Em busca da temperatura ideal



É clássico o temperamento bipolar brasileiro quando o assunto é Seleção. O inconsciente coletivo verde-amarelo vai do mais profundo ceticismo com o “scratch” até a euforia desmedida, a depender dos resultados. Ou somos um punhado de entulho ou a quintessência com a bola nos pés. Ou os melhores, ou os piores. Não há meio termo! Somos a reprodução da ira de Deus no livro do Apocalipse: frio ou quente, pois “morno vomitar-te-ei da minha boca”. Na semana passada, essa oscilação de humor foi tão súbita que merecia internação em massa para que nossa sanidade pátria ainda tenha alguma salvação.

Após vitórias contra Dinamarca e Estados Unidos, duas equipes medianas, o time de Mano Menezes foi colocado nas alturas. O bordão galvanista (tanto no que tange ao narrador da Globo quanto ao verbo galvanizar, dando força à musculatura por meio de impulsos elétricos) entrava em ação: “Este é o futebol brasileiro”. Quatro dias depois, uma derrota para o México, algo comum nos últimos anos, fez a brasilidade murchar. Parecia a Quarta-feira de Cinzas da nossa bola. O luto com condolescências. O time dos toques envolventes de Oscar, Neymar e Damião era ilusão! Cinco títulos mundiais não bastaram para enterrar nosso rodrigueano “complexo de vira-latas”. Ele fica ali, hibernando, à espera de um mau dia dos nossos jogadores para mostrar sua cara. E, de repente, nem mesmo Neymar presta!

O potencial dessa atual geração de jogadores é inegável. A medida sábia é colocar na balança para o espírito entrar nos eixos. Dois jogos bons menos um jogo ruim e temos um saldo positivo. A atual equipe ainda não está no estágio de Alemanha, Espanha e Holanda, as três seleções mais prontas do futebol mundial. E nem no patamar dos mequetrefes. Estamos mornos em busca da efervescência para 2014.



  • Enquanto não conseguirmos achar um equilíbrio entre o “8 e 80” com relação à nossa Seleção, continuaremos quebrando a cara presenciando resultados fracos, futebol limitado e críticas muitas vezes beirando à cegueira. Em tempos de renovação da equipe, não podemos continuar com esse pensamento que já demonstrou ser antiquado e que não contribui em nada.

    Saudações do Tricolor Paulista.

MaisRecentes

Cristiano Ronaldo, uma máquina de obstinação



Continue Lendo

As lições do ‘aspirante’ Carille no senso comum



Continue Lendo

Luxa vive um longo crepúsculo dos deuses



Continue Lendo