Vamos ser tri, Santos!



O primeiro ato dessa final retrô, com sabor anos 60, foi a síntese de seus atores. De um lado, um time conduzido pelas molecagens de um fora-de-série que leva a campo a alma macunaímica. Do outro, um grupo de homens raçudos, que suam sangue sem parar e mais parecem ser 11 Obdúlios Varelas. No embate entre a técnica versus a bravura o placar ficou no zero.
Em um cenário que eu jamais havia visto com estes olhos que a terra promete, faminta, comerá! Pois antes de a bola rolar, a festa em ouro e negro dessa gente do Peñarol é qualquer coisa de Broadaway com tempero “hay que endurecer, pero…”
Contemos a história dessa batalha por meio do cancioneiro das arquibancadas. No primeiro tempo, empurrado pelo que os torcedores locais vinham chamando de “hit do momento”, onde a Libertadores é descrita como obsessão, o Peñarol foi babando para cima do Santos. O Peixe, como antídoto, tocava mais a bola, fazendo o que um torcedor ao meu lado definiu de “saber manejar la pelota”. Muy bien, até Pará costurava o jogo com lucidez. Quando os uruguaios chegavam, era após um chutão a esmo na busca de uma bicuda de Oliveira ou um lampejo do cobiçado argentino Martinuccio.
Em dois momentos, entrou o xuxês, com o velho Ilariê de guerra, e o Santos assumiu as rédeas como que dizendo: essa canção é da minha terra! Foi quando Zé Love teve ótima chance e desperdiçou. De repente, no meio do segundo tempo, começaram a cantar uma coisa de paixão acima de tudo e o time da casa espichou, auxiliado por pane na defesa santista. Três chances claríssimas de gol na sequência e o menino Rafael se sobressaindo. Nos minutos finais, o repertório variou, o Peñarol teve um gol anulado e nada mais. A música de encerramento? Torcida santista cantando: “Vamos ser tri, Santos!”



MaisRecentes

Recortes do precário futebol brasileiro



Continue Lendo

Rica em talentos, França rompe com paradigma recente



Continue Lendo

Espanha morre abraçada ao ‘tiquitaca’ odiado por Guardiola



Continue Lendo