O Loco que o povo gosta



Ave, Loco Abreu! Tu es o sopro de sandice necessária nesse nosso futebolzinho tão cheio de melindres e corretices políticas. Tu tens a faca que vai na jugular das falsas carmelitas do esporte moderno. Tuas cavadinhas são o sarcasmo que fazem a epifania de
nosso povo, que um dia vibrou com os dribles debochados de Garrincha e hoje é muitas vezes privado das gracinhas vitais. Que ironia, loucão! Um uruguaio, com suas milongas, vem aqui nos ensinar o que é que o futebol tem de transa lúdica. Dissestes um não co-
rajoso ao festival de caretices e discursos vazios que assola o país.

Na primeira cavadinha, tomastes uma chamada de Cavalieri. Com o cenho franzido, o goleiro do Flu decretou: "Menos, menos!". Mas não adianta, tu és nossa réstia de folclore e fazes do menos o mais. Dando de ombros à bronca rival, na segun-
da cobrança a cavadinha veio mais estilosa. E então, em programa de TV, veio a pergunta capital: "Afinal, Loco, você não ficou com medo de errar o segundo pênalti?" E a resposta, deliciosa, foi um tapa na cara dos conservadores e chatonildos de
plantão: Se eu tiver medo, não saio de casa”.

Loco, bem que podias bater um papo com o técnico Adilson Batista e dar a ele umas aulas de falta de etiqueta. Pô, pedir para o menino Felipe Anderson parar de driblar? Tsc,tsc... Eles (os amargos) querem fazer do futebol um esporte de quin-
tal de convento. Por isso, tu deves seguir nessa cruzada de loucuras e impedir que as palavras do teu compatriota Eduardo Galeano, que celebrou no livro “Futebol ao sol e à sombra” as lindezas desse esporte, virem cinzas.


MaisRecentes

Cristiano Ronaldo, uma máquina de obstinação



Continue Lendo

As lições do ‘aspirante’ Carille no senso comum



Continue Lendo

Luxa vive um longo crepúsculo dos deuses



Continue Lendo