No Brasileirão, os velhinhos mandam e os jovens reverenciam



velhinhos
Alex, Zé Roberto, Seedorf e Juninho são os astros do Brasileirão

No Brasileirão, eles poderiam ter como hino músicas que viraram folclore do nosso cancioneiro. É a tal panela velha que faz comida boa. Ou, no que foi jingle de candidatura presidencial de Ulisses Guimarães em 89, “bote fé no velhinho, o velhinho é quem faz”. São veteranos na pírâmide etária da bola, embora jovens se mirada a expectativa de vida vigente. Têm talento de sobra, carreiras vitoriosas e, ainda assim, fazem bons estragos. Todos do meio para a frente, driblam a garotada e decidem. Alex, Zé Roberto, Seedorf, Juninho Pernambucano… Há quem faça as relativizações de praxe citando os problemas táticos do nosso futebol, em que há muito mais espaço para o jogo que na desenvolvida Europa. Ora, ora, ora, com verdades óvbias não se discute, mas há uma outra verdade que berra: O espaço, como a praça Castro Alves, pode ser do povo, mas só os fora de série dele tiram proveito. Analisemos a competência de tirar proveito do que é ofertado.

Com muito dinheiro no bolso, os “velhinhos” não se acomodam, ainda suam a camisa e, de brinde, deixam o coração latejar. Já que o cofre está repleto por carreiras douradas, louvam o romantismo. Juninho, que, se quisesse, já ouvi dizerem por aí, seria prefeito na francesa Lyon, ama o Vasco! Alex, divinizado pelos torcedores turcos do Fenerbaçe, tem apreço declarado pelo Coritiba. Escolheram a camisa por sentimentos que deixam um pouco de lado o tão surrado lema do profissionalismo. O holandês Seedorf, herdeiro da consagrada técnica laranja e que fala um português redondinho, teve o amor como filtro também. A esposa brasileira queria vir para o país, e ele abriu os braços para o Rio de Janeiro, como um cristo redentor alvinegro.

A vibração de Alex no segundo gol contra o Santos foi de um adolescente que começa a ganhar espaço. Na cabeça devia reverberar: “Eu ainda posso, eu ainda posso!”. Juninho, empolgado pela volta ao Maracanã, mesmo que não seja o velho Maraca, decidiu um clássico como se no auge estivesse. Seedorf, semana passada, fez um gol que foi uma joia, contra o Grêmio, em chute reservado a poucos, raros. A qualidade é senhora, desde que o futebol é futebol é assim. Quem conhece não esquece. Ainda mais quando o físico não parece judiado, a forma segue exuberante. Nessas horas, a experiência, os conhecimentos, fazem as pernas falarem com elegância.

O fenômeno dos jogadores-vinho, que parecem melhores com a idade e não se transformam em viangre, não é exatamente uma novidade. Quem não se lembra do Evair na reta final, quando tornou-se um assistente para atacantes no Palmeiras e no Vasco? E Giovanni, no primeiro retorno ao Santos, quando fez algumas partidas de tirar o fôlego – algo que poderia faltar a velhos guerreiros. Aos 40, Romário dominava a área como poucos. Os exemplos são fartos de que no jogo de bola a idade, para quem sabe das coisas, pode ser um mero detalhe.



  • jose de araujo

    Grandes profissionais, não precisam marcar jogadores como dizem a imprensa e sim a bola.
    No futebol quem corre é a bola. Gostaria de vê-los jogando juntos como na seleção de 1970.
    Pelé, jairzinho, tostão e rivelino.

  • luiz

    Uma bobagem ,os jogadores jovens com raras excessoes sao refugos em que nao houve interesse dos clubes do exterior, que hoje levam infantis embora ,os bons nem chegam a juvenis,em resumo nosso futebol esta horrivel e perde publico assustadoramente.

