da punição para quem escala jogador de forma irregular? Perde os pontos eventualmente ganhos na partida em que isso ocorreu? Afinal, beneficiou-se naquela partida. Os três pontos extras parecem draconianos.

– Rever o método como a informação chega ao clube atingido. Apenas um bate-papo entre advogado no local e alguém da agremiação é precário. O objetivo é que o clube erre e seja punido ou que o jogador cumpra a punição? Se prevalece a segunda hipótese, a mais lógica, que se crie um sistema de tecnologia rápida a evitar que haja brechas. Árbitros dos jogos precisam ter relação de suspensos e, assim, possam impedir que entrem em campo. Eureka! Descobrimos a pólvora. Em tempos de softwares pra tudo criar um pra isso é muito rebuscado?

Esses dois pontos parecem ser os críticos. A pena não pode ser tão drástica e, de preferência, nem deve precisar ser aplicada, já que o árbitro poderia bloquear um atleta suspenso. Aí realmente estará legal!

 



MaisRecentes

Recortes do precário futebol brasileiro



Continue Lendo

Rica em talentos, França rompe com paradigma recente



Continue Lendo

Espanha morre abraçada ao ‘tiquitaca’ odiado por Guardiola



Continue Lendo