Maradona brinca de “Escravos de Jó”



Maradona, quando jogador, era o talento e a criatividade à serviço dos argentinos – boquenses, barcelonistas e napolitanos também o sabem. Mas parece que a improvisação que o caracterizou como atleta, ele transferiu para a carreira de treinador. Poucas vezes se viu, pelo menos a minha curta memória não me acode, um técnico que muda tanto uma equipe de um jogo para outro como o Pibe de Oro. É um troço que beira o insano. Parece um menino brincando de escalar uma equipe. Você sabe o time-base de Dunga, certo? Pode até haver uma dúvida ou outro em posição específica, o que é natural, mas em geral dá para cantar do camisa 1 ao onze.

Maradona está prestes a completar um aninho só no leme celeste. E do primeiro jogo da Eliminatória que dirigiu, um 4 a 0 sobre a Venezuela, até a partida do último sábado diante do Peru, apenas quatro jogadores seguiram titulares: Heinze, Gutierréz, Mascherano e Messi. Muito pouco. E o pior é imaginar que dois desses titulares indiscutíveis justamente Gutierrez e Heinze, que qualquer observador sabe que são péssimos. Mascherano, el jefito, é o líder da equipe e, embora tenha dado a entregada incrível no primeiro gol peruano, tem escalação justificada. E Messi não precisa dizer.. Mas nas outras posições Maradona realiza um “Escravos de Jó” que impressiona. Até no gol, posição que costumam dizer ser de confiança, o treinador já escalou Abondanzieri, Andújar,

O Diário Olé, em sua versão eletrônica, trouxe um dado interessante nesta terça-feira. Do jogo contra a Venezuela para o confronto diante da Bolívia, Maradona fez três mudanças na equipe. Da Bolívia para a Colômbia, quatro; Da Colômbia para o Equador, quatro; do Equador para o Brasil, quatro; do Brasil para o Paraguai, quatro e de Paraguai para o Peru, sete. Contra os peruanos, em jogo decisivo, dois jogadores estrearam na gestão maradoniana: Pablo Aimar, que não era chamado desde a Copa América de 2007, e Higuain, que fez o primeiro tento diante dos peruanos.

São números que impressionam e justificam o tango que vive a Argentina. Não dá para afirmar que com um Marcelo Bielsa ou Carlos Bianchi a Argentina fosse nadar de braçada. Ainda mais porque o futebol dos nossos rivais vive um seca tremenda de jogadores de defesa, mas certamente não estaria passando esse sufoco todo.



MaisRecentes

Cristiano Ronaldo, uma máquina de obstinação



Continue Lendo

As lições do ‘aspirante’ Carille no senso comum



Continue Lendo

Luxa vive um longo crepúsculo dos deuses



Continue Lendo