Um louco casamento pode pintar na Vila



A troca de ideias entre Santos e Marcelo Bielsa se estreitou. Lá vem El Loco ao Brasil conhecer a estrutura alvinegra, como relatou o sagaz repórter Bruno Cassucci. Já não soa lunático que o argentino, com cara e estilo ensandecidos, assuma o comando do Peixe. E seria, digamos, um casamento de queijo com goiabada, o famoso Romeu e Juliete. Quem comeu sabe a simbiose gustativa. A velha filosofia santista de apostar no novo, nos pratas da casa, nas crias de suas costelas, seria tratada como loucura, não fosse o lastro histórico de bons resultados. As grandes eras santistas foram construídas com a meninada, já estamos fartos de saber. Assim como um Dom Quixote moderno, Bielsa ganhou o apelido de louco (loco, no espanhol castiço) porque não é convencional. Gosta do experimento. Acocorado na lateral do campo, sua imagem clássica, observa o futebol com olhos próprios. Cria conceitos, assiste muito, inventa, reinventa e gosta de desafios.

Após a vitória sobre o Atlético-MG, que acabou com a virgindade santista no Brasileirão, o interino Claudinei sapecou algo interessante: “Bielsa irá se encantar quando conhecer a estrutura do Santos!”. Pois se Marcelo, idolatrado por torcedores tão distintos quantos os “leprosos” do Newell’s Old Boys, os chilenos em geral e os bascos do Athletic, vir de onde saem as joias praianas é mesmo capaz de ficar com olhos rútilos. Já sabe que é o clube de Pelé, Robinho, Neymar… O pedigree já está cantado pelas décadas. Se quer novos moinhos de vento para enfrentar, como o Cavaleiro de Triste Figura de La Mancha, nos escritos de Cervantes, tem o patio ideal. Assim como Quixote, sua lingua é de castela. Lingua que falava o zagueiro Ramos Delgado, um dos grandes defensores da história santista – também argentino.

Loucos pela base e Loco pelo desafio seria uma conjugação para dar liga. O Santos, além disso, ajudaria o futebol brasileiro a ganhar em conceitos, em arejamento, em novas ideias. Estou na torcida sincera. Teríamos ganhos, uma enorme novidade e um personagem atraente para nosso dia a dia da bola. Um maluco beleza fecundo em um clube de fecundidade no nascedouro.



MaisRecentes

Recortes do precário futebol brasileiro



Continue Lendo

Rica em talentos, França rompe com paradigma recente



Continue Lendo

Espanha morre abraçada ao ‘tiquitaca’ odiado por Guardiola



Continue Lendo