Possíveis jogos e grupos do Mundial



No próximo dia 4 de dezembro acontece um evento que empolga os amantes da Copa do Mundo. Digamos que é o verdadeiro pontapé inicial do maior torneio esportivo: o sorteio dos grupos. Pois sairam as prováveis configurações dos potes que abrigarão as famosas bolinhas – aquelas que só gente do status de Pelé, Puskas e Di Stéfano colocam a mão, exceto quando há divergências com os poderosos da Fifa. O fato é que já podemos vislumbrar possíveis grupos do Mundial sul-africano. Brincar de adivinhação. Mesmo que ainda faltem seis participantes (quatro europeus, um africanos e um das américas) pouca coisa deve mudar até lá. A única mudança notável acontecerá se a França perder para a Irlanda, no Saint Denis, o que seria uma zebraça. O Uruguai, que deve selar a vaga também nesta quarta, será o único campeão do mundo que não será cabeça-de-chave. Aos outros seis campeões do mundo (Brasil, Itália, Alemanha, Argentina, Inglaterra e França) estarão a favorita Espanha e a África do Sul, anfitriã. O pote 2 terá os outros oito europeus, o terceiro os outro cinco africanos e três sul-americanos e o pote quatro as teóricas “babas” – quatro asiáticos, dois da oceania e três da Concacaf.

Algumas coisas curiosas dessa configuração, que, como sempre, leva em conta critérios técnicos e geográficos, é que a Argentina se livrou de uma bucha que há deixou em maus lençóis em 2002 e 2006. Nessas duas edições a Alviceleste enfrentou dois europeus na primeira fase – Inglaterra e Suécia, em 2002, e Holanda e Sérvia, e, 2006. Outra curiosidade é que o Brasil, assim como os próprios argentinos, obrigatoriamente enfrentará um africano. Isso porque no pote 3 os únicos acompanhantes das equipes do continente-sede são os sul-americanos. Isso só mudará se a Costa Rica provocar um autêntico Centenariazzo e eliminar o Uruguai.  Além disso, os potes 2 e 3 nos dão a certeza de que a tradição de termos um “grupo da morte” seguirá viva – com o perdão do trocadilho – na África do Sul. Imagine uma chave Alemanha, Holanda, Uruguai e México? Ela é possível… Ou então Brasil, Portugal, Camarões e México? Também pode acontecer.

Independentemente de como terminar o quadro de classificados nas próximas 24 horas outro fato é que nenhum grupo da Copa de 2006 poderá se repetir desta vez. E na primeira fase poderemos ter alguns duelos que estão na história das Copas do Mundo. Confira:

Itália x Coréia do Norte – Em 1966, na Inglaterra, os norte-coreanos fizeram sua única participação em Mundiais e provocaram uma zebra antológica ao derrotarem a Itália por 1 a 0. Resultado que decretou a precoce eliminação da Squadra Azzurra.

Brasil x Holanda – Duelo que por três vezes foi decisivo em Copas. Em 1974, a Laranja Mecânica venceu o Brasil de Zagallo e foi à final contra a Alemanha. Em 94, a famosa cobrança de falta de Branco que garantiu os 3 a 2 e a consequente classificação brasileira às semifinais. Em 98, novo triunfo brasileiro, desta vez nos pênaltis e que selou nova participação verde-e-amarela em uma finalíssima.

Espanha x Dinamarca – Em 1986, a Dinamarca era a sensação da Copa e havia destroçado Uruguai (6×1), Escócia e Alemanha (2 a 0) na primeira fase. Nas oitavas de final, porém, os espanhóis com um iluminado Emílio Butrageño, marcaram 5 a 1 e deram fim à idolatrada Dinamáquina.

Alemanha x Uruguai – Em 1966, as duas seleções encontraram-se nas quartas de final. E os germânicos aplicaram inapeláveis 4 a 0. A polêmica é que até hoje se fala de complôs de arbitragem. Nessa partida, o árbitro foi inglês, enquanto no outro duelo Europa versus América do Sul, Inglaterra x Argentina enfrentaram-se com apito alemão. Mas se houve alguma interferência…

Argentina x Camarões – Se o destino, vestido de bolinhas, colocar essas duas seleções frente a frente muitos lembrarão de 1990. No jogo de abertura daquele Mundial os camaroneses começaram a impressionar o mundo ao derrotar os atuais campeões, com Maradona e Caniggia em campo, por 1 a 0. E ali naquela edição se consagraria a maior campanha até hoje de um africano em Copas. Camarões chegaria às quartas de final. Senegal igualaria o feito 12 anos depois, na Ásia, ao cair na mesma fase diante da Turquia.

Inglaterra x Portugal – Em 1966, a maior equipe portuguesa de todos os tempos, comandada por Euzébio e Coluna, era a sensação. O time do técnico Oto Glória havia vencido o Brasil de Pelé por 3 a 1, na primeira fase, e aplicado virada espetacular sobre a Coréia do Norte nas quartas de final depois de estar perdendo por 3 a 0. Mas nas semifinais, os lusos sucumbiriam para os donos da casa ingleses: 2 a 1.

França x Paraguai – Qualquer francês que pense no título mundial de 98 – o único da seleção gálica até hoje – irá se lembrar do sufoco vivido nas oitavas de final. Porque se a França passou por Dinamarca, Itália e Brasil para chegar ao título, talvez o jogo mais suado tenha sido contra os paraguaios, da sólida defesa montada pelo brasileiro Paulo César Carpegiani, com Gamarra e Arce. A vitória por 1 a 0 veio no extinto golden gol (gol de ouro) com cabeçada do hoje treinador Blanc.  

Como devem ser os potes:

POTE 1: África do Sul, Brasil, Argentina, Alemanha, Itália, Espanha, Inglaterra e França ou Holanda*

POTE 2: Holanda ou Irlanda**, Rússia ou Eslovênia, Portugal ou Bósnia, Grécia ou Ucrânia, Suíça, Eslováquia, Dinamarca e Sérvia.

POTE 3: Camarões, Costa do Marfim, Gana, Nigéria, Egito ou Argélia, Chile, Paraguai e Uruguai ou Costa Rica

POTE 4: Coréia do Sul, Coréia do Norte, Japão, Austrália, Nova Zelândia, México, Estados Unidos e Honduras.

Grupos da morte possíveis com o Brasil:

Brasil, Portugal, Camarões e Estados Unidos

Brasil, Holanda, Costa do Marfim e México

Grupos da morte possíveis envolvendo outras seleções :

Argentina, Holanda, Camarões e México

Argentina, Portugal, Costa do Marfim e Estados Unidos

Alemanha, Holanda, Uruguai e Austrália

Itália, Portugal, Chile e Estados Unidos

Espanha, Rússia, Uruguai e México

França, Sérvia, Paraguai e Estados Unidos

Inglaterra, Holanda, Chile e México

Grupos mais fáceis para o Brasil

Brasil, Eslováquia, Egito e Coréia do Norte

Brasil, Suíça, Nigéria e Honduras

Grupos mais fáceis para outras seleções

Argentina, Suíça, Egito e Coréia do Norte

Alemanha, Eslováquia, Paraguai e Nova Zelândia

Itália, Grécia, Camarões e Coréia do Sul

Espanha, Bósnia, Paraguai e Coréia do Norte

 



MaisRecentes

Cristiano Ronaldo, uma máquina de obstinação



Continue Lendo

As lições do ‘aspirante’ Carille no senso comum



Continue Lendo

Luxa vive um longo crepúsculo dos deuses



Continue Lendo