  • flavio

    Essa cambada de velhos faz sucesso em campeonato frquinho igual ao brasileiro, japonês, chinês, árabe e etc… Quero ver o cara jogar em alto nível com a mesma idade nos grandes clubes da Europa. Quando o cara percebe que não tem mais condições de jogar no velho continente, ele se transfere para estas terras e fica aqui enganando neste campeonato ridículo, onde o cara que mais marcou gols nos pontos corridos chama-se pasmem PAULO BAYER. É isso mesmo que vocês leram aí. PAULO BAYER é o maior artilheiro do brasileiro da era de pontos corridos. Uma vergonha mundial. Esse cara não tem condições de ser artilheiro nem na terceira divisão da Malasia. Campeonato brasileiro = Falência Futebol Clube!! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  • Juninho? Fez uma partida e já é exemplo? Putz!

  • a questão principal não é a idade e sim a categoria,o saber jogar futebol,certa vez o paulo cesar lima sugeriu dois campeonatos um dos quem sabem jogar e outro desses que só sabem correr,foi mais ou menos isso.O jornalista luciano do valle montou um campeonato e uma seleçao só de veteranos,a audiencia foi grande pois o torcedor quer ver bom futebol.Se essa atual geração do futebol mundial,não só a nossa ,fosse a que iniciou dos anos 30,40,50 e 60 com absoluta certeza o futebol não seria o esporte mais popular do mundo.Nós os trocedores mais experientes acompanhamos o futebol muito mais pelo amor ao clube do que pelo que está sendo jogado por aí,quem frequentou as arquibancadas da vida pelo menos nas décadas 70 e 80 sabe do que estou falando.a segunda-feira era uma festa,hoje passa pelas ruas aos domingos e quase não se vê e não se ouve pessoas acompanhando o futebol,por vários motivos o público caiu muito.

  • No meu ponto de vista jogadores não deveriam parar tão cedo a não ser que tivessem problemas crônicos de contusões.
    Dizer besteiras como alguns dizem é demonstrar pura ignorância.
    Dica, Cafú, Tafarel, Serginho (lateral) Aldair e alguns outros que não me recordo, jogaram até onde quiseram e os times europeus sequer os mandam embora. Seedorf só veio para o Brasil por escolha própria senão ainda estaria jogando com qualidade no Milan.
    Brasileiro é assim, quando o profissional está no melhor de sua experiência são desprezados em qualquer ramo profissional e sequer são aproveitados para servirem de “norte” a funcionários inexperientes, quando o que mais queremos é aumentar ainda mais a expectativa de vida.
    Além destes que retornaram ultimamente por estarem cansados de Europa, quantos ainda estão em alguma parte do mundo com bom rendimento?
    Paulo Bayer só tem tudo isto por não ter saído do país e para um desinformado está entre os maiores jogadores brasileiros de todos os tempos entre os que não chegaram a um nível de seleção. Não podemos medir qualidade de jogadores com os parâmetros que utilizam em convocações casuístas para venderem “atletas” ainda em formação.
    Abra tua mente Flávio!

  • É uma pena que no futebol de campo a regra das substituições não seja igual às do futsal, onde o Falcão reina e decide até hoje jogando apenas alguns minutos.

    Daria até para o Gerson jogar uns 5 minutos decisivos. Dois lançamentos longos, deixando Neymar mano a mano com os pesados zagueiros europeus só poderia resultar nele engraxando a chuteira do velho após o gol.

  • Derci

    E na defesa como lateral tem o Léo do Santos esbanjando vigor aos 38 anos, como no quarto gol do Santos contra a Portuguesa que quase no final da partida tomou a bola do jogador adversário e deu um pique que muitos garotos não fazem

  • amarildo

    flavio,voce deve ser torcedor do fluminense e esta com inveja pq os velhinhos de la nao deram certo,eu ja penso ao contrario do que vc disse,acho que se os times europeus viessem jogar aqui na primeira divisao, acredito que seriam poucos que aguentariam a nossa pegada,basta ver o que aconteceu com a sua espanha e com chelsee contra o corinthians, vamos valorizar mais o que nosso de direito. o nosso futebol com todos os problemas nao perde pra ninguem,eu estou falando do futebal jogado no campo, fora dele e outros quinhentos…, a proposito! o paulo bayer e um belo jogador poderia jogar tranquilamente em qualquer clube do mundo.

