Na futeboleia, só vale o luxo, não vale o lixo



No rico reino da futeboleia, jogadores, técnicos e dirigentes, seus habitantes, estão cada vez mais cheios de não-me-toques. Essa gente, salvo raríssimas exceções, só admite o lado doce e glorioso do passado. As feridas são cicatrizadas a fórceps e, quando reabertas por alguém, são tratadas com ironias, reclames e lições de moral.

Mal começou a coletiva e Emerson, talvez crendo ser mesmo um xeque árabe, bufou: “Pô, acabei de chegar e já querem saber isso?” No juízo particular do novo atacante corintiano, juízo bastante comum na terra da bola, perguntar ofende, e muito. Se em algum lugar do passado sua identidade migrou de Marcio Passos de Albuquerque para Marcio Emerson Passos e ele abandonou o signo de sagitário para entregar-se ao de virgem, isso não deve ser lembrado. Seguindo sua linha não revelada de pensamento, bons devem ser os jornalistas festeiros, que adulam jogadores com adjetivos a mais e alfinetes de menos.

Esse pensamento da concórdia é uma onda por aqui. Pouco antes da Copa de 2010 tivemos o exemplo mais circense dessa tendência, que esconde coceiras de censor. Incomodado com críticas ao então técnico Dunga, seu auxiliarJorginho interrompeu uma entrevista para, exaltando, evocar o espírito verde-e-amarelo de cada um dos jornalistas ali presentes. Na hora, lembrei desses pastores que invadem as TVs brasileiras madrugada adentro tentando nos apresentar Jesus. Nas entrelinhas, o recado era antiquíssimo, herdado de tempos sombrios: Brasil, ame-o ou deixe-o!

Desde que o mundo é mundo, calo bom de se apertar é o dos outros. Mas no futebol o pensamento “com açúcar, com afeto” tá demais. Essa gente da futeboleia só quer o luxo da profissão. O lixo querem varrer para debaixo do tapete.



  • Danilo – Ribeirão preto

    Você disse tudo!!!

    Esta cada vez mais chatos as entrevistas com jogadores e técnicos do futebol brasileiro.
    Se acham maiores que os clubes , do qualquer ser humano normal , professores , jornalistas , escritores, etc…etc.
    Mas todos escondem um lado escuro de sua história , uns nem histórias tem, aliais nem terminaram o ginásio.
    Quer saber quem são os verdadeiros culpados?
    Nós mesmo,que vamos aos estádios e pagamos 80 reais num ingresso , um absurdo!!!
    Tomamos chuvas , sol , e quando precisamos ir ao banheiro, cadê o banheiro? não tem.
    Graças á Deus sarei disso, mas ainda amo o futebol, mas agora o europeu,espanhol , inglês.
    Torço pro Baracelona do Messi , da potrona confortável de minha casa.

  • O DIEGO SOUZA FOI CONSIDERADO O MELHOR JOGADOR ENTRE AVAI X VASCO, ELE REALMENTE MOSTROU QUE TINHA QUE SAIR DO GALO PARA MOSTRAR SEU FUTEBOL. PARABÉNS DIEGO. CONTINUA ASSIM. O DORIVAL AINDA ESTA VIVENDO O DRAMA DE NÃO TER JOGO DE CINTURA COMO ACONTECEU NO SANTOS. SE FECHA E FAS INJUSTIÇA COMO FES COM RICARDINHO, PESSOA DE GRANDE CARATER.

