Bottinelli escreve a história incerta por chutes tortos



O herói improvável não tem pinta de herói, é visto por todos como um coadjuvante entre vários coadjuvantes. Seu heroismo desponta por acaso, em um contexto em que não se atira uma moeda por ele. Se sua história for contada antes do ato consagrador será vista como obra de um ficcionista imaginativo, como um Lewis Carroll e sua Alice no País das Maravilhas. Perguntar-lhe-ão se o consumo lisérgico foi alto para criar tal roteiro. Quando então ele encarna o heroismo, todos ficam boquiabertos, a plateia coça os olhos, não crê e ri a gargalhada da surpresa.

Pois o futebol adora heróis improváveis e de tempos em tempos nos conta suas peripécias. Curioso que seus dias de glória não são em jogos comuns, em que poderia ser diminuida pela opacidade do jogo. Não! Elas acontece, no mais da vezes, em partidas ilustres, que roubam atenção de massas, que a TV capta nos mínimos detalhes. E aí o heroismo vira grandiloquente e é comentando exaustivamente nas ruas, padarias, botequins e outros cantos. Adriano Gabiru fez o Barcelona prostrar-se por um instante aos seus pés e de o título Mundial ao Internacional. O próprio Barça viu Belletti, um lateral que não era exatamente um protagonista, dar-lhe um título continental. Josimar, jogador modesto, fez dois golaços pelo Brasil na Copa do Mundo de 86 e esse é basicamente seu currículo até hoje. Já vimos, portanto, muitos herois improváveis por aí.

E neste domingo, o Engenhão viu mais uma demonstração de que os deuses da bola adoram transformar figurantes em reis. Bottinelli, um argentino que circulava ali comum, mais um, a esquentar o banco do Flamengo fez o Fla-Flu, clássico que, nas palavras de Nelson Rodrigues, começou 40 minutosantes do nada, ter um novo capítulo. E foi justamente depois de 40 minutos, 40 minutos em que tudo parecia poder acontecer, menos uma virada rubro-negra. Mas de Bottinelli sairiam duas botinadas a redesenhar a história. Dois chutes improváveis de um herói improvável. Dois chutes com curvas improváveis, com destinos improváveis. Diz a sabedoria popular que Deus escreve certo por linhas tortas. Pois Bottinelli chutou torto por curvas certas.De repente, de onde nada se esperava tudo se fez. Poderia ter sido num Flamengo x Olaria ou em um amistoso de fim de ano. Mas não, o milagre se fez num Fla-Flu, o clássico mais bem apelidado entre todos.

Pode ser que Bottinelli nunca mais brilhe. Os cáusticos dizem que isso, aliás, é o mais provável. Mas assim como Cocada fez o Maracanã tremer e os fatos terem outra trajetória no Maracaná para depois sair da história, o argentino já teve seu dia dourado no jogo de bola. Ele não esquecerá! A torcida não esquecerá! A mídia não esquecerá! Coadjuvante ele nunca mais será. Nos bate-papos de memória o jogo estará sempre presente, em meio a cervejas que gelam. Nos programas que remexem com o que passou as imagens lá estarão. Às vésperas de novos Fla-Flus, com mais 90 minutos depois do tudo, lá estará a lembrança do feito. O herói improvável não tem rumo de craque, mas desconhece o anonimato.



  • Nathalia

    Deliciosa crônica sobre um jogo magico do meu inesperado Flamengo.

  • chibungo

    Barcelona x Real Madrid? PSG x Lyon? Boca x River? Manchester x Chelsea, nenhum desses. Maior que um fla-flu só o dia que tiver Terra x Marte, o resto pode ser preliminar.

  • Josh

    Quando li o título, pensei:”lá vem bobagem por aí”, pensei que fosse mais um post de blogueiros anti-fla que tem por aí, mas gostei do texto. Parabéns!!

  • Paulo Cunha

    O texto seria perfeito não fosse pelo equívoco em “40 minutos em que tudo parecia poder acontecer, menos uma virada tricolor.”

  • Rubro-Negro

    Ótima crônica sobre este último Fla-Flu, Valdomiro. Escrever o nome na história deste clássico não é para qualquer um, pena não ter sido numa final de campeonato para ficar ainda mais emblemático. Verdade seja dita, o Bottinelli é um bom jogador, apenas não teve uma boa seqüência no elenco rubro-negro. Ele é muuuito melhor que o Renato Abreu, por exemplo. Agora, comparar ele com o Cocada e com o Josimar é sacanagem com o cara, hehehehe.

  • Joseleno

    Parabéns pela crônica.

  • alessandro

    soh pra saber ele jah bateu falta alguma vez? Num time que tem ronaldinho, renato e thiago é dificil que os mesmos deixem ele bater a falta?

  • Thiago

    Bottinelli Sentiu o espirito de um Fla Flu, e felizmente ele estava do lado da maior torcida do Brasil !

  • Van

    O Botinelli é um bom jogador, o problema é que não tem sequencia e , por isso, não vinha mostrando o seu futebol. Agora só duas perguntinhas: Alguém consegue lembrar uma grande atuação de Fierro? Alguém sabe a real posição de Fierro?

  • Lucas P9

    Como sempre, uma crônica sensacional, Valdomiro. De fato, o Botinelli já tem o nome dele gravado em um dos grandes clássicos do futebol mundial. Do nada, de um simples reserva virou protagonista… por isso o futebol é delicioso.

  • charles fla

    Mais um jornalista paulista querendo desmerecer um baita jogador do RJ,, Botineli é um grande jogador, melhor qui os defedericos e cachitos da vida qui vcs idolatram,,, o boti só nao teve muitas oportunidades por termos R10 e thiago neves… primeiro assista o cara jogar pra depois falar alguma coisa… bairrista…

  • bottinelli

    eu sempre acreditei no el pollo bottinelli mas pelo nome de thiago neves ele nao e titular no flamengo tomara que thiago neves va embora do flamengo e que bottinelli fique porque senao todos nos flamenguitas doentes de amor pelo mengao vamos perde um grande jogador e pessoa chamada dario bottinelli

MaisRecentes

Guttman, uma bela e vitoriosa trajetória



Continue Lendo

Palmeiras x São Paulo: rivais contra o vexame



Continue Lendo

Neymar, entre a guilhotina e ‘la vie en rose’



Continue Lendo