De clichê em clichê o Brasileirão enche o papo



Todo jogo é decisão! Eis o clichê mais cultuado do Brasileirão por pontos corridos, o campeonato mais “clichezento” que se tem notícia. Sendo assim, na primeira das 38 rodadas tivemos dez parrudas decisões. Mas o público só encampou em parte a ideia, como sempre acontece. Torcedor não é um sujeito pragmático e não enxerga a rodada do debute como a desquite. No fim, nos trabalhos que encerram, a emoção dele bate mais forte. Quando vê seu time perto do título ou às vias de cair ele resolveu dar as caras com mais frequência. Mas vamos que vamos, pois a oração é de que três pontos valem hoje, domingo que vem, em agosto ou dezembro. E assim o São Paulo foi o campeão da jornada inaugural. Foi o único time a pintar um triplo quadradinho atuando fora de casa. É o campeão, digamos, moral do fim de semana. Lúcio e Jadson construíram a bonança. Como dizem, essa vitória, preciosa, pode fazer a diferença lá na frente. Os chavões, seja como for, muitas vezes são verdadeiros, embora soem figuras de superfície.

Assim a Macaca, por lógica, foi a derrotada-mor. Não foi quem tomou o maior dos sabugos. O Goiás “celebrou” seu retorno à elite tomou impiedosos 5 a 0 do Cruzeiro. Vejam só, a Raposa, melhor saldo de gols, líder, porém não a campeã da primeira rodada. Como disse, o campeão foi o São Paulo. Todo jogo é decisão, amigo! Goiás e Ponte, assim, ficam no vale das lágrimas. Cruzeiro e São Paulo iniciam como timoneiros. Houve, sim, um choque lusitano logo de cara. Choque de duas desconfianças que nada tem a ver com Pero Vaz Caminha ou Dom João VI. O time cruz-maltino vive tempos estruturais precários. A Lusa, que obteve o retorno à Primeira Divisão paulista reestreou nas alturas nacionais insegura. Assim, na decisão dos temores o Vasco levou melhor.

O Internacional teve o chamado empate com sabor de vitória. Mais uma das pérolas da nossa prosa futebolística. Perdia por 2 a 0 para o Vitória em Salvador e foi buscar a igualdade. Além do placar com o gosto da alegria sabe que ele foi fora dos seus domínios. Ou seja, celebrou o clichê do pontinho precioso em ambiente alheio.

O Coxa começou pleno de moral. Venceu a decisão contra o Galo, o time brasileiro mais festejado do momento, favorito ao título da Libertadores. Assim sendo, que resultado decisivo para o Coritiba. O Flu, outro sobrevivente brasileiro, ao menos até esta semana, no torneio continental, venceu na marra o Atlético-PR. Fez a obrigação do mando. Vencer em casa, reza a cartilha, é vital para as pretensões, é o ABC da estrada bem pavimentada. Mesmo que saibamos que na longa trajetória triunfos fora possam redimir os fiascos em propriedade privada.

Criciúma e Grêmio fizeram a lição de casa (expressão-metáfora bem clássica do dicionário dos bordões). Bons meninos os sulistas. Pior para Bahia e Náutico, nordestinos que voltaram para a parte superior do mapa como desceram, sem pontos. O Botafogo, no Pacaembu, abiscoitou um pontinho do Corinthians. Tropeço para Tite. Vá lá que os instruidos matemáticos assinalem: vale mais vencer um jogo e perde dois a empatar três. O raciocínio é bom, mas como trata-se de profecia, se o Timão perder os dois próximos não haverá esse raciocínio e será melhor ter um pontinho a zero. Ah, tudo é relativo desde Einstein. O mesmo vale para o Flamengo, que também sugou um ponto no jogo de visitante mais mandante de todos os tempos. No papel, o Peixe era o mandante. Mas na prática, com o jogo negociado pela diretoria alvinegra e repassada para Brasilia, a torcida rubro-negra abarrotou o estádio Mané Garrincha. Assim, o time se deu bem ou mal? Criou-se um conflito no campo dos rótulos.

Na segunda rodada os clichês voltaram. Eles são fieis, jamais arredam pé, e mostrarão que, assim como no último fim de semana, cada jogo valerá três pontos, vencer em casa é fundamental e que há empates com paladar de vitória.



  • O Coritiba venceu o Galo com ronaldinho gaúcho? Acho que não, hein? Seria bom verificar as escalações antes de escrever para fundamentar os comentários. O Galo estava sem 6 titulares: marcos Rocha, Gilberto Silva, richarlyson, Leandro Donizete, ronaldinho e Jô.

  • renato

    Bem legal o texto ! o futebol hoje tem mais clichês do que craques.

  • Cleibsom Carlos

    Independente do baixo nível técnico da 1ª rodada do Campeonato Brasileiro, em campeonatos de pontos corridos os 3 pontos são os mesmos seja no começo ou no fim do campeonato e independem do adversário. Não entendi a ironia do articulista sobre um fato que me parece lógico e evidente.

  • O Analista

    Boa tarde…

    Realmente o futebol está repleto de clichês e frases feitas… tentei buscar mais alguns:
    – perdemos, mas foi de bola parada;
    – esse é um jogo de seis pontos;
    – o time XXXXXX tem tudo para escapar da zona do rebaixamento (comentarista, sem informar qual o time que entraria na referida zona…);
    – o time XXXXXX tem tudo para chegar no G-4 da Libertadores (comentarista, sem explicar qual o time que deixará de integrar o referido G-4);
    – o amarelo ficou barato!
    – o técnico trocou seis por meia-dúzia;

    E temos ainda, as chatices irritantes das transmissões de futebol pela TV. Eis algumas:
    – Junior, quem faz mais falta ao time, o Montillo ao Santos ou o Carlos Alberto ao Vasco?
    – jogando em SP, o Bahia nunca venceu. Perdeu 19 e empatou 3.
    – jogador que deixa o campo correu 8,2 km;
    – e o juizão olhou e falou: seeeeegue o jogo!
    – olha a bolinhaaaaa… tem gol no campeonato brasileiro.
    – e agora, é hora do baú. Em 1979, o Inter de Falcão venceu o Vasco de Leão…
    – vamos ao hino nacional do Brasil, e na sequencia teremos um minuto de silêncio…
    – nosso tira-teima mostra que na hora do lançamento, o atacante está na mesmal linha…
    – Não saia daí… já, já teremos o show do intervalo com a opinião de Casagrande…


  • Aderbal

    Texto chato e sofrível, de um jornalista discursando sobre matemática

  • Neil Azevedo

    pode até parecer clichê… mas é a mais pura verdade…
    e quanto a torcida se inflamar na parte final isso é cultural.. passamos décadas sobre o mata-mata.. onde só vale algo após o longo e chato campeonato.
    Apoio totalmente esse sistema… e a torcida que chora a perda de algo por 1 ponto no final deveria saber que este foi deixado de lado nestas rodadas.

MaisRecentes

Cristiano Ronaldo, uma máquina de obstinação



Continue Lendo

As lições do ‘aspirante’ Carille no senso comum



Continue Lendo

Luxa vive um longo crepúsculo dos deuses



Continue Lendo