Muricy, o conquistador, experimenta um novo mister, o de bombeiro



muricy

Muricy é tricampeão brasileiro pelo São Paulo (FOTO: Tom Dib)

Muricy sempre ressaltou sua ânsia por títulos. Após enfileirar Brasileirões, tornou-se assediado por quem busca troféus. Sua impaciência nos clubes que dirigiu quando não vinham contratações que o possibilitassem brigar pelas primeiras colocações sempre foi um clássico do mau humor. E sua coleção de títulos, talvez fruto dessa inquietude, não é nada desprezível. Que o digam os quatro brasileiros (três pelo São Paulo e um pelo Fluminense) e a Libertadores pelo Santos. Nem estou citando os menos expressivos, como Paulistão e Recopa. Seu papel sempre foi o do conquistador. Pois agora, no mesmo clube que o deu esse status, experimentará um papel bem menos paparicado, o de bombeiro. Terá que salvar o clube de um inédito rebaixamento para a Série B. E isso precisará ser feito com rapidez. Falta um turno apenas do campeonato, espremido em menos de três meses e encavalado com um torneio internacional, a Copa Sul-Americana.

A diretoria são-paulina, que migrou da condição de exemplo – ideia muito cultivada pela cegueira que os títulos provocam – para a de catástrofe de gestão, agarrou-se ao rabo de um cometa chamado desespero, bem conhecido no mundo esportivo. A areia da ampulheta está acabando, os resultados não vêm, a impaciência da torcida aumenta e a popularidade de Muricy nas alturas. A resposta era óbvia e emergencial. Por mais que clamemos por organização e ponderação no futebol, trata-se ainda assim de um jogo, dinâmico, emocional, urgente, de estratégias e não permite muito titubeio. Nesse caso não há prevenção nem remediação, há fatos, escancarados. Era cruzar os braços e depois assumir a responsabilidade da omissão ou recorrer à evidente carta na manga.  Por mais inteligente e admirável que seja a figura de Paulo Autuori, ele não estava conseguindo fazer o time reagir.

Muricy é um caso muito particular no mundo futebolístico. Adorado e detestado em proporções gigantescas. Os exaltadores grifam sua eficiência – fator que sofreu alguns abalos na segunda metade do seu comando no Santos, com um time pessimamente montado e uma certa morosidade. Os detratores reclamam de sua filosofia de jogo, apelidada de Muricybol, e sua irascibilidade nas entrevistas. Os técnicos, supervalorizados ou não, são a figura de proa quando a coisa vai mal, principalmente. Não havia mais para onde correr. A sombra de Muricy era um fardo para Ney Franco e seguiu sendo para Autuori. Ele estava ali, meu filho, pronto para assumir. Já tinha dado pistas à imprensa, como no Papo com o Benja, deste LANCE!Net, de que salivava volumosamente com a possibilidade de reassumir o comando técnico tricolor.

Já vimos teses serem feitas, quebradas e refeitas no futebol. Quando deixou escapar pelos vãos do dedo um título brasileiro que desenhava-se nas mãos do Palmeiras, Muricy foi reavaliado. Quando. no ano seguinte, levou o Fluminense ao topo nacional após mais de duas décadas, recolocado no panteão. O título da Libertadores pelo Santos o guindou a patamar maior ainda, pois dinamitava os queixumes quanto a seu rendimento em torneios. Agora será provado como o homem-resgate. Não pode-se negar, no entanto, que tenha mostrado coragem ao aceitar assumir o clube onde recobriu-se de glória em momento único na sua história. Cair será dar uma borrada no retrospecto. Iça-lo do mundo da possível degola, por outro lado, reafirmará sua condição e mostrará uma outra habilidade, a de bombeiro.

Não esqueçamos: o futebol faz coisas que até Deus duvida!



MaisRecentes

Rica em talentos, França rompe com paradigma recente



Continue Lendo

Espanha morre abraçada ao ‘tiquitaca’ odiado por Guardiola



Continue Lendo

Em cartaz na Rússia: ‘El secreto de sus Rojos’



Continue Lendo