  • time nunca rebaixado…

    os jornalistas esportivos de hj são pouquíssimos inspirados…por isso sempre precisam apelar para fatos da vida pessoal de jogadores…que só importam para as pessoas que não tem muito de substancial em suas vidas…e assim…eles ganham o deles…aproveitando o máximo da nossa tendência pra apreciar conflitos…não valem mt mais do que esses tipos de jogadores que com certeza naum fazem nem a quarta parte do que deveriam pelo valor que possuem no mercado

    vi esse aí dando uma coletiva…e começou a falar de arranhãozinho em porta de sei la onde…hum…eu mudei de canal …pois se quisesse procurar esse tipo de conversa eu assistiria minhas carnais abertas…veria marcia…bbb……mas pago pra assistir uma sportv…

    eu amante do futebol…não quero adulações…nem alfinetadas…não pode ser chamado de amante do futebol qualquer um que aprecie isso…

    moral da história…calo bom de se apertar é o dos outros

  • Fabio.Londres

    Sr Valdomiro, concordo contigo sobre os jogadores ,tecnicos de futebol,dirigentes etc… e isso vale tambem para qualquer posto de trabalho do Brasil ate mesmo para jornalistas que ao estarem em seus cargos ou conseguirem uma posicao social um pouquinho melhor sobem na britinha e muitas das vezes esquecem do passado.

    agora sobre voce incluir o Senhor Jesus Cristo na sua colocacao foi de um mal gosto inaceitavel, Jesus nao precisa que eu o defenda , pois ele e Deus e sabe se defender sozinho , agora quanto a pastores ou igrejas que estejam tentando levar ao conhecimento de todos sobre a palavra desse DEUS ou do Senhor Jesus , e muito nescessario pois ha milhoes de pessoas nescessitadas (nao e cunho economico) porem espiritual de conhecer a Deus.

    e sim ha nescessidade de pastores , bispos, igrejas levarem sim a palavra de Deus a todos que a queiram escultar, LEMBRE-SE Ninguem e obrigado a ouvir, nem a ver isso. a televisao nao coloca uma arma na cabeca das pessoas e as obriga a assistir, muito menos pastores e igrejas e MUITO + MUITO MENOS AINDA DEUS que nos deu o livre arbitrio.

    Mais hoje onde querem colocar em escolas o tal kit gay , e onde a criminalidade tomou conta da sociedade onde nao sabemos quem e quem, onde a Corrupcao e a aceitacao da mesma tomou conta da Sociedade Brasileira do menor ao maior, DEUS E A UNICA SOLUCAO , agora cabe a mim ou voce ou quem quer que seja escolher de que lado quer ficar, U JA FIZ A MINHA ESCOLHA

    agora nao use o NOME de DEUS em vao.

  • Neto, concordo. Mas, há um porém, tal qual você ressaltou.

    Nós somos cúmplices, grandes culpados por isso também.

    É a idolatria de boa parcela da imprensa e da torcida que criou esses “monstros”.

    No Brasil a falta de raciocínio crítico virou instituição.

    Que país é esse, parceiro?

    Abraço!

  • Bom dia! REspeito sua opinião, mas não concordo. O jornalista tem o direito de perguntar, e o entrevistado responde se quiser ou não. O cara acaba de ser apresentado no Corinthias e alguns repórteres querem desenterrar defuntos, fatos que já aconteceram. E com que intúito? Informação? Não. Apenas manchetes sensacionalistas. A muito, o jornalismo esportivo deixou de ser apenas esportivo. A maioria de vocês está interessado em fofocas e outros assuntos. O jogador de futebol faz uma grande partida, de repente o treinador o substitui, o jogador sai demonstrando não ter gostado, fato normal, corriqueiro e antigo no futebol. Depois do jogo o que é mais explorado pelos repórteres? A grande partida que o jogador fez, ou ter demonstrado que não gostou de ser substituído? Com certeza a segunda opção será a mais explorada, com o claro intúito de tentar arrancar alguma declaração que venha vender. Se isso é jornalismo esportivo, então é melhor mudarem para programas de fofocas, e chamarem o Leão Lobo para darem umas toques para vocês.

MaisRecentes

Guttman, uma bela e vitoriosa trajetória



Continue Lendo

Palmeiras x São Paulo: rivais contra o vexame



Continue Lendo

Neymar, entre a guilhotina e ‘la vie en rose’



Continue Lendo