  • João Sardinha

    Alex tem 34 anos jogou e ainda joga o fino da bola. Jogador completo sempre foi injustiçado na seleção quer pelos treinadores, quer pela mídia hipócrita que o chamava de dorminhoco e agora o chama de velhinho com apenas 34 anos. Alex com os dois pés amarrados é muito melhor que Jadson, Paulinho, Hernanes, Pato, Hulk porém, como não anda puxando o saco da mídia, participando do Bem Amigos, puxando o saco do Milton Neves, do Neto, participando de eventos e baladas além de não participar de negociatas nunca é lembrado. Alex seria um jogador estratégico fundamental para Felipão usar na seleção, no entanto, depois do que Parreira falou outro dia que ele só joga porque aqui o futebol não exige tanto como o europeu é de se esperar que ele mais uma vez não será lembrado.
    Parreira prefere como ele falou, jogadores como Luiz Gustavo, Dunga, Mauro Silva a cara do futebol deformado do Brasil.

  • João Pedro

    Essa discussão de jogador velho e novo faz lembrar da seleção de 70 que até chegar a Copa foi contestada pois o jogadores eram velhos. E deu no que deu, até o hoje é reverenciada. Até o grande Guardiola cita inúmeras vezes esse time de velhos. E dizer que jogadores na idade de Seedorf e outros, não aguentam o poder de marcação do futebol dito como moderno é uma babaquice. Jogadores como Pirlo, Xavi jogam na Europa e já tem seus 34 anos, e vamos lembrar do melhor jogador que eu vi jogar: Zidane, com seus 34 ou 36 anos, jogando o fino da bola em uma Copa do Mundo.

    Salve os jogadores-vinhos! E ao toque de classe…

  • e tanta besteira q alguns manes falam q fica dificil comentar algo q eles entendao .se o alex sidorf ze roberto .nao tem poder de marcaçao,q importa , e quem consegue marca. los,Parreira nunca foi grande treinador so um sortudo com bons jogadores , ea dor dele e porque teve um grande elenco em 2006 e nao fez nada perdeu pro Zidane de 35 anos ,eum velho gaga qual seu mentor ZA Galo eu queria o Alex e mais um destes velhos no verdao !!!!!!

  • Os velhinhos estão fazendo sucesso, mas esqueceram de lembrar que os nossos velhinhos zaqueiros dos SANTOS, falharam e o velhinho Alex , fez a festa. Acho eu que vcs tem o rabo preso com vcs , por isso o velhinhos estão fazendo sucesso..Dracena e Durval já eram..os garotos tenho certeza não deixariam os velhinhos deitarem e rolarem, como fizeram..

  • Milton Silva

    Eu não acho e sim tenho certeza absoluta, que o futebol já deveria mudar esta mentalidade doentia e ultrapassada de que um jogador aos 30 anos já é velho e já deve pensar em parar, nada disto, a partir daí é que deveriam valorizá-lo e aproveitar seu conhecimento, sua categoria, qualidade, técnica e principalmente suas experiências, que adquiriu dentro e fora das quatro linhas. Como exemplo, cito alguns jogadores que atuam hoje e são ídolos em seus clubes e todos os brasileiros que gostam do futebol espetáculo: Rogério Ceni-40, Dida-39, Zé Roberto-39, Juninho Pernanbucano-38, Paulo Bauer-38, Marcelinho Paraíba-37, Seedorf-37, Fabão-36, Iranildo-36, Alex do coritiba-35, felipe do fluminense-35, Araújo-35, Forlán-34, Léo Moura-34, Souza-34, e muito mais por estes estádios do Brasil que é Penta-Campeão Mundial. Assim sendo, quero resumir e dizer ao Felipão que ele deve acordar, pensar e convocar pelo futebol e não pela idade, porque cheguei apenas em alguns até 34 anos e tem muitos abaixo desta idade que também estam arrebentando e merecem ser lembrados, pois a Idade da Pedra já acabou e já faz muito tempo, e vamos mostrar ao mundo que sabemos valorizar o futebol arte…

MaisRecentes

Neymar, entre a guilhotina e ‘la vie en rose’



Continue Lendo

Do ‘gênesis ao apocalipse’, Felipe Melo tropeça no verbo



Continue Lendo

Um Dérbi sob o signo da invencibilidade



Continue Lendo