O melancólico roteiro de um tal de Elano



Elano fez um dia parte de história das mais comoventes. Ao lado de pródigos garotos da costela santista, o trio Alex, Diego e Robinho, e do guerreiro Léo, encerrou amargos 18 anos de jejum de títulos na morada alvinegra. Conquistou o coração do torcedor por ser ator importante naquela fase. Ter voltado ao clube, no início do ano passado, fez, por isso mesmo, os corações da Baixada galoparem de emoção. E agora temos esse tédio todo! Do amor cheio de hormônios se fez um broxar absoluto, um cheiro de fim de feira. A cabeça baixa, o futebol sem cor, sem vibração, são melancólicos. E o apego parece estar acabando.

É triste ver o que temos visto. Elano inexiste no time do Santos. Depois de um início de muita volúpia, no Paulistão do ano passado, quando crítica e público o exaltavam, sua crista foi baixando, baixando, baixando… A queda foi, por um tempo, associada a uma frustração amorosa com uma famosa e bela atriz. No linguajar popular era o chute na bunda a produzir uma enorme fossa. Perdoável, convenhamos! Quem nunca sofreu por amor e viu seu ofício sofrer as consequências? Não somos máquinas, somos almas abraçadas por desejos. Mas as dores tendem a cicatrizar e até transformarem-se em injeções de novas vontade. O ego amassado pelo abandono traz a sanha de mostrar-se maior, de reconquistar razões para sorrir. Mas isso não aconteceu. Elano seguiu com atuações tímidas, muito distantes das promessas que sua recente campanha com a Seleção Brasileira dunguista havia vendido.

Os meses finais de 2011 fecharam as cortinas de um ano péssimo. Contradição aparente, já que fora o tempo da conquista da Libertadores após quase 50 anos. Mas a paciência da torcida com Elano fora para o espaço. Só que a memória afaga a esperança desde que o samba é samba. 2012 traria a boa nova, o ressurgimento do bom futebol. E no primeiro ato a água tirou o gosto do chope e a apatia ressurgiu num gesto estranho. Ainda no primeiro tempo, fez o sinal pedindo substituição. Fosse uma lesão e seria normal. Mas não, foi simples pedido. Muricy Ramalho não gostou e agora sabemos que há ranço das decisões passadas do comandante de meter-lhe no banco de reservas.

O ambiente azedou e temos então o avesso do que se prometia. Bem sabemos que duvidar não costuma ser bom negócio nessa vida de incertezas. Mas é difícil ver sinal de reviravolta. A culpa disso está no rosto de Elano, nos esgares de insatisfação. Ele parece não querer, parece estar desconfortável. A cada má atuação alimenta a impaciência da arquibancada. Por isso o presidente santista deve ter afirmado que não se oporá caso ele queira deixar o clube. Notou que diante do incômodo do velho ídolo está a oportunidade de economizar uma boa grana (cartolas tem seus pragmatismos). Mas se há um ano fossemos arriscar um roteiro para essa história, ele seria certamente muito menos aborrecido. E sempre sopra o velho senhor da coisa feita: se era para ser assim, que não tivesse voltado!



MaisRecentes

Rica em talentos, França rompe com paradigma recente



Continue Lendo

Espanha morre abraçada ao ‘tiquitaca’ odiado por Guardiola



Continue Lendo

Em cartaz na Rússia: ‘El secreto de sus Rojos’



Continue Lendo