A Liga dos Campeões e a Copa do Mundo



A final da Liga dos Campeões foi um baita aperitivo para quem espera ansioso pela Copa do Mundo. Como o blog é de Copa, vou procurar me ater ao que ele se refere, mesmo que indiretamente. Mas antes vale registrar que o técnico José Mourinho tomou conta dos holofotes porque é muito acima da média. Não foi à toa que no caminho para a conquista a equipe de Milão superou nada menos que os campeões dos três mais importantes campeonatos nacionais do mundo ao lado do próprio Italiano: inglês (Chelsea), espanhol (Barcelona) e alemão (Bayern de Munique). Samuel Eto’o sempre foi um atacante nato, com velocidade e conclusão. Daqueles vaidosos, que ficava contrariado em grupos nos quais seu espaço ficasse em questão. Incrivelmente, com Mourinho aceitou virar uma espécie de ponta mais recuado. Tornou-se uma arma poderosa na marcação e articulação, quase desaparecendo na frente. O gol contra o Chelsea, no Stamford Bridge, foi uma exceção. E, sabendo que sem Ribery as jogadas alemãs se concentrariam em Robben, o que fez o técnico português? Escalou Chivu para o combate, reforçando a marcação pela esquerda da sua defesa com as ajudas de Cambiasso e Samuel. Ações de um técnico competente e decisivo.

Para efeito de Copa do Mundo, alguns registros:

1 – Não foi coincidência o fato de Diego Milito ter definido o jogo. Na temporada interista ele foi um dos jogadores mais importantes.  Não à toa a imprensa italiana o define como ‘un immenso’: na temporada que se encerra marcou 22 gols na Lega Calcio e cinco na Liga dos Campeões (sendo umas nas quartas diante do Chelsea e dois na decisão deste sábado). Será a principal referência do ataque argentino e é candidato a ser artilheiro da Copa.

2 – Samuel: Todos repetem insistentemente a mesma cantilena – a Argentina tem poderio ofensivo, mas a defesa… Pode até ser verdade, já que Heinze, Burdisso, Demichelis e Otamendi não são maravilhas universais. Mas Samuel destoa. Ótima Liga dos Campeões, anulou o ataque do Chelsea nas quartas e foi imprescindível na ajuda à marcação de Robben na final. Pelo menos ele pode ser um bastião da defesa alviceleste.

3 – Sneijder e Robben provaram na decisão que a Holanda terá um poder de fogo respeitável em campos sul-africanos. Vale lembrar que deverão formar quadrado com Rafael Van der Vaat e Van Persie. No passe para o primeiro gol de Milito, Sneijder mostrou perícia idêntica à que mostrara contra o Chelsea, em Londre, no gol de Eto’o. Já Robben foi o responsável principal pela surpreendente presença do Bayern na decisão. Foi o grande jogador da equipe na finalíssima e, não fosse Júlio César em um chute cruzado, poderia ter deixado a história com feitio diferente.

4 – Os brasileiros Júlio César, Maicon e Lúcio formaram um trio-barragem na temporada interista. E são titulares absolutos de Dunga. Impressiona a segurança do goleiro nos momentos decisivos. Impressionam o vigor físico, a qualidade na chegada à linha de fundo e o bom passe do lateral. E impressionam mais ainda a liderança, tempo de bola e qualidade técnica do zagueiro. Se o Brasil não parece ter um time dos mais fornidos de talento do meio para a frente, lá atrás…

5 – Os alemães Philip Lahm e Klose já não têm o mesmo nível de quatro anos atrás. O lateral aparece bem menos no jogo e faz muitas jogadas burocráticas, como toquinhos de lado. Já o atacante, que se fizer cinco gols no Mundial igualará Ronaldo como o maior artilheiro da competição em todos os tempos, é reserva do Bayern.



MaisRecentes

Recortes do precário futebol brasileiro



Continue Lendo

Rica em talentos, França rompe com paradigma recente



Continue Lendo

Espanha morre abraçada ao ‘tiquitaca’ odiado por Guardiola



Continue Lendo