Antes da decisão, uma visita à história do Santos



Os jogadores do Santos deveriam, nestes dias que precedem a finalíssima da Libertadores, tomar um molho de história do clube. Sentados em poltronas de cinema, iriam ver projetar-se na telona imagens dos títulos de 62 e 63. Saberiam que estão prestes a conquistar diamantes eternos. Tomariam ciência definitiva de que na quarta-feira próxima poderão postar-se ao lado de lendas alvinegras.

Uma visita ao Memorial das Conquistas seria boa pedida para essa turma. Naqueles painéis, um guia, puxando o braço de Rafael, apontaria: Tá vendo aquele cara ali? É Gylmar dos Santos Nevez. Bicampeão mundial com o Santos e a Seleção Brasileira! Muitos o apontam como o maior goleiro brasileiros de todos os tempos. Mire-se nele, garoto. Você pode fazer o que esse monstro fez!”

Lá perto, Edu Dracena leria sobre a trajetória de José Ely de Miranda, o Zito, Eterno Capitão da Vila. Saberia que era o homem a estrilar com Pelé, dando pitos únicos “no negão”, conforme contam os antigos. O zagueiro olharia e teria a real dimensão do que está por atingir, um lugar em estante hoje só ocupada por essa sumidade santista. Durval, acompanhando o amigo de área, conheceria um pouco sobre o curinga Lima, ocupador de espaços nunca dantes ocupados. Tomaria chás de sua destreza, como um isotônico a fortalecê-lo para a decisão copeira.

Elano e Léo, dupla que já traz no sangue as listras branco e pretas, respirariam o ar da história que já compõem. Novos balões de oxigênio para o dia em que passarão de homens a mitos, numa transmigração imediata. Zé Eduardo, que vem sendo contaminado pela zica pestilenta, pediria bênção a Coutinho, companheiro quase siamês de Pelé nas tabelas sem fim e na estética semelhante. A urucabaca, então, pediria o boné na hora da decisão.

Para Ganso e Neymar, um passeio exclusivo pelos corredores sagrados. Para eles, a linha toda de Dorval, Mengalvio, Coutinho, Pelé e Pepe, inserindo nessa gama Pagão e seus dribles aéreos, segundo a definição de Chico Buarque. A linha das linhas, repetida até por crianças que engatinham. O conjunto que fundou efetivamente a glória alvinegra. A nova dupla de meninos ganharia assim o combustível derradeiro, a injeção que espalha confiança e. olhos nos olhos, diriam: “Somos predestinados como esses caras foram!”

Muricy, velho de guerra, veterano de conquistas, poderia, ainda assim, guiar-se pela fortuna de Alonso Perez, o Lula, multicampeão no comando daquele Santos dos anos 60. Espelhar-se em quem colocou os tijolos fundamentais e saber onde se está pisando.

Após olharem para trás, nesse resgate em que a história costura a identidade, os jogadores santistas estariam plenos, absolutos, conscientes de que irão escrever um capítulo novo em um livro que não é reeditado há 49 anos. Um novo evangelho santista, a ser descoberto por gerações futuras. E serão, cada qual a seu modo, apóstolos a professar



  • aristoteles silveira souza

    HISTÓRIA É HISTÓRIA………. . . .

    VAI SANTOS F.C……………… . . .

    re escreve a sua linda história para todos nós…amantes do melhor futebol do mundo…..

    ( nos perdoem os fãs dos gringos…. . ARGENTINOS…AFRICANOS.. ETC..DO BARCELONA.. )

    A TERCEIRA ESTRÊLA ESTÁ MUITO PRÓXIMA…… . .

