Joel não compreendeu os ânimos do torcedor



Na mesma hora lembrei da Fafá de Belém berrando: “Há uma nuvem de lágrimas sobre meus olhos.” Só faltou o queixo do Joel Santana dar aquele tremelicada ao olhar para a torcida com cara de desalento. Para mim era um dramalhão dos bons, mas sem acompanhamento de violino. Foi no domingo passado, no Engenhão, quando ele fez uma substituição contra o Vasco e a torcida do Botafogo o vaiou (não comporta aqui avaliar se acertou ou errou). No dia seguinte, o técnico, dono de um inegável carisma, pegou o boné e foi embora de General Severiano. Assim como Vinicius,  no belo poema Pátria Minha, o treinador viu, no dia seguinte, “a luz, o sal e a água que elaboram e liquefazem” as suas “mágoas em longas lágrimas amargas”.

Joel, na hora, pode ter pensado: “Coitados, eles não sabem o que fazem. Dei tanto para eles, um título carioca, um bom desempenho no Brasileiro, e olha como me devolvem…”

Ou então, numa versão mais ególatra: “%$$%#&&*.. Quem esses caras pensam que são?”

Joel, apesar dos fartos anos de lida, não compreendeu que o torcedor é ingrato mesmo. Ele vai do amor ao ódio em meio piscar de olhos. Quando completa um inteiro, já experimentou a adoração e a aversão. E, ao ser contrariado, é uma criança mimada que faz de seu “uuuuuhhhhh” uma forma de pirraça. Mesmo com sua prancheta plena de rabiscos, esquemas táticos diversos, em um desfile de racionalidades, o técnico perdeu a esportiva e cedeu aos caprichos da emoção. Sentiu o roçar da faca nas suas costas e não suportou, gemeu! Em sua cabeça, no futebol também deve valer o dito do amor com amor se paga. Mas não é assim. Nos campos prevalece a ideia de que a vitória é que recebe o amor como forma de pagamento. Quantas divindades não cairam do olimpo após sucessivos insucessos nos gramados? Com a palavra, Muricy Ramalho, que carrega a bandeira de que ser técnico é padecer na terra: “Na hora de julgar ninguém lembra do seu histórico”.

Pois é, Muricy está pleno de razão. Nenhum torcedor, nem aqui e nem no Nepal, cata um caderninho do bolso e consulta os resultados pregressos de um técnico antes de vaiá-lo. Não existe reflexão, ela fica para o mundo acadêmico e para alguns dalais. O instinto é quem reina nas arenas. O futebol imita a vida com intensidade cruel. Vigora o presente, é ele o soberano. O passado é quadro na parede e histórias em revistas velhas. O futuro é uma “caixinha de surpresas”.  O soar de “burro, burro. burro” emana da arquibancada para qualquer um, sem distinção. Basta contrariar a visão de quem torce. Quem cede, perde. Quem cala, consente. Não há solução, apenas decisão.



MaisRecentes

Recortes do precário futebol brasileiro



Continue Lendo

Rica em talentos, França rompe com paradigma recente



Continue Lendo

Espanha morre abraçada ao ‘tiquitaca’ odiado por Guardiola



Continue Lendo