Aí, aqui é 1 a 0, meu filho!



Advirto que os fatos relatados neste texto são ficcionais. Qualquer semelhança com a realidade é meríssima coincidência:

A cena descrita abaixo passou-se no vestiário santista, no intervalo do jogo contra o Cerro Porteño, no Pacaembu, pela partida de ida das semifinais da Libertadores.

Muricy senta no banco ao lado dos chuveiros e dá sua clássica bufada:

– Fuuuuuu…. Já temos o resultado que a gente precisa. É isso aí, vamos lá – sussura para si mesmo antes de virar mais um copo plástico de água guela abaixo.

Eis que Zé Eduardo passa ao lado esfregando uma toalha nos cabelos, cobre o rosto com ela e lamenta o seu longo jejum de gols:

– Não é possível que essa p… de bola não entre. É brincadeira!

Neymar, com seus trejeitos malacos, chega perto do companheiro de fanfarras e diz:

– Po, moleque… naquele carrinho mais um pouco e você acertava a bola, heim? Igualzinho aquele lance na semana passada. Azar, moleque.  Mais um pouco e você acabava com essa macumba, meu velho! To sentindo que hoje a urucubaca vai embora – diz a Joia santista enquanto passa gel para firmar o moicano, sua marca registrada.

Muricy, ao entreouvir o diálogo, fecha o semblante, aproxima-se dos dois e adverte:

– Moçada, que história é essa de pensar em fazer mais gols? Vocês tão de brincadeira, né? Não entenderam ainda que 1 a 0 é o bicho? Não tem falha, meu! Faz 1 a 0, segura as pontas lá e vamos nós. Futebol não tem segredo. Assim a gente chega lá. Ficar tentando mais gols não tá com nada. Vamos ficar expostos e se tomamos um a coisa complica. Ai não é fácil não. Então parem com esses pensamentos aí, meu!

Neymar, arrumando a último espeto capilar, ainda tenta arejar a cabeça do comandante:

– Professor, mas se a gente faz 2 a 0 fica melhor, heim?Não acha não? E três então, nem se fala. To driblando esses paraguaios todos. mais um pouco e a bola entra. Os zagueiros deles ficam loucos quando eu chego. Deixa, vai! Só mais um então..

– Neymar, tu é novo, não sabe nada da vida ainda não. Tem talento, moleque, mas ainda precisa aprender as coisas. Quem muito quer com nada vai ficar, dizia meu avô. Nada de ganânica, cara. 1 a 0 tá ótimo, entendeu? Quer ser campeão ou não quer, bicho?  Contra o América foi assim, um a zerinho em casa e depois foi só segurar lá no México, lembra? E contra os colombianos, esqueceu? Outro 1 a 0 na casa deles e aqui foi só empatar. Quando ficamos tentando fazer mais gols quase tomamos o empate. 1 a 0 é o placar, cara…

Neymar dei uma risada conformada e cochichou para Elano, que passava ao seu lado:

– O professor vai ver. Vamos fazer 2 a 0 e ele vai se convencer que é melhor que um…Po, Elano, se a gente pode fazer dois, três, por que fica nesse um aí?

Foi então que Muricy convocou o grupo, bateu umas três palmas e advertiu:

– Agora é defender, moçada. O time deles fica ali tocando a bola e tentando achar espaço. Vamos fechar esses buracos ali no meio. O placar tá lindo, uma beleza. Um a zero e só segurar na casa deles. Vamos recuar e congestionar ali a intermediária, viu Arouca? Para de sair pro jogo, cara!. E olha aqui você, Adriano, morde até onde puder. Edu e Durval vão ficar ali na cobertura. Léo e Pará, você doios  no cangote dos caras que eles não aguentam..Agora é fechar tudo. Elano e Neymar dão uma ajuda ali pra entupir os espaços

Elano, mais experiente, pediu a palavra:

– Professor, não é melhor eu jogar mais adiantado e a gente tentar fazer o segundo pra matar o jogo? Contra o São Paulo fizemos 2 a 0, na semifinal do Paulista, e eles não tiveram mais reação..

– Elano, meu filho… Aquilo lá foi um acidente. A gente foi pro segundo tempo com os caras pressionando e tava 0 a o. É diferente. Agora estamos no 1 a 0, essa coisa linda que o futebol nos dá. Você já viu um placar mais bonito, mais perfeito que 1 a 0. Olha lá o Coritiba! Meteu seis no Palmeiras e agora os caras da imprensa quer que fique repetindo isso. A cobrança fica grande, filho. Quem goleia fica muito0 pressionado. Ganhei quatro vezes o Campeonato Brasileiro tendo o 1 a 0 como meta. É bem melhor! Todos concentrados. Aqui é 1 a 0, meu filho!

Então, os jogadores viraram-se para escadaria e começaram a subir o túnel rumo ao campo. Edu Dracena encostou em Durval e soprou no ouvido do parceiro:

– É, bicho, estamos fritos mais uma vez. Temos que segurar esse 1 a 0 de qualquer jeito e depois suportar a pressão lá no Paraguai.

Durval estreitou os lábios em expressão afirmativa. E lá foi o Santos na direção de seu destino moderno: de 1 a 0 em 1 a 0 o Peixe enche a pança e Muricy sorri, feliz da vida!



MaisRecentes

Recortes do precário futebol brasileiro



Continue Lendo

Rica em talentos, França rompe com paradigma recente



Continue Lendo

Espanha morre abraçada ao ‘tiquitaca’ odiado por Guardiola



Continue Lendo