Argentina e Espanha superam algozes de 2006



O única data Fifa do ano antes da Copa da África teve inúmeros atrativos. Os adversários do Brasil no Mundial ficaram longe de impressionar, com a Costa do Marfim perdendo para a Coreia do Sul e Portugal vencendo palidamente a insípida China, a Holanda superando os crescentes Estados Unidos, Itália e Camarões em esquálido empate que lembrou a Copa de 82, o Uruguai mostrando que vai dar trabalho em campos sul-africanos ao vencer bem a Suíça com a afinada dupla ofensiva Forlán e Suares, a Inglaterra assustando ao sair atrás dos egípcios mas depois ir à frente com dois gols do grandalhão Crouch… Muitas emoções, como diria Roberto.

Mas o interessante mesmo esteve em dois superclássicos: Alemanha x Argentina e França x Espanha. E ambos tiveram a mesma curiosidade. Argentinos e espanhóis sairam vencedores fora de casa justamente contra seus algozes na Copa de 2006 e deixaram otimistas seus torcedores. A Argentina ‘vingou-se’, e aqui as aspas relativizam a vingança por ser amistoso, da eliminação nas quartas de final quatro anos atrás. O gol solitário de Higuain deve ter convencido Maradona de que tem em Messi e o jogador do Real Madrid uma dupla forte para a Copa. Por outro lado, no Saint Denis, consagrado palco francês desde o Mundial de 98, a Espanha mostrou que é a equipe mais técnica entre todas. Sob os gritos de olé do torcedor local, os ibéricos fizeram 2 a 0, viram Iker Casillas empatar com Raul no topo dos atletas que mais vestiram a camisa da Fúria e deram o troco nos franceses, que em 2006 os eliminaram do Mundial nas oitavas, com Zidane brilhando. Assim, os espanhois ergueram os canhões para buscar seu primeiro título mundial.

Isso quer dizer que Argentina e Espanha estão sobrando? Evidente que não. Os nossos Hermanos, inclusive, ainda geram mais dúvidas que certezas, ao contrário da Espanha, que precisa apenas tirar da nossa orelha aquela pulga de que na hora agá… Mas o fato é que são vitórias superlativas e que deixam as seleçoes mais auto-confiantes. Sabemos que Copa do Mundo é outra história e patati patata.



MaisRecentes

Quanto valem Messis e da Vincis?



Continue Lendo

No bipolar Brasileirão, o futebol é obra inconclusa



Continue Lendo

Guttman, uma bela e vitoriosa trajetória



Continue Lendo