O que quer o torcedor?



Afinal, o que quer o torcedor? O torcedor tradicional, antes de tudo, quer ver gente com brios vestindo a camisa do seu time. É básico no circuito da paixão, o mandamento número um de quem senta-se na arquibancada: exigir sangue, suor e lágrimas daquela gente que se movimenta no gramado. O sujeito que veste o “manto sagrado” tem que honrar o que armazena décadas de história e dedicação. Tem que comer grama! A imagem do jogador com a camisa conspurcada pela lama e às vezes com gotas de sangue escorridas após uma dividida mais forte é reverenciada, seja nos chamados clubes grandes, seja na divisão mais recôndita do mais escanteado estadual por aí. A bicuda para a lateral é seguida por urros selvagens. Os gestos, a correria, a vibração de lutador acumulam pontos, mesmo que possam ter, por parte de alguns, porções de teatro (a vida é, no cômputo geral, uma enorme peça teatral). A postura tem um valor elevado para o apaixonado da bola. O pensamento é claro: ao mostrar empenho pelo meu time, o cara enaltece minha paixão, engrandece o valor do meu clube do coração. Evidente! Ele torna-se um aliado na valorização do que se ama. Aliado, como diz o termo, é quem está junto, unido em uma meta só, lado a lado.

Ao chorar copiosamente na sua apresentação ao Flamengo, Vagner Love cumpre à risca essa cartilha de alinhamento. Ainda mais porque o faz de forma espontânea e traz consigo as recordações de uma primeira passagem notória pelo clube. É a antítese do que por exemplo fez Kleber no Palmeiras. Agora no Grêmio, fez, em palavras, tudo que um gladiador não faria: assumiu que fugiu do pau no final da sua confusa passagem pelo time paulista. Bravas figuras do antigo império romano, Gladiadores, ao que consta, não fugiam do pau. O atacante, pois, admitiu que faltava-lhe vontade de estar ali naquele momento de turbulência. Sejam quais forem os motivos de tal anemia, o fato é que sua confissão é um pecado mortal na bíblia do torcedor. O raciocínio da massa pergunta: se estava desanimado por que não deixava de entrar em campo. Envergar a camisa do Verdão nessas condições foi lesivo à paixão. Enquanto o torcedor alentava o time, então, havia lá um atleta nadando contra a corrente, dando de ombros para as expectativas de quem senta a bunda no cimento.

Ganso é outro que vem, a seu modo, mexendo nesse vespeiro emocional. Não diz, como Kleber, que joga sem entusiasmo, mas age como se o fizesse. E como nunca se manifesta claramente sobre sua situação, alimenta a sensação de descompromisso. Isso mina o apego do torcedor, a ponto de alguns pedirem até mesmo cabeça, mesmo com todo o talento que tem. A paciência dos apaixonados é curta, bem sabemos. Ela pode até ganhar fôlego com bons resultados e jogadas, mas em um pequeno mau momento irá se expressar com a memória dos fatos ruins anteriores.

Por fim, temos o exemplo de Montillo. O Corinthians oferece condições financeiras melhores para o argentino. Natural que ele pense na tal “saúde financeira própria”. Mas a leitura dos cruzeirenses é a leitura natural do apaixonado, remetendo ao citado mandamento central: está então se lascando para quem o afagou tanto tempo! O livreto das arquibancadas não fará análises aprofundadas e contextualizadas para redimir o meia. Ninguém gritará: “Montillo, vai lá ganhar mais, nós seguiremos te amando em Minas Gerais”. Seria coração vagabundo fazer isso, o que não combina com gente que torce. Para entender basta responder á pergunta inicial: O que quer o torcedor neste caso? Qier, sem meias palavras, que o rapaz aceite ganhar menos para permanecer no Cruzeiro. Assim estará cavando um espaço definitivo nos corações celestes. Do contrário, será classificado de mercenário pelos antigos adoradores.



MaisRecentes

Recortes do precário futebol brasileiro



Continue Lendo

Rica em talentos, França rompe com paradigma recente



Continue Lendo

Espanha morre abraçada ao ‘tiquitaca’ odiado por Guardiola



Continue Lendo