África do Sul x México – jogo divertido!



Nas últimas Copas do Mundo, o jogos de abertura tinham uma potência contra um adversário bem inferior. Na sequência, desde 90: Argentina 0 x 1 Camarões, Alemanha 1 x 0 Bolívia, Brasil 2 x 1 Escócia, França 0 x 1 Senegal e Alemanha 4 x 2 Costa Rica. Sim, é verdade que somente no Mundial germânico a Fifa resgatou a tradição de os anfitriões participarem do confronto inicial. Mas o fato é que sempre havia uma força global e, duas vezes, tínhamos presenciado uma zebraça com os africanos Camarões e Senegal.

Desta vez, tivemos um jogo entre duas seleções do bloco intermediário. Ou melhor, a África do Sul nem do intermediário é. E não é que o jogo foi dos mais agradáveis? Ajudou, e muito, a bola qualidade no passe das duas equipes. O México corre o risco, aliás, de ver uma geração campeã do mundo sub-17 não triunfar por ter caido no grupo mais intrincado do Mundial. Giovani dos Santos, Vela e Javier Hernandez são três ótimos jogadores que, pelo visto, não serão escalados juntos. Isso para não falar de Guardado, que entrou no segundo tempo e deu nova vida aos cucarachas.

Uma impressão que ficou do jogo inaugural é que Parreira conseguiu dar uma cara para seu time. Não á toa está há 13 jogos sem perder. Fosse o Mundial em outro país e essa seleção Bafana-Bafana teria pouquíssimas chances de avançar para as oitavas de final. Mas em casa, com uma euforia contagiante e com padrão de jogo bem definido, apoiado no bom meio-de-campo Dikgacoi e na versatilidade de Tshabalala,  pode até chegar. Só que ficou a nítida impressão de que precisará correr muito para vencer uruguaios e franceses. Não será fácil e o risco de ser a primeira mandante a não passar a fase seguinte é considerável.

Outro detalhe é que Parreira, que bateu o recorde em número de Copas como treinador, segue sem vencer quando dirige uma seleção estrangeira – também comandou Kwuait (82), Emirados Árabes (90) e Arábia Saudita (98). Ainda terá ao menos duas possibilidades para isso.

E duas perguntas em relação ao rápido time do México:  como o técnico Javier Aguirre pode escalar um goleiro com a estatura de Pérez? Ainda mais tendo Ochoa no banco? E mais: como pode entrar um campo um jogador totalmente fora de forma como Blanco? Tem o jogador uma ascensão sobre o grupo tamanha sua adoração pelos torcedores do país?

PS: Achei que seria duro assistir a essa Copa com o frisson das vuvuzelas. Mas a verdade é que, ao menos pela televisão, o barulho é tão constante que, repentinamente, você nem nota sua existência. Para quem está no estádio não deve ser a mesma coisa. Aliás, na transmissão apareceu uma sul-africana com enormes fones de ouvido. Bela estratégia, heim?



MaisRecentes

Recortes do precário futebol brasileiro



Continue Lendo

Rica em talentos, França rompe com paradigma recente



Continue Lendo

Espanha morre abraçada ao ‘tiquitaca’ odiado por Guardiola



Continue Lendo