Santos, cem anos de um destino manifesto



Ao longo desses cem primeiros anos de existência, o Santos foi sempre um tenaz herói da resistência no futebol brasileiro. Alojado em uma cidade de médio porte, subverteu a lógica metropolitana que domina a pelota nacional. Dos chamados grandes, é o único a situar-se fora de uma capital. E desse seu microcosmos abraçou o cosmos. Foi e segue sendo um expoente da máxima de Jean Cocteau: “Não sabendo que era impossível, ele foi lá e fez”. E refez, e refez, e refez… E certamente refará eternamente, pois está provado ser essa sua vocação.

O Santos reúne fama e fortuna, a riqueza de uma nação alvinegra. Havia alguma magia escondida naquele dia 14 de abril de 1912. Magia que exerceria sua força com o passar dos anos. Não à toa um dos primeiros ídolos foi Feitiço. Menos à toa ainda um menino destinado a rei na Vila aportou e na Vila reinou, auxiliado por gente da categoria de Pepe, Coutinho, Dorval, Pagão e Carlos Alberto Torres. E depois, três gerações de meninos cultivados no fértil solo santista a manter o mito altivo, com Pita, Juary, Diego, Robinho, Ganso e Neymar na linha de frente.

Os santistas são ciosos de sua história. Quem não seria diante de obra tão olímpica? Ao palmilhar os cantos do Memorial das Conquistas, eles sentem o orgulho de quem fez pelo futebol brasileiro mais do que deveria e suspeitaria. E, de quebra, têm a presunção da prática do futebol-arte. Com ele estão habituados, sem ele não sabem viver.

Os doídos 18 anos de jejum de títulos importantes apenas serviram para reafinar o timbre santista. Quando tentou escapar de suas origens, buscando fora de suas entranhas as respostas, tombou. Enfim, quando voltou a olhar para seu próprio ventre, reencontrou a tal magia. Coincindência ou não, a chama reacendeu exatamente na década que precedeu o centenário. É o destino manifesto alvinegro!



MaisRecentes

Recortes do precário futebol brasileiro



Continue Lendo

Rica em talentos, França rompe com paradigma recente



Continue Lendo

Espanha morre abraçada ao ‘tiquitaca’ odiado por Guardiola



Continue Lendo