No Brasileirão, os velhinhos mandam e os jovens reverenciam



velhinhos
Alex, Zé Roberto, Seedorf e Juninho são os astros do Brasileirão

No Brasileirão, eles poderiam ter como hino músicas que viraram folclore do nosso cancioneiro. É a tal panela velha que faz comida boa. Ou, no que foi jingle de candidatura presidencial de Ulisses Guimarães em 89, “bote fé no velhinho, o velhinho é quem faz”. São veteranos na pírâmide etária da bola, embora jovens se mirada a expectativa de vida vigente. Têm talento de sobra, carreiras vitoriosas e, ainda assim, fazem bons estragos. Todos do meio para a frente, driblam a garotada e decidem. Alex, Zé Roberto, Seedorf, Juninho Pernambucano… Há quem faça as relativizações de praxe citando os problemas táticos do nosso futebol, em que há muito mais espaço para o jogo que na desenvolvida Europa. Ora, ora, ora, com verdades óvbias não se discute, mas há uma outra verdade que berra: O espaço, como a praça Castro Alves, pode ser do povo, mas só os fora de série dele tiram proveito. Analisemos a competência de tirar proveito do que é ofertado.

Com muito dinheiro no bolso, os “velhinhos” não se acomodam, ainda suam a camisa e, de brinde, deixam o coração latejar. Já que o cofre está repleto por carreiras douradas, louvam o romantismo. Juninho, que, se quisesse, já ouvi dizerem por aí, seria prefeito na francesa Lyon, ama o Vasco! Alex, divinizado pelos torcedores turcos do Fenerbaçe, tem apreço declarado pelo Coritiba. Escolheram a camisa por sentimentos que deixam um pouco de lado o tão surrado lema do profissionalismo. O holandês Seedorf, herdeiro da consagrada técnica laranja e que fala um português redondinho, teve o amor como filtro também. A esposa brasileira queria vir para o país, e ele abriu os braços para o Rio de Janeiro, como um cristo redentor alvinegro.

A vibração de Alex no segundo gol contra o Santos foi de um adolescente que começa a ganhar espaço. Na cabeça devia reverberar: “Eu ainda posso, eu ainda posso!”. Juninho, empolgado pela volta ao Maracanã, mesmo que não seja o velho Maraca, decidiu um clássico como se no auge estivesse. Seedorf, semana passada, fez um gol que foi uma joia, contra o Grêmio, em chute reservado a poucos, raros. A qualidade é senhora, desde que o futebol é futebol é assim. Quem conhece não esquece. Ainda mais quando o físico não parece judiado, a forma segue exuberante. Nessas horas, a experiência, os conhecimentos, fazem as pernas falarem com elegância.

O fenômeno dos jogadores-vinho, que parecem melhores com a idade e não se transformam em viangre, não é exatamente uma novidade. Quem não se lembra do Evair na reta final, quando tornou-se um assistente para atacantes no Palmeiras e no Vasco? E Giovanni, no primeiro retorno ao Santos, quando fez algumas partidas de tirar o fôlego – algo que poderia faltar a velhos guerreiros. Aos 40, Romário dominava a área como poucos. Os exemplos são fartos de que no jogo de bola a idade, para quem sabe das coisas, pode ser um mero detalhe.



MaisRecentes

Rica em talentos, França rompe com paradigma recente



Continue Lendo

Espanha morre abraçada ao ‘tiquitaca’ odiado por Guardiola



Continue Lendo

Em cartaz na Rússia: ‘El secreto de sus Rojos’



Continue Lendo