  • Maringa

    Arrepiante, show de bola…

  • José Roberto

    Cara gostei demais desse texto. Acho que todo santista ou amante do bom futebol deveria ler. Tomara que os jogadores realmente estejam inspirados na quarta-feira para entrarem para uma galeria de craques e títulos que só o Santos e nenhum outro clube que se diz grande, tem. Abraço

  • Gabriel Cândido

    Texto Lindo, sem mais …

  • vai pra cima deles sannnnntoooooos vai com determinaçao tu q es o glorioso eu visto teu manto com amor e emoçao

  • Estrela cadente à caminho da Vila

    Palavras de um “Poeta” traduzem sem desvios o pensamento do torcedor Santista.

    Belas palavras!!! rs!

    Vai pra cima deles Santos!!!

  • Denilson

    Com muita humildade conseguiremos vencer mais um campeonato no qual muitos querem e não conseguem…viva SANTOS e que todos os amantes do futebol se rendam ao nosso glorioso…vamos lá garotada vamos mostrar ao mundo que é o maior da história…

  • Rafael Baratelli

    Valdomiro,
    Sensacional esse seu post…! Texto admirável para quem é amante do futebol brasileiro, afinal a história do Brasil pentacampeão do mundo se confunde com a história do Santos.

    E tenho certeza que a história será reescrita não só no Santos como na Seleção Brasileira.

    Como diz o nosso hino: “Nascer, viver, e no Santos morrer é um orgulho que nem todos podem ter!”

    #vamossertrisantos
    #marbranco

  • Hélio SANTISTA Brasilia

    “Infinda é nossa história de glórias, minha devoção pelo SANTOS; breve é a vida”…tocante e inebriante seu texto.

    Que os jogadores se inspirem e materializem esse sonho de gerações de loucos, doentes e apaixonados. Aos demais, um breve recado: “O sonho de tocar essa terceira estrela dourada é um orgulho que nem todos podem ter.”

  • Cláudio

    Se o Santos conquistar seu terceiro título da Libertadores, com certeza o Corinthians “estará presente” nas comemorações, como é praxe após as conquistas de todos os rivais do Timão…

    Serão ouvidos gritos como “chupa, Corinthians”; “pqp, Libertadores o Corinthians nunca viu”; além de denominações como “gambá fedido”, galinha preta”, “sem Libertadores”, “sem estádio”, “marginal sem número”, etc…

    Mas a verdade é que os corinthianos estão muito mais preocupados com a campanha sórdida movida contra o Fielzão por grande parte da mídia e por diversos setores do poder público. Além de estarem já focados no clássico contra o São Paulo, no próximo domingo, no Pacaembu.

    Na verdade, se existe uma torcida, além da santista, que não estará acompanhando olimpicamente a final da Libertadores de logo mais é a do São Paulo. Pois vale lembrar que grande parte da atual soberba sãopaulina é devida ao bicampeonato da Libertadores de 1992/93, que igualou o time do Morumbi ao Santos de Pelé. Com o título de 2005, os sãopaulinos atingiram a supremacia brasileira de conquistas continentais (apesar de terem se tornado apenas uma potência de segunda ou terceira grandeza se considerados todos os clubes sulamericanos).

    Há poucos anos, o São Paulo tinha delírios de grandeza: seu estádio receberia uma reforma perdulária para receber a abertura da Copa de 2014, o que colocaria o clube “25 anos à frente dos rivais”, nas palavras da diretoria sãopaulina; ao mesmo tempo, o clube lutava para conquistar uma quarta Libertadores (“o campeonato que realmente interessa”), para abrir frente em relação aos rivais brasileiros e se aproximar em títulos dos grandes sulamericanos.

    Hoje a realidade é outra. O Morumbi foi descartado da Copa, e o São Paulo sequer participa da Libertadores. Resta torcer contra. Torcer contra o Fielzão na Copa. Torcer contra o tri do Santos. Um duro choque de realidade para os outrora delirantes adeptos do clube do Morumbi.

MaisRecentes

Dérbi de Milão no almoço para chinês ver



Continue Lendo

Santos no divã: hora de encarar a dupla identidade!



Continue Lendo

Gol, o grande momento da festa proibida



Continue Lendo