A longevidade que o talento permite



Rivaldo precisa de um palmo de terra para seu talento se expressar. Se a idade avançada para o jogo de bola o impede de disparar em desabalada carreira no rumo do gol, os dotes técnicos permitem que ocupe uma glebinha com fortuna. É muito útil, pois a categoria permanece ali, intacta. Contra o Cruzeiro mostrou que seu reiterado discurso era verdadeiro: Pode contribuir, e muito, para o São Paulo sair do atoleiro. Carpegiani não achava e deixava o campeão mundial de 2002 em úmida gaveta. Pouco usava o rapaz.

Quando nos impressionamos com os passes exatos de Ganso, com quase nenhuma detenção da bola, podemos ver isso também traduzir nesse novo Rivaldo, já velho na pirâmide etária do futebol. Porque agora ele faz como outros craques fizeram quando o sinal da agonia física chegava: movimentar-se em um trecho do campo e, com a capacidade de antevisão, servir os companheiros a todo tempo. Já me vem à cabeça o ex-atacante Evair, que nos últimos atos de sua trajetória profissional, trocou a artilharia que o consagrou pelo engenho da assistência.

O torcedor são-paulino mostra a sabedoria que alguns profissionais carecem. Pede Rivaldo jogo após jogo, na convicção de que se pode esperar mais de quem tem domínio do ofício do que de um punhado de incógnitas. Porém, técnicos comumente fazem ouvidos moucos para os sopros da platéia. Talvez para mostrarem-se originais ou talvez pelo receio de serem ofuscados. Especular, neste caso, é perda de tempo. O fato é que das arquibancadas muitas vezes vêm o coro da razão, por paradoxal que possa ser, já que associamos o torcedor à paixão mais desbragada. É preciso fazer a leitura correta e captar a essência popular.

O futebol praticado dentro de nossas fronteiras têm limites técnicos que possibilitam a grandes artistas estenderem suas apresentações por aqui. Romário foi artilheiro do Campeonato Brasileiro em 2001 quando já estava avançado nos anos. Ronaldo, mesmo com muitos quilos excedentes, conduziu o Corinthians a dois títulos em 2009. Juninho Pernambucano em apenas dois jogos já mostrou que salário simbólico do Vasco será injusto. E outros exemplos poderiam ser dados sem muitos esforço mental. O craque vai perdendo para o tempo, mas o talento está lá, em seu sangue, sempre pronto a uma exibição a mais, a um convite para uma última sessão!



  • Raphael Luciano

    Falou tudo, o Rivaldo calou a boca de muitos críticos e principalmente da galinhada, que estava achando que ele era o Adriano problema, na boa o Adriano já era, agora o Rivaldo é simplesmente Rivaldo ou seja CRAQUE…..

  • Leandro Fogão RJ

    E o Túlio Maravilha, rumo aos 1.000 gols? Talento não se perde…

  • ACREDITO QUE A LONGITIVIDADE FES MAL PARA O ROGERIO CENI HOJE O CARA SE ACHA A PONTO DE DAR PALPITE EM CONTRATAÇAO DE TREINADOR E ATE JOGADOR SO UMA DIRETORIA MEDIUCRE PERMITE UMA COISA DESTA AINDA RECEBE SALARIO E MOLE

  • TRI MUNDIAL DOOM

    Carpegiani fez besteira, mudava mal o time e não0 colocava Rivaldo…mas Santos teve jogo adiado por causa de jogadores na seleção, o São paulo tem só o Lucas na seleção principal, mas tem um punhado nas subs aí…
    O time do São Paulo perdeu 3 e foi bom q o Carpegiani saiu, mas perdeu 3 pq não tava completo e nem a diretoria contratou ninguém…

  • otavio

    So tecnico cabeça de bagre nao reconhece o talento de um jogador como Rivaldo. O SPFC teve sempre, na sua historia, jogadores experientes como ele, e que sempre jogaram um grande futebol no clube. O problema do SPFC nao sao os tecnicos e sim, o seu presidente, que nao sabe contratar, nem tecnicos, nem jogadores.

  • Neto, esses nomes, se bem usados, podem mesmo ainda serem diferenciais para seus times. Só acho que eles deveriam ser melhor utilizados, de maneira a não esgotarem seu preparo físico, de forma análoga, por exemplo, ao que acontece com Ryan Giggs no Manchester. Como a carga de jogos é muito intensa, uma hora eles cansam e acabam por dar razão aos Carpegianis da vida. Abraço!

  • Eduardo

    Falou e disse! Assino embaixo!

  • WANDERLEY SEVERINO

    MEDIUCRE(?), é quem quer falar e não sabe escrever, medíocre, foi Carpeggiane que, em seu orgulho besta abriu mão de um jogador extraordinário, que hoje em dia em um futebol de força e correria cada vez se torna mais raro, habilidade, visão de jogo, cadência, posse de bola, estar no lugar certo na hora certa para receber a bola, e distribuir o jogo para que ele flua de maneira natural parecendo que jogar bola é para qualquer um. O orgulho foi embora, a humildade ficou e a esperança do sãopaulino aumentou e a a legria voltou, tudo que você descreveu, o fez com oportunismo, viva o futebol arte, mesmo que até em nossa seleção ele anda esquecido, e que surjam muitos RIVALDOS para alegria e a beleza do futebol…

  • Edgar

    Pra quem acha arrogancia do ROGERIO CENI, vamos lembrar que pra nos TRICOLORES, ele tem todo direito em contribuir com TECNICOS e com a diretoria, o cara tem mais de 20 anos de clube, e’ um simbolo de TUDO O QUE CONQUISTAMOS, talvez por isto perturbe tanto aos adversarios rsrs.

    Ao contrario de alguns “‘idolos”” de outros clubes que ao sairem de campo, preferem ir a internet escrever besteiras, mostrando o quanto SAO PEQUENOS.

  • milton

    É…a molecada descobrindo o óbvio…eu tenho 40 anos e vi grande geração de jogadores, e eles não precisavam correr desesperadamente com a bola pra mostrar que eram craques. Craque jogo simples, objetivo, sem enrolação, o drible é arma do último recurso…mas quem viu, viu, Maradona, Zico, Platini, Van Basten, Careca, Mathaus, Muricy Ramalho (sim o próprio), Sócrates, Oscar, Dario Pereyra, Pedro Rocha, Ademir da Guia, etc, pois, quem viu, viu.

  • Erik

    O mais engraçado é ver os saopaulinos com stress pos traumatico usando o q o Rivaldo fez ontem pra justificar alguma coisa de melhor q o time deles tem. Faça-me o favor. Preocupem-se com o time de vcs.

MaisRecentes

Galeano e o espírito do hooliganismo na Libertadores



Continue Lendo

Dérbi de Milão no almoço para chinês ver



Continue Lendo

Santos no divã: hora de encarar a dupla identidade!



Continue Lendo