Era (quase) uma vez um tempo divertido



Túlio sempre foi um xavequeiro. Não me refiro à sua abordagem com as mulheres, pois desconheço sua atuação nos ouvidos das fêmeas, mas à sua capacidade de vender peixes maiores do que eles realmente são. É uma espécie de Dadá Maravilha mais articulado, a torcer e retorcer adjetivos para nos convencer de quão sua estrela esmerilha a cada gol. O verbo vai no presente porque, embora tenha 42 anos, idade anciã para um atleta da bola, segue jogando futebol profissional. E sua carreira arrasta-se em campo para servir a uma obstinação, com a qual, confesso, simpatizo: chegar a mil gols na carreira. Conta de sua intimidade, bem particular, mas que com a tal lábia tenta tornar pública. E quem já se acostumou com seu humor sabe que ele quer é fazer “auê”, sem importar-se com oficialismos de escritório.

No quinto tempo da prorrogação, Túlio, que começou a jogar profissionalmente em 87, quando o Brasil ainda nem tinha retomado eleições diretas para presidente, assinou contrato com o Bonsucesso, do Rio de Janeiro, a fim de dar oxigênio à sua folclórica meta. E na apresentação já desfilou sua prosa política e auto-confiante: “Sou um cara vencedor, venho pra um clube vencedor e almejo grandes sonhos.”
Faça-se justiça: Túlio foi, no auge, um bom atacante, dominando cada centímetro das grandes e pequenas áreas. Não à toa, conduziu o Botafogo ao título brasileiro em 95 e chegou a defender a Seleção Brasileira.

Mas neste momento em que o futebol vive sob as rédeas danosas do politicamente correto, importa mais exaltar sua comicidade. Vemos filas de jogadores enquadrados como soldadinhos de chumbo a despejar recordes de frases feitas por minuto. Foi-se o tempo em que jogadores incendiavam jogos com humor. Agora, o máximo que fazem é disputar partidas de videogame em programas matinais.



MaisRecentes

Rica em talentos, França rompe com paradigma recente



Continue Lendo

Espanha morre abraçada ao ‘tiquitaca’ odiado por Guardiola



Continue Lendo

Em cartaz na Rússia: ‘El secreto de sus Rojos’



Continue Lendo