E a Comnembol expões suas veias abertas na América



As veias da América Latina dilatam-se mais sob a tutela da Conmebol. Elas quase deixam o sangue vazar, em hemorragia difícil de estancar. Veias abertas da América… Pego emprestado o clássico título da obra do uruguaio Eduardo Galeano tal a expressividade que ela dá. O subcontinente tem um futebol classe A e uma organização classe Z. Contemplamos os dois extremos do alfabeto. Não é apropriado dizer que é varzeana porque na várzea há muito mais planejamento e bom senso. Seria uma ofensa. Até outro dia, o sorteio da Copa Libertadores, a vitrine máxima da entidade, era feito sem a definição de uma porção de times. Tínhamos então o nome do país seguido de um número, um troço ridículo, uma incapacidade medonha de fazer-se um produto decente.

Vejam vocês que nesta quarta-feira a entidade máxima do futebol de nossas plagas coloca duas decisões de torneios seus ali, juntinhas, competindo entre si. De fazer inveja a qualquer canibal. Autodevorar-se é preciso! Soy loco por ti, América! É difícil entender a falta de paixão dessa gente pelo jogo dos jogos. Estão interessados em suas relações paroquiais, suas regalias, vitalices e coisas do gênero. Apenas a ameaça de um dossiê da Fifa fez um cartola que se insinuava eterno abandonar o barco.

O que dizer de um torneio tão importante que para e deixa as semifinais em suspenso, a esperar outras competições, como Copa América ou Copa das Confederações, pra depois voltar? Como permitir que clubes planejem-se nesses moldes? Agora vem a questão do pleito do Atlético pra mandar o jogo no Independência. Pegou carona nos precedentes e maquiagens. Não dá para recriminar dado o histórico e as frestas sempre abertas das tais veias. Nos acostumamos por demais aos conchavos e aos populismos. Parece que gostamos de vestir a carapuça do subdesenvolvimento. Faz-se um regulamento e depois tenta-se costurar uma politicagem. E faz-se um regulamento difícil mesmo de cumprir, tendo em vista que muitas cidades pelo continente não abrigam praças esportivas populosas. O Defensores del Chaco, que guarda, como nossa história, o nome das sanguinolentas batalhas pela libertação – olha a inspiração do torneio! -, só passa na régua do mínimo de 40 mil por um esforço malandro, espremendo a fórceps. Dizem (por que duvidar?) que essa determinação mínima de espectadores é para poder comportar os zilhões de convidados da Conmebol. Estamos muito mais fincados à política que à bola, esse é o câncer em metástase por aqui. Na hora do filé, devem entrar os camaradas, camarilheiros e carcamanos.

Como cantou Caetano, “el nombre del hombre es pueblo”. E esse “pueblo” nunca tem vez porque o privilégio é para as costuras. San Martin e Simon Bolivar foram os libertadores e estão pessimamente representados pela gestão da Conmebol, que prende mais que solta. O Galo, forte e vingador, caminha para um título que seria dos sonhos e cheio de mérito. Mas a Conmebol palmilha a largos passos para entrar no Guiness Book do caos.



  • Surpreendentemente sincero, absolutamente correto! Ótima publicação!

  • Armando Lima

    O estádio Defensores del Chaco foi o palco de pedradas, se não me engano em 97 (Cruzeiro x Cerro Porteño) e em Muricy quando o Internacional lá jogou. Segurança ? Conforto? Que nada! Jeitinho malandro e abominável. Nem sou a favor do Galo jogar na confortável e moderníssima Arena Independência, mas sim que se estabeleça de vez por todas o que pode e o que não pode. O Olímpia teve a cara de pau de reservar apenas 1685 ingressos para os visitantes alegando que foi um pedido da polícia local. Motivo de “segurança”. Os valores cobrados aos torcedores do Galo foi muito superior ao permitido. Imposto pela polícia local por motivo de “segurança”! Os jogadores do Galo só poderiam treinar no local do jogo com chuteiras sem trava (socyte). “Para não estragar o gramado”. E a Conmebol ? Finge que nada vê, nada sabe… Ou seja, assume descaradamente que é 3o. mundo, sem organização. Arcaica e letárgica! Nada ajuda e muito atrapalha ! E a CBF absolutamente um zero a esquerda para a entidade máxima do futebol Sul americano! Um show de mediocridade em todos os aspectos !!!

  • dorivall

    Parabéns Valdomiro Neto li o livro do Eduardo Galeno e a comparação foi magistral, sou técnico de futebol e o que eu sei não existe ninguém no planeta que sabe, mas como não fui ex-jogador e ninguém me conhece vou levar para o tumulo o que eu sei, que seria uma revolução onde quer que fosse implantada.
    As estruturas podres destas instituições odeiam o novo, a criatividade, a invenção ou o moderno, novas tecnologias não fazem parte destas instituições corroídas pela corrupção, compadrio, conchavos, vendas de cargos e outras mazelas.
    Precisamos de mais gente que queira mudar, modernizar, institucionalizar a ética os bons costumes só assim será possível alguém como eu mostrar como é possivel reestruturar este esporte trazendo de volta o que de melhor foi feito por jogadores que o faziam sem saber como reproduzir estas magias e elas são tão fáceis de serem reproduzidas que assusta os abestados e ignorantes manda chuva.

  • Diego Carvalho

    Falou tudo. Uma vergonha a CBF, que administra o futebol do país mais “rico” do continente, que nos últimos anos sempre teve um dos finalistas da Libertadores, aceitar algumas ações da Commebol. Uma vergonha proibir final com dois times do mesmo país, essa regra do estádio tbm é sem cabimento. Mas a CBF não esta tão atrás assim da Commebol então não pode falar muito. A Libertadores tem tudo pra competir em importância e tamanho com a UCL só que a UEFA sabe organizar os seus torneios, diferente do lado de cá…

  • José

    Falou tudo. Aí quando vemos a Recopa da Europa, com todo aquele simbolismo fantástico: bandeiras, os três troféus juntos, camisa especial; bola especifica do dia; toda uma mistica e mítica. Para valorizar o trabalhos dos atletas, os expectadores e também o nome UEFA. É de sentir inveja.

  • Nao entendo porque o CAM nao quer jogar num estadio com maior conforto para o torcedor…sera que precisa morrer alguem ??..Alem disso, o principal jogo ta dentro, no gramado, se liga…

  • joe LHP

    Além de desorganizada é uma competição deficitária pois paga menos que o campeonato paulista, sem falar em arbitragens safadas que sempre prejudicam os brasileiros, a cbf sempre foi omissa e abandonou os clubes não é a toa que durante anos a copa libertadores foi relegada a segundo plano pelas equipes brasileiras no passado por isso os clubes argentinos e uruguaios tem mais titulos que as do Brasil.

MaisRecentes

Um Dérbi sob o signo da invencibilidade



Continue Lendo

Ceni e Mancini, vítimas de cartolas inconvictos



Continue Lendo

Cristiano Ronaldo, uma máquina de obstinação



Continue Lendo