Se o presente é tão grande, não afastemos os olhos do Mineirão



cruzeiro

Desde que a fórmula por pontos corridos foi adotada em nossas plagas, há pouco mais de uma década, vivemos catando finais no meio da tabela. Tá lá no rótulo repetido à exaustão: final antecipada! Ou, ainda, um mais persuasivo: todo o jogo é decisivo! É como se o espírito do mata-mata conseguisse encontrar abrigo no coração da fórmula corrida. E aquela final que se julgava antecipada pode ceder lugar, na frente, para outra e outra, a depender da sequência da disputa. São finais falsas ou semiverdadeiras, a depender da ocasião. Minicertezas prontas para serem devoradas. “O presente é tão grande, não nos afastemos”, escreveu Drummond no lindo poema Mãos dadas. E se o presente é o que importa, Cruzeiro e Botafogo fazem sim nesta quarta um tipo de final antecipada. Mesmo que daqui um tempo vejamos que não foi bem assim, e daí? Vamos curti-la como se fosse, esse é o barato do modelo em que todo mundo se enfrenta duas vezes. As emoções vão variando e podemos simular decisões que não são, propriamente, decisões.

Quem não está doido pra ver essa partida do Mineirão? Após o apito final a competição não será a mesma. Se vencer, o Cruzeiro acumulará invejável gordura de sete pontos que, se bem administradas, levarão o título para Belo Horizonte após 11 anos de espera. Um empate deixará a diferença no meio termo, quatro pontos, que podem ser tirados com dois tropeços de um e dois sucessos de outro. E se o Fogão encerrar a invencibilidade mineira em casa aí, meus amigos, um mísero ponto separará os dois, a estrela solitária se inflará de moral e diremos: Temos um campeonato! Já vimos oceanos de separação secarem nesta curta história dos pontos corridos. O São Paulo tirou 11 pontos do Grêmio e foi campeão em 2008. E o Flamengo, que dinamitou 12 pontos de desvantagem para o Palmeiras em dez rodadas e levantou o caneco? Mirando-nos nesses exemplos sabemos que nesta quarta nada se decidirá. Mas dará um novo rumo, e isso que interessa. O presente é tão grande…

Em campo, o presente repete o passado, para citar outro poeta, este das palavras cantadas, o saudoso Cazuza. O Botafogo, que formou um dos grandes esquadrões do país nos anos 60, tenta uma glória que não vê há muito tempo. O Cruzeiro, justamente o primeiro felizardo desta nova era do Brasileirão, vê um time no papel inferior àquele mas que, surpreendentemente, tem neste momento melhor campanha (o presente é tão grande!). Vemos dois técnicos discretos, sem o exibicionismo que costuma predominar nos bancos de reserva. E temos de um lado um time celeste com elenco de opções fartas, a ponto de ter Julio Baptista, Dagoberto e Borges no banco, contra um time botafoguense de heróis improváveis: no passado (que foi ontem) era Vitinho, e no presente, presentemente, Hyuri.

Se o presente é tão grande, que nos presenteie com uma batalha digna do campeonato. A dinâmica dos dois times torna seus jogos animados, de boa apreciação. As partidas do Cruzeiro são de uma correria incrível. O time acumula notáveis 46 gols, mas quando se procura na tabela o seu artilheiro é Ricardo Goulart com apenas seis. Essa fartura de goleadores diferentes dá a dimensão do jogo coletivo e fluido da equipe. O trio Everton Ribeiro, Ricardo Goulart e William se movimenta à beça e faz de defesas baratas tontas. O alvinegro carioca, por sua vez, tem na dedicação e superação seus adjetivos. Vitórias expressivas, como a do último domingo contra o Santos, que encerrou invencibilidade de mais de um ano do adversário na Vila Belmiro, foram minando a desconfiança que o Botafogo costuma carregar. Os triunfos no apagar das luzes contra Criciúma e Corinthians são outros exemplares disso.

Como será o amanhã? No início de dezembro quem sorrirá de orelha a orelha? Essa respostas astros e cartomantes não darão. Mas após o jogo do Mineirão poderemos fazer novas apostas e alimentar nossas finais de cada dia. O presente é tão grande…



  • Seedão

    “Na estrada dos louros, um facho de luz, tua estrela solitária te conduz.”

    #PRADENTRODELESFOGÃO.

  • Antonio José Perez Lima

    Se o presente é tão grande, o Botafogo é maior ainda. Avante Fogão!

  • Alzimar

    Bem fraquinho seu post, pode melhorar viu!!!!!

  • Wagner de Paula

    Jogão. Pra mim, entre esses dois sai o campeão Brasileiro. Não nesse jogo, mas no decorrer do campeonato só esses dois times mostram até aqui condições de levantar o caneco!

  • Thiago BH

    Contra tudo e contra todos, o Cruzeiro caminha a passos largos rumo ao título. Parabéns ao Botafogo pela excelente partida no Mineirão, mas desta vez não tem para ninguém, o caneco aos poucos está indo para Minas Gerais. Avante, Cruzeiro! Rumo ao título!

  • Eric Nunes C.

    “vê um time no papel inferior àquele”. Não concordo. Estou vendo a mídia falar isso desde o início do ano. O que se vê é o contrário. E no papael o time do Cruzeiro é um dos melhores do Brasil. Mas nós mineiros vamos lutar contra a maré. Sou cruzeirense, mas o Galo mineiro também teve que fazer isso na Libertadores. Esse ano, se Deus quiser, os dois títulos mais importantes do Brasil ficarão em Minas Gerais!

MaisRecentes

Guttman, uma bela e vitoriosa trajetória



Continue Lendo

Palmeiras x São Paulo: rivais contra o vexame



Continue Lendo

Neymar, entre a guilhotina e ‘la vie en rose’



Continue Lendo