Grupo A – a morte pede carona



A partir desta quinta-feira este blog dedica-se enfim à sua finalidade precípua: Copa do Mundo 2010. Sua razão de existir. Estou em dívida com os internautas, mas ela sará sanada a partir de agora. Para iniciar, farei em oito dias a análises dos grupos do primeiro Mundial em solo africano. Espero que gostem:

Grupo A – a morte pede carona! – África do Sul, México, Uruguai e França

Aposta do blogueiro – 1o França, 2o Uruguai, 3o África do Sul e 4o México

Análise:

O fato de a seleção sul-africana ser fraquíssima faz muitos a colocarem como presa fácil na Copa. Isso pode ser uma baita esparrela. Independentemente do nível da equipe, historicamente o time da casa passa da primeira fase. Motivação, apoio da torcida, certa complacência dos árbitros, interesse da Fifa… As razões podem ser diversas, mas o fato é que o time de Parreira pode sim complicar a vida dos adversários.

Por outro lado, a chave dos anfitriões é uma pedreira. Penso que tende a ser a mais equilibrada do Mundial. Desse ninho pode ser sair qualquer coisa. Além dos donos da casa, são dois campeões do mundo e uma equipe que foi às últimas quatro Copas e em todas elas passou para as oitavas de final. A favorita óbvia a terminar em primeiro lugar é a França. Estou considerando camisa, grife, porque faz tempo que os franceses não mostram bom futebol. Na última Euro foram um vexame estrondoso, caindo na primeira fase para italianos e holandeses. Desde que Zidane deixou os campos, ao fim da última Copa, os gauleses padecem. O Uruguai, embora tenha sofrido novamente para classificar-se e mais se ausenta do que participa de Mundiais, tem condições de brigar com mexicanos e sul-africanos por uma vaga. Minha aposta é França e Uruguai, o que parece ser chover no molhado. Mas em 2002, também apostava nos dois e quem passou foi Senegal e Dinamarca. Apostar no futebol é um delírio.

África do Sul –

Por que acreditar? – Nunca uma seleção anfitriã deixou de passar da minha fase de um Mundial. Os sul-africanos não quererão quebrar essa escrita. Ir às oitavas é uma obrigação para quem abriga o Mundial. Em 94, os Estados Unidos, ainda com futebol mirrado e beirando o horrível, passaram às oitavas e complicaram o Brasil.

Por que não acreditar? – A equipe é muito fraca e sequer conseguiu vaga entre as 16 nações africanas que disputaram o último torneio continental. Some-se a isso as turbulências em seu comando técnico, que viu um troca-troca de brasileiros: Parreira saiu, Joel entrou e depois repassou o cargo para Parreira.

México –

Por que acreditar? – O México tem razoável tradição em Mundiais, e não só porque abrigou a competição duas vezes. Vai para sua quinta participação consecutiva e em todas as quatro últimas chegou às oitavas de final, onde sempre caiu – Bulgária (94), Alemanha (98), Estados Unidos (2002) e Argentina (2006)

Por que não acreditar? – O time aparenta ser pior que o das Copas passadas e ainda vive muito em função de velhos conhecidos, como Cuauhatemóc Blanco e Palencia. Uma nova geração com Giovanni dos Santos e Vela promete mas não convenceu muito ainda com a camisa verde.

Uruguai –

Por que acreditar? – Time com alguns conhecidos dos brasileiros, como Lugano e Loco Abreu, é melhor que o dos anos anteriores e conta com a velha tradição da Celeste Olímpica. Há outros nomes importantes no cenário futebolístico mundial, tais como Muslera e Gargano, que jogam na Lazio e no Napoli, respectivamente, e os atacantes Forlán, que já ganhou a chuteira de ouro na Europa, e Suárez, que liderou a premiação por algum tempo.

Por que não acreditar? –

França –

Por que acreditar? – O motivo mais óbvio reside na tradição. Nas últimas três Copas, são duas finais e, nesse meio tempo, um título europeu. Embora não venha apresentando futebol convincente tenha um técnico excêntrico, os franceses tem atletas de grande destaque, principalmente Rbery (Bayern), Anelka (Chelsea) e Nasri (Arsenal).

Por que não acreditar? – Jogadores importantes deixaram a seleção, caso de Zidane, ou estão no crepúsculo da carreira, caso de Vieira. O time é dirigido por Domenech, que dá mais importância à astrologia que ao futebol. Sem Zizou, a equipe perdeu a imponência e classificou-se à Copa graças ao polêmico lance irregular de Henry contra a Irlanda.

 Aconteceu em outras Copas –

A França já enfrentou seus três adversários em Copas passadas. três vezes o México, duas o Uruguai e uma a África do Sul. Além disso, houve um confrontro entre Uruguai e México, no Mundial de 66. Curiosamente, o Mundial da Inglaterra teve a anfitriã ao lado de Uruguai, França e México, situação idêntica à de agora.

França 4 x 1 México (primeira fase da Copa de 1930 – Uruguai)

França 3 x 2 México (primeira fase da Copa de 1954 – Suíça) *

França 1 x 1 México (primeira fase da Copa de 1966 – Inglaterra)

Uruguai 2 x 1 França (primeira fase da Copa de 1966 – Inglaterra)

México 0 x 0 Uruguai (primeria fase da Copa de 1966 – Inglaterra)

França 3 x 0 África do Sul (primeira fase da Copa de 1998 – França)

França 0 x 0 Uruguai (primeira fase da Copa de 2002 – Coreia do Sul/Japão)

* As duas seleções fizeram parte do grupo do Brasil, que ainda tinha a ex-Iugoslávia.



MaisRecentes

Guttman, uma bela e vitoriosa trajetória



Continue Lendo

Palmeiras x São Paulo: rivais contra o vexame



Continue Lendo

Neymar, entre a guilhotina e ‘la vie en rose’



Continue Lendo