Era (quase) uma vez um tempo divertido



Túlio sempre foi um xavequeiro. Não me refiro à sua abordagem com as mulheres, pois desconheço sua atuação nos ouvidos das fêmeas, mas à sua capacidade de vender peixes maiores do que eles realmente são. É uma espécie de Dadá Maravilha mais articulado, a torcer e retorcer adjetivos para nos convencer de quão sua estrela esmerilha a cada gol. O verbo vai no presente porque, embora tenha 42 anos, idade anciã para um atleta da bola, segue jogando futebol profissional. E sua carreira arrasta-se em campo para servir a uma obstinação, com a qual, confesso, simpatizo: chegar a mil gols na carreira. Conta de sua intimidade, bem particular, mas que com a tal lábia tenta tornar pública. E quem já se acostumou com seu humor sabe que ele quer é fazer “auê”, sem importar-se com oficialismos de escritório.

No quinto tempo da prorrogação, Túlio, que começou a jogar profissionalmente em 87, quando o Brasil ainda nem tinha retomado eleições diretas para presidente, assinou contrato com o Bonsucesso, do Rio de Janeiro, a fim de dar oxigênio à sua folclórica meta. E na apresentação já desfilou sua prosa política e auto-confiante: “Sou um cara vencedor, venho pra um clube vencedor e almejo grandes sonhos.”
Faça-se justiça: Túlio foi, no auge, um bom atacante, dominando cada centímetro das grandes e pequenas áreas. Não à toa, conduziu o Botafogo ao título brasileiro em 95 e chegou a defender a Seleção Brasileira.

Mas neste momento em que o futebol vive sob as rédeas danosas do politicamente correto, importa mais exaltar sua comicidade. Vemos filas de jogadores enquadrados como soldadinhos de chumbo a despejar recordes de frases feitas por minuto. Foi-se o tempo em que jogadores incendiavam jogos com humor. Agora, o máximo que fazem é disputar partidas de videogame em programas matinais.



  • Bruno

    Excelentes comentários, principalmente o final…só achei que poderia usar mais exemplos como apostas entre jogadores,brincadeiras como do souza do sp e do vampeta…boa época, hj em dia além d descobrirmos a cada dia a podridão do futebol ainda não podem falar nada também que já gera violência,processo etc….

  • Lucas P9

    Sou fã de carteirinha do Túlio! Fala na lata as coisas e acrescenta ao futebol aquele folclore que cada vez mais anda ausente nos dias de hoje. Atualmente, em dias de declarações “politicamente corretas” e “bonitinhas”, Túlio agitas as “Paradas mais paradas” como se fosse uma festa de Ano Novo. É um jogador que se dependesse de mim não pararia NUNCA!

  • marcelino

    acredito que antes o jogador tinha tempo de ser criança, de brincar e se divertir e aquela fanfarrice de infância chegava até os gramados quando este se tornava adulto. hoje em dia o jogador se torna profissional aos 7 anos de idade e desde então só aprendem (e repete) contratos, multa rescisória, transferência, empresário, Europa, milhões. Acredito também que essa limitação e robotização se deu por causa da tal imagem do atleta, não se pode manchar a imagem, e no medo surge as frases prontas e vazias. Talvez isso pudesse mudar se os jogadores e empresários percebessem que o que realmente importa é o futebol jogado, ou seja, um bom jogador vai ter lugar cativo dentro do futebol e não é porque brincou com um ou tirou sarro de outro que irá deixar de fechar um contrato, vide Romário, Ronaldo, entre outros.
    Por falta de bom futebol capricha-se nas palavras.

  • Walter

    Túlio merece,

    Foi um grande jogador e um marqueteiro inteligente. Saudades dele, renato gaúcho e romário convocando suas torcidas e provocando os rivais nos cariocas da década de 90. Fazem muita falta. Não sei quando que nossos jogadores passaram a ficar mais burros… Mas Túlio é o último de era…uma ERA saudosa. Que ele chegue aos 1.000 gols e tenha as glórias que merece !!!

  • danny

    torço muito para ele chegar aos mil gols. foi um dos grandes artilheiros da história do futebol brasileiro e na minha opinião não tem o devido reconhecimento!

  • tuffy

    BENVINDO TULIO….. DEIVED… VESTE A CAMISA DO INACREDITAVEL, PORRA!

MaisRecentes

O protagonismo estrangeiro no futebol brasileiro



Continue Lendo

A era em que gol não tem sido um detalhe



Continue Lendo

Bandeira branca, a violência venceu!



Continue Lendo