Nas bolinhas, a morte está à espreita na Copa do Mundo



quartetoArgentina, de Messi, Brasil, de Neymar, França, de Ribery, e Itália, de Pírlo, são seleções que podem se encontrar na primeira fase

A França chiou, a Fifa se coçou e criou uma gambiarra no sorteio dos grupos da 20ª Copa do Mundo de futebol. Na ensolarada Costa do Sauípe teremos um inusitado pote X para ajeitar as coisas e tentar evitar um grupo bombástico, com três campeões do mundo. Logo ela, a letra x, que representa o anonimato, a coisa feita à sorrelfa, por baixo dos panos. Curioso! Em um formato, adotado desde o inchaço para 32 participantes, em que apenas dois de cada chave se classificam, ter um trio de potências na mesma significa eliminar precomente um favorito sem que zebras façam isso.

O concerto de verão armado pela entidade para as partidas de inverno, porém, não eliminou a possibilidade. Se ocorrer o cenário indesejado,  nele certamente estarão Brasil, Argentina ou Uruguai. O tridente, que soma nove títulos mundiais, é quem mais deve roer as unhas. O solitário europeu que será destacado logo de cara juntar-se-á a um dos quatro da América do Sul que capitaneiam as chaves. Além dos três, há a Colômbia e só. Se, então, o europeu retirado for Itália, Inglaterra ou França estará aberta a possibilidade de surgir o grupo mais forte da história das Copas – concluo isso levando em conta o contexto, passadas 19 edições, já que seleções constroem sua força a partir do passado, claro. Isso para não dizer que Holanda e Portugal, à parte não terem nenhum título mundial, são pedras no sapato a se evitar.

Se a paúra persistir e argentinos e ingleses ou brasileiros e italianos estiverem já lado a lado, por exemplo, os orixás baianos precisarão ser evocados. A reza deverá ser braba para que quando chegue a retirada das bolinhas do pote europeu venha um mais fraco, da monta de Bósnia e Grécia ou, em último caso, Croácia e Rússia, pro caldo não entornar. Uma grupo com Brasil, Itália e França ou Inglaterra é a possibilidade de mais troféus reunidos. Ou então pode acontecer um Argentina, Inglaterra  e Holanda, que tal? Neste último caso, pode até agradar os mais renhidos brasileiros antiargentinos, mas pro torneio não necessariamente será bom – à parte o fato de termos garantidas três partidas muito atraentes.

Grupo da morte é um clássico de copas e dá aquela animada. Mas não é rotulado assim apenas se tiver muitos campeões do mundo. Seleções de destaque, ou que vivem momento bom, são intrusos que podem ser fatais. Em 2002, a Suécia, ao cair no grupo de Inglaterra e Argentina (dois campeões do mundo) acabou mandando a alviceleste dançar tango. O país de Gardel, aliás, viu-se novamente numa fria quatro anos depois ao cair com Holanda, Costa do Marfim e Sérvia. Mas na ocasião se safou. Em 98, a Espanha rodou para Nigéria e Paraguai, em um grupo que ainda tinha a Bulgária, quarta colocada do Mundial anterior. Na última edição, na África do Sul, os franceses sentiram a guilhotina os degolarem ao terem os anfitriões, o México e o Uruguai como acres companhias.

E se tivermos um grupo tão fornido assim certamente teremos outro (s) de fragilidade pouco visto. Com três cabeças de chave sem grande tradição – Colômbia, Suíça e Bélgica -, que sequer chegaram a uma decisão na história, as chances não são nada descartáveis. Pode-se imaginar Suíça, Bósnia, Coreia do Sul e Equador ou Bélgica, Grécia, Austrália e Camarões. Ou então, ainda, Colômbia, Croácia, Irã e Nigéria. A sorte está lançada e a morte à espreita!



  • obs: Se considerarmos a possibilidade de um tridente sul americano,Brasil,Argentina e Uruguai, teremos 9 títulos mundiais,não 8,como descrito na matéria.
    Brasil, 5 mundiais.
    Argentina, 2 mundiais.
    Uruguai,2 mundiais.

  • Marcelo Ulianov

    Quanto mimimi. Não tem nenhuma seleção que me preocupe na europa. Alemanha e Itália sempre são fortes. espanha e frança já foram, são campeões de entressafra. Do resto, é o mesmo de sempre: holanda, que nunca vai ganhar nada, portugal, que não é nada, e dai por diante. Prevejo uma final clássica, com Brasil x argentina/alemanha/italia. Ah sim, e vai continuar o bla bla bla sobre o futebol africano, que um dia chega, um dia vence…

  • Samuel

    A meteria esta certa….São 9 titulos mundiais mesmo….

MaisRecentes

Documentário mostra diálogo entre sociedade e futebol francês



Continue Lendo

Documentário mostra diálogo entre sociedade e futebol na França



Continue Lendo

O protagonismo estrangeiro no futebol brasileiro



Continue Lendo