Na traição, o futebol imita a vida



A traição é um tema caro, me assobia no ouvido uma alma penada. Ninguém esquece! Judas é malhado até hoje por aceitar 30 dinheiros e deixar Jesus Cristo perto da cruz. E o futebol, como suprema arte que alguns não reconhecem por pedantismo, nada mais faz do que imitar a vida. Para os torcedores do Milan, Leonardo, ao dirigir a rivalíssima Inter, “paga com traição a quem sempre lhe deu a mão”.

Depois de montar uma Santa Ceia para escarrar seu ódio com pão e vinho, não duvide que os torcedores milanistas tenham contratado vodus haitianos para pinicarem um boneco do seu ex-técnico. Os cincos gols do Schalke, ontem, foram fruto da mais irada feitiça-ria dos traidos rossoneri.

O discurso do profissionalismo não sobrevive à rivalidade, e está lhe é superior. Quem em um clube finca raízes, ja-mais deveria bandear-se para a casa vizinha. Ver um ídolo vestir a camisa do adversário odiado é sentir as dores do corno, o chifre que cala fundo na alma. É ter o olho furado. Para alguns, a fidelidade pode ser um valor careta, mas para as massas é o que as conduz aos estádios. Elas não viram a casaca e, idealistas, esperam dos ídolos o mesmo espírito canino. Zico no Vasco?  Ceni no Corinthians? Falcão no Grêmio? Nem pensar!

Ao ouvir que Ganso pode pular a cerca para o Corinthians, os santistas sentem calafrios. Não é para menos. Para o apaixonado, a possibilidade da traição por si só é um grande tormento. Do aplauso, faz-se a vaia em um piscar de olhos. E quem condena esse sentimento tem sangue de barata.



MaisRecentes

Rica em talentos, França rompe com paradigma recente



Continue Lendo

Espanha morre abraçada ao ‘tiquitaca’ odiado por Guardiola



Continue Lendo

Em cartaz na Rússia: ‘El secreto de sus Rojos’



Continue